Está aqui

No tempo em que os animais falavam...

Se tudo fosse um conto de fadas, certamente o mundo seria um local melhor, em especial para os animais que poderiam manifestar as suas opiniões, decisões e contestações. Infelizmente, a comunicação verbal com os animais continua a ser um desafio atual.

No tempo em que os animais falavam, nas estórias de encantar, tudo parecia poético na relação entre animais e humanos. A comunicação era um facto consumado e todos se entendiam nas suas intenções e necessidades, sem más interpretações ou ambiguidades. Se tudo fosse um conto de fadas, certamente o mundo seria um local melhor, em especial para os animais que poderiam manifestar as suas opiniões, decisões e contestações. Infelizmente, a comunicação verbal com os animais continua a ser um desafio atual, do qual apenas vamos tendo alguns vislumbres, como aconteceu em dois estudos recentes que se debruçam sobre a curiosa tentativa de comunicação de animais com seres humanos.

Em 1984, a baleia branca de nome NOC, começou a tentar comunicar com os seus tratadores, produzindo vocalizações da voz humana, que captou pela convivência com humanos. Foi uma descoberta fabulosa, relatada na revista Current Biology,se considerarmos que o sistema vocal das baleias é muito distinto do humano e que houve um esforço inequívoco de comunicar com os humanos1.

Apesar de NOC já ter falecido, ainda podemos ouvir a sua voz gravada neste link: http://www.eurekalert.org/multimedia/pub/48866.php?from=224114

Outro caso recente, vem do elefante Koshik que aprendeu a falar cinco palavras de coreano, num jardim zoológico da Coreia do Sul2. Mais uma vez, a convivência diária com humanos favoreceu uma aprendizagem linguística que marcou este nobre animal para favorecer a sua relação com humanos.

Já se conheciam animais que imitavam vozes, entre as aves, mas a descoberta inovadora tem sido o facto de se tratar de mamíferos que concretizam com sucesso estas tentativas vocais. Por outro lado, a aprendizagem vocal complexa, que tem sido até agora apanágio da fala na espécie humana, evidenciou-se nos padrões de frequência e timbre usados pelo elefante Koshik, o que demonstra capacidades ainda inéditas em mamíferos. Aqui fica o vídeo com este ilustre elefante que espantou a comunidade científica internacional:

http://www.eurekalert.org/multimedia/pub/49234.php?from=224898

Não se admirem se perto de vocês surgirem mais animais a “falarem”, não por os animais estarem a tornar-se mais inteligentes, mas porque passámos a estar mais atentos às suas capacidades. E assim, eles voltaram a falar…


Sobre o/a autor(a)

Ativista dos direitos dos animais / Estudante Universitário
(...)