Está aqui

Kennedy discutiu ação militar para derrubar governo brasileiro

“Acha aconselhável que façamos uma intervenção militar?”, perguntou John Kennedy, 46 dias antes de ser assassinado, numa conversa com Lincoln Gordon, o embaixador americano no Brasil.
John F. Kennedy e Lincoln Gordon: tudo estava preparado para intervir no Brasil.

Quarenta e seis dias antes de ser assassinado em Dallas, no Texas, o presidente americano John F. Kennedy indagou, em reunião na Casa Branca, se os Estados Unidos poderiam “intervir militarmente” no Brasil para depor o então presidente João Goulart. A informação está na edição revista e ampliada de A Ditadura Envergonhada, de Elio Gaspari, lançada em fevereiro de 2014 pela Intrínseca.

A pergunta de Kennedy é reveladora de como os Estados Unidos cogitaram uma ação armada que socorreria um golpe no país para derrubar Jango. Washington preparava-se para um cenário de guerra civil, mas, como se sabe, não foi preciso oferecer mais do que apoio diplomático aos militares que promoveram o golpe de Estado no Brasil em 31 de março e 1º de abril de 1964.

A indagação de Kennedy deu-se no primeiro dos dois dias seguidos de reuniões de cúpula do governo americano, em 7 e 8 de outubro de 1963, quando se discutiu a situação do Brasil e do Vietname.

No primeiro encontro, Kennedy, Lincoln Gordon, embaixador americano no Brasil, e outras autoridades debateram o contexto brasileiro. Os americanos temiam que, além do caos institucional e do descontrole económico no país, as propostas de reformas de base defendidas por Jango fossem implementadas. A reunião deixava claro que os Estados Unidos estavam preparados para uma ação militar, caso o governo Goulart aprofundasse a plataforma de esquerda, “fidelista”, e fosse colocado diante de uma sedição das Forças Armadas.

No segundo encontro, o assunto discutido era outro golpe de Estado, este prestes a ocorrer, que moldaria a política americana na década seguinte: o governo decidira apoiar a ação da Central Intelligence Agency (CIA), que se envolvera com o golpe de generais que depuseram e mataram o presidente sul-vietnamita Ngo Dinh Diem. Era o início do atoleiro americano no Vietname.

A gravação desses encontros foi posta na internet pela Biblioteca Kennedy há pelo menos um ano e encontrada durante uma pesquisa em ferramenta de busca. Procurada na semana passada, a biblioteca não informou a data em que a gravação foi liberada e disponibilizada na rede. O áudio integra um conjunto de gravações clandestinas efetuadas pelo próprio Kennedy de suas reuniões desde 1962, quando, por coincidência, deu início à série gravando um encontro com Gordon. Nesse dia, o diplomata já afirmava a Kennedy que o golpe militar era uma opção para se resolver a crise política brasileira.

As gravações do presidente americano foram desmantelados logo após o seu assassinato, ainda em 1963, com a ajuda da fiel secretária dele, Evelyn Lincoln. A existência dessas gravações era conhecida por poucos. Só em 1975 a família Kennedy liberaria 260 horas de gravações. Em 1997, descobriram-se mais cinco horas de conversas gravadas durante a crise com Cuba. Finalmente, em 2001, foi lançado o livro The presidential recordings, organizado por Timothy Naftali – em três volumes estão todas as conversas de julho de 1962 a 21 de outubro do mesmo ano, quando a crise com Cuba arrefeceu.

A Biblioteca John Kennedy não fez transcrição oficial da reunião em que se discutiu a situação brasileira e a vietnamita, o que obriga os pesquisadores a trabalhar com a versão do áudio existente, que é má. Embora os presentes estejam identificados é difícil identificar as vozes. Em relação a Kennedy e a Lincoln Gordon, no entanto, não restam dúvidas.

Temos alguma decisão para pressioná-lo?”

Na discussão sobre o Brasil, no dia 7 de outubro de 1963, Lincoln Gordon abriu a conversa com uma introdução sobre a conjuntura brasileira: a crise iniciada com a renúncia do presidente Jânio Quadros, em 25 de agosto de 1961, se acentuara. Além do cenário económico, abordou-se o nome dos possíveis sucessores de João Goulart, vice de Jânio que havia assumido a Presidência em setembro em clima de grande turbulência devido às suas ligações com o sindicalismo e a esquerda.

Após o embaixador falar sobre eventuais parcerias culturais entre os dois países, Kennedy o interrompeu. “Temos alguma decisão imediata para pressioná-lo?”, perguntou, referindo-se a João Goulart. “O que devemos fazer imediatamente no campo político, nada?”, prosseguiu. Gordon revelou haver dois planos: “Goulart abandona a imagem [de esquerdista] e resolve pacificamente. Ou talvez não tão pacífico: ele pode ser tirado involuntariamente”. Antes de concluir, o diplomata indagou: “Vamos suspender relações diplomáticas, económicas, ajuda, todas essas coisas? Ou vamos encontrar uma maneira de fazer o que todo mundo faz?”.

