Está aqui

O novo fogo posto

A medida da nossa resiliência está em teste covid-19 e não pode continuar a contornar a adaptação à mudança.

O pensamento de que tudo continua como dantes, ainda que esperançoso, é um acto de condenação do futuro imediato e não inibe aquilo a que apelidamos de regresso ao passado. Ainda não há passado para onde possamos regressar após esta epidemia. Durante uns tempos, as regras são outras e tudo o que temos é um vislumbre da normalidade aquando da implementação de uma vacina. Até lá, fingir que aos nossos actos não correspondem consequências não nos vai fazer esquivar da dor.

Com a época balnear a arrancar aos soluços em todo o país - mas em ritmo de cruzeiro durante o mês de Julho - assistimos ao combate à epidemia em Portugal a morrer na praia

A festividade ilegal num salão de festas em Lagos, realizada há quase 15 dias, já originou um surto com cerca de novos 60 casos de infecção, propagando-se a outros concelhos do Algarve (como a Lagoa e a Portimão) e fora da região. Os idosos que vivem em lares já não podem receber visitas, alguns estabelecimentos encerraram para desinfecção e volta a equação de um cerco sanitário. Isto quando Portugal somou ontem mais 417 casos, maioritariamente na região de Lisboa e Vale do Tejo (uma das mais afectadas da Europa), no que foi o aumento mais considerável dos últimos nove dias. Muito devido ao "all inclusive" de Odiáxere, o Algarve teve ontem seis vezes mais novos casos. Com a época balnear a arrancar aos soluços em todo o país - mas em ritmo de cruzeiro durante o mês de Julho - assistimos ao combate à epidemia em Portugal a morrer na praia.

A percepção de que aprendemos muito com os países onde a covid-19 "atacou" primeiro e em força toldou-nos o discernimento para os desafios de contenção. Neste novo início, parece que nada aprendemos com os países ou comunidades onde já houve focos de reacendimento. O grupo internacional "EndCoronavirus.org", onde se reúnem mais de quatro mil cientistas, coloca Portugal na categoria dos países em alerta vermelho no combate à epidemia (na companhia, entre outros, do Reino Unido, Estados Unidos e Suécia). A Dinamarca, Áustria, Grécia, Bulgária, Chipre e Lituânia não aceitam turistas portugueses. Muitos outros países colocam-nos severas restrições e obrigações de quarentena. O bom aluno europeu parece estar a piorar a avaliação nos últimos testes, também à boleia daquele optimismo de Costa de que tanto Marcelo falava.

O grupo internacional "EndCoronavirus.org" coloca Portugal na categoria dos países em alerta vermelho no combate à epidemia

Amanhã começa o Verão, veremos que Verão. Será atípico, mapeado, rastreado, analisado ao detalhe dos metros de distância. À previsão meteorológica juntar-se-á a antevisão da afluência às praias, às bandeiras azuis juntar-se-ão os semáforos de areal em "numerus clausus". Que seja um exercício de consciência, precaução e bom senso. Algum descanso às florestas. Como se percebeu pela festa ilegal de Lagos, este é o novo fogo posto.

Artigo publicado no “Jornal de Notícias” a 19 de junho de 2020

Sobre o/a autor(a)

Músico e jurista. Escreve com a grafia anterior ao acordo ortográfico de 1990.
(...)