You are here

Só a solidariedade salvará a Ucrânia da intervenção

A União socialista “Oposição de Esquerda” faz a sua avaliação da agressão russa na Crimeia e o papel destrutivo dos nacionalistas ucranianos. A intervenção dos exércitos russos foi possível devido à divisão na sociedade ucraniana. A sua unidade é impossível com os oligarcas e os chauvinistas no poder. Só a solidariedade poderá salvar a Ucrânia.
Tanques russos junto à fronteira da Ucrânia. Foto de Alberto Sicília, do blog Principia Marsupia

1. Somos a favor da autodeterminação da Crimeia só depois da retirada dos exércitos russos que estão a efetuar esta flagrante intervenção. Somos pela autodeterminação do povo e não da elite mercenária que se “autodetermina” de modo a proteger-se dos naturais da Crimeia com as bocas das armas automáticas russas. O resultado do separatismo na Crimeia será o renascer do império russo, que ameaça uma guerra mundial.

2. A justificação da agressão de Putin é a histeria nacionalista que os líderes deMaidan ignoraram. Piadas xenófobas agressivas foram tratadas como normais e mesmo hoje em piquetes antiguerra continuamos a ouvir slogans provocadores como “Glória à nação! Morte aos seus inimigos!” A manipulação feita pelo Kremlin a estes slogans assustou os povos do leste e do sul. No entanto, a agressão iniciada pela Federação Russa é marcadamente imperialista e dirigida contra a república revolucionária (a revolução genuína, não favorável aos oligarcas, apenas começava a revelar-se.

Uma guerra de libertação, se conduzida pelos oligarcas ucranianos,desembocaria na fascização da sociedade: podemos esperar unificação em torno de míticos interesses nacionais, uma ditadura aberta e políticas sociais dirigidas à concentração da riqueza nas mãos da elite. O nosso governo pode reivindicar legitimidade popular, mas sódepois de uma consulta social ter sido efetuada. Contudo, o nosso governo foi legitimado pela ameaça de intervenção estrangeira – somos forçados a amar um regime, não o nosso país.O governo na Ucrânia está progressivamente a passar diretamente para as mãos dos oligarcas (Kolomoisky e Taruta tornaram-se governadores). Os oligarcas saquearam o nosso país e agora exigem que o povo esfomeadodefenda o seu estado corrupto!

3.O movimento Maidan não foi uniforme – os nacionalistas radicais estragaram o protesto com a xenofobia mas, felizmente, não determinaram as suas reivindicações. A população da Ucrânia oriental e do sul e os membros das minorias étnicas deviam saber que em Maidan havia muitos representantes das forças que têm posições internacionalistas, de esquerda e democráticas. Apoiar o mito de um “Maidan fascista” é legitimar o uso da força pelosneonazis contra estes cidadãos que discordam deles. Entristece-nos ver que as ideias antifascistas estão a ser exploradas para justificar a guerra. |O antifascismo é solidariedade, não é intervenção!

4.Os cidadãos da Ucrânia ocidental e central deviam pressionar o governo a não permitira discriminação linguística, a destruição de monumentos ou aincitação à hostilidade desnecessária. A Ucranização levada a cabo pelos oligarcas só pode levar ao chauvinismo. É necessário rever a política da língua e alargar o direito a usar a língua nativa nas regiões onde ela é precisa. O renascimento nacional e cultural dos ucranianos e de outros povos do nosso país é inseparável da resolução dasquestões sociais.

5. Somos pela preservação de uma Ucrânia unida, como um fenómeno cultural único. A coexistência de diversas etnias só enriquece a cultura humana universal. No caso dadivisão do país, o governo dos chauvinistas estabelecer-se-á em ambos os lados. Todos os conflitos na Ucrânia são resultado da ditadura dos oligarcas. A Ucrânia pode ser consolidada com base na derrota do poder dos oligarcas – os trabalhadores do leste e do sul querem igualmente uma mudança social e deviam compreender que atiçar o conflito apenas serve para adiar asperspetivasde melhoria para um futuro distante.

6. O governo da Federação Russa é controlado pelos representantes mais conservadores dos interesses do capital. E é por isso que os cidadãos que apoiam um referendo sobre a“reunificação” com a Rússia fariam melhor em preparar-separa um estado policial e para uma política antissocial. Não abrimos precedentes para o apoio auma vitória do imperialismo russo. Apesar das declarações dos nacionalistas burgueses ucranianos não ficaram quaisquer sinais de socialismo na Rússia. A população da Ucrânia vai começar a odiar os russos ainda mais, enquanto entre as massas russas as ilusões imperialistas e revanchistas vão ficar cada vez mais fortes. As promessas de uma vida melhor ao estilo deHitler vão culminar numa catástrofe para a nação agressora. Não nos esqueçamos de que esta guerra é também uma oportunidade para o capital ocidental pôr os seus próprios exércitos no terreno e capturar parte do território ucraniano.

7. É necessário apelar no primeiro momento à população ucraniana de fala russae aos russos que não apoiam a guerra. Eles têm de sabotar a mobilização e a movimentação dos exércitos ocupantes, enquanto também exercem pressão contínua sobre o governo e o capital russos. O imperialismo russo está a usá-los para reforçar a sua dominação através de um referendo. É necessário criar brigadas internacionais para manter a ordem, opor-se aos mútuos chauvinismos, defender os equipamentos estratégicos, fazer propaganda entre as tropas e opor-se ao desarmamento dos exércitos ucranianos. Formar destacamentos de auto-defesa de trabalhadores nas empresas para proteger-se da intervenção externa e das mãos cobiçosas dos seus “donos”. Organizar destacamentos com aqueles em quem se confia ou que se está preparado para eleger! O exército ucraniano devia atuar sob o controlo dos cidadãos. Por quemorrer sob a direção de nacionalistas como Parubiy e Yarosh? Eles têm a pesar na sua consciência erros tácticos de inépcia naEuromaidan e o aumento das hostilidades interétnicas. Por quemorrer pelos interesses dos Akhmetov-Kolomoiskys? Os trabalhadores de todas as nações deviam aprender a solidariedade dos oligarcas ucranianos – eles ultrapassaram todas as suas diferenças e uniram-se em torno dos seus interesses de classe comuns.

Abaixo os governantes bandidos que se tornaram separatistas!

Abaixo o imperialismo russo!

Abaixo os chauvinistas ucranianos!

Viva a Ucrânia livre dos trabalhadores!

3 Março de 2014

Tradução do original (para o inglês) pelo portal LeftEast

Tradução de Almerinda Bento para o Esquerda.net

(...)

Resto dossier

A Ucrânia esmagada pelas potências

Palco de um grande movimento popular, a Ucrânia vê-se agora ameaçada por um governo que integra a extrema-direita e quer impor a austeridade, pelo expansionismo da NATO, pela invasão russa à Crimeia, pela ameaça da divisão. Neste dossier organizado por Luis Leiria recolhemos artigos, entrevistas e informação.

Só a solidariedade salvará a Ucrânia da intervenção

A União socialista “Oposição de Esquerda” faz a sua avaliação da agressão russa na Crimeia e o papel destrutivo dos nacionalistas ucranianos. A intervenção dos exércitos russos foi possível devido à divisão na sociedade ucraniana. A sua unidade é impossível com os oligarcas e os chauvinistas no poder. Só a solidariedade poderá salvar a Ucrânia.

6 notas para compreender o que se passa na Crimeia, peça chave do conflito na Ucrânia

Depois do ocorrido durante a última semana em Kiev, o foco do conflito na Ucrânia translada-se à Crimeia. O que acontecer nesta região será determinante: pode a situação degenerar numa guerra civil? Putin intervirá militarmente? Continuará a Ucrânia a ser um país ou caminha para a secessão? Artigo de Alberto Sicília em Kiev, publicado no blogue Principia Marsupia.

Maidan e a revolução ucraniana

A esquerda não deve repetir a propaganda de Putin que diz que os fascistas ocuparam Maidan, defende Vasyl Cherepanin, dirigente do centro de investigação “Cultura Visual” de Kiev e editor da versão ucraniana da revista Krytika politiczna (Críticas Políticas). Entrevista realizada por Nicola Bullard e Christophe Aguiton.

Ucrânia: A Primavera dos Povos chegou já à Europa

A Primavera árabe chegou, no inverno de 2010, à vizinhança da Europa: nos países situados do outro lado do Mediterrâneo. Quatro anos depois, vemos que a Primavera dos Povos não é somente árabe. Também no inverno, irrompeu na Europa, ainda que, para falar verdade, apenas numa periferia exterior da União Europeia. Por Zbigniew Marcin Kowalewski

O fim de Ianukovich é um começo

O movimento que na Ucrânia derrubou o antigo presidente Viktor Ianukovich não se encaixa em certos estereótipos usados pelas pessoas na Europa Ocidental, incluindo os socialistas e as esquerdas. Tendo passado os últimos dias em Kiev, ofereço as seguintes respostas a perguntas que me põem frequentemente amigos da Europa Ocidental. Por Gabriel Levy, no blog People and Nature

O papel da direita e extrema-direita nos protestos e as perspetivas

Nesta segunda parte do artigo em que discute os acontecimentos de Kiev, que presenciou, Gabriel Levy aborda o papel dos populistas de direita e fascistas no movimento, os grupos de autodefesa, e as perspetivas. Por Gabriel Levy, no blog People and Nature

Anti-fascistas europeus, despertem! A peste castanha está de volta!

Que mais é preciso para que a esquerda europeia saia do seu atual torpor, toque o alarme, se mobilize urgentemente e tome o mais rapidamente possível a única iniciativa capaz de contrariar o tsunami fascista e fascistóide que se aproxima? Uma iniciativa que não pode senão visar a criação de um movimento anti-fascista europeu. Artigo de Yorgos Mitralias, publicado no CADTM.

Ucrânia: À medida que o debate sobe de tom, ambos os lados se enganam

É possível condenar a invasão de Vladimir Putin e acreditar que não há lugar para os fascistas no novo governo de Kiev. Artigo de Jonathan Freedland no jornal Guardian.

Quem faz parte do governo atual da Ucrânia?

A Rússia não fez segredo do seu desprezo pelos “terroristas e bandidos” que expulsaram Viktor Ianukovich do governo de Kiev. Mas quem são os novos governantes da Ucrânia? Por Harriet Salem The Guardian

Ucrânia: Três perguntas incómodas aos liberais ocidentais

Três perguntas incómodas aos liberais ocidentais sobre o direito de autodeterminação das minorias nacionais e um comentário sobre o papel da União Europeia. Por Yanis Varoufakis

Crise na Ucrânia pode afetar distribuição de gás na Europa

Um terço do gás consumido no continente vem da Rússia, e grande parte passa por gasodutos ucranianos. Temor é de que Moscovo corte fornecimento, mas especialistas e políticos são céticos de que a situação chegue a esse extremo. Da Deutsche Welle