Desde que os guerrilheiros barbudos de Sierra Maestra haviam tomado o poder em Cuba, em 1º de janeiro de 1959, os Estados Unidos intensificaram as ações contra governos comunistas ou simpatizantes da esquerda. A prática nortearia a política externa americana por décadas, sobretudo em relação aos países da América Latina. Era o mundo bipolar da Guerra Fria.

Exatamente um ano antes da reunião na qual se falou da possibilidade de uma ação militar no Brasil, Kennedy vivera o período mais tenso de seu governo, quando protagonizou com Nikita Kruschev, secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética desde 1953, e Fidel Castro, líder da Revolução Cubana, a crise dos mísseis, na esteira da fracassada invasão da baía dos Porcos, em Cuba. O plano da CIA de invadir a ilha havia sido uma das várias tentativas da Casa Branca de tirar Castro do poder.

No Brasil, o cenário deteriorara-se com a ascensão de João Goulart. Tolerante com indisciplinas no seio militar, Jango governava encurralado. O governo transparecia sua personalidade indecisa. Além das dificuldades políticas, a economia patinava. A alta da inflação em 1963 fecharia em 78%.

A instabilidade afetava os interesses americanos no Brasil — a empresa energética Amforp, no Rio Grande do Sul, fora reestatizada por Leonel Brizola, governador do estado e cunhado de Jango — e o próprio presidente brasileiro defendia bandeiras que assustavam os Estados Unidos. No mesmo 7 de outubro de 1963 em que a cúpula do governo americano se reunia em Washington para discutir a crise brasileira, no Rio de Janeiro o governo João Goulart descartava uma medida apresentada pelo próprio presidente brasileiro ao Congresso, três dias antes, numa de suas últimas cartadas pela estabilidade: o estado de sítio. Isolado, Jango desistira da ideia após deixar o país em suspenso por três dias. A situação só piorou após o episódio.

Para Jango, contudo, não havia motivos para desconfiar de Kennedy. Julgava-o um aliado. No início daquele ano, Brasília acertara com Washington um empréstimo avaliado em US$ 398 milhões — dos quais o governo brasileiro só receberia um quinto do valor. Jango e sua mulher, Maria Thereza, haviam sido recebidos por John e Jacqueline Kennedy na Casa Branca, talvez a mais fotogénica das visitas brasileiras à capital americana, sobretudo pela beleza das primeiras-damas. O último encontro entre Kennedy e Goulart, que assumiram as respetivas presidências no mesmo ano (1961), seria em Roma, em julho de 1963. O socorro económico, mais uma vez, estava na pauta.

Quatro meses depois da reunião na Casa Branca, Kennedy seria assassinado, em 22 de novembro de 1963. Nove meses mais tarde, Jango seguiria para o exílio no Uruguai, em abril de 1964.

Acha aconselhável que façamos uma intervenção militar?”

Ao ouvir de Lincoln Gordon as alternativas do que fazer no Brasil, John Kennedy lhe respondeu com uma pergunta: “Você vê a situação indo para onde deveria, acha aconselhável que façamos uma intervenção militar?”. Gordon explicou que eles estavam trabalhando com o cenário de intervenção, caso Jango desse uma guinada à esquerda, influenciado pelo que chamou de “velhos amigos” — um deles, Brizola.

O plano, segundo o diplomata, fora discutido em Washington, no Rio de Janeiro e também no Panamá, onde os Estados Unidos mantinham o comando de suas forças militares para as Américas Central e do Sul. Mas Gordon alertou que, para tomar a decisão de intervir militarmente, a Casa Branca deveria esperar por iniciativas mais claras de que o governo brasileiro realmente virava a proa para um modelo “fidelista”. Comentou ter conversado com o general Andrew O’Meara, do comando do Panamá, que o avisara sobre um possível contingente para uma ação no Brasil com “seis divisões e 90 navios”.

Nascido em Nova York em 1913, doutor em economia por Harvard, Lincoln Gordon fez parte de uma geração americana bem-nascida e intelectualizada, que galgou postos no Estado após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Servira na década de 1950 na embaixada em Londres e, no mesmo mês da renúncia de Jânio Quadros, em agosto de 1961, assumiu o posto de embaixador no Brasil. Desde que chegara ao país, colaborara com a oposição e setores das Forças Armadas que conspiravam pela queda de João Goulart.

Em agosto de 1963, em telegrama encaminhado ao Departamento de Estado, Gordon afirmara que “é quase certo que Goulart fará tudo para instituir alguma forma de regime autoritário”. Em outro trecho, ele especula sobre a saúde do presidente: “Se Deus é realmente brasileiro, o problema cardíaco de Goulart, de 1962, brevemente se tornará agudo”.

O diplomata sempre negou ter participado da trama do golpe, mas seria desmentido em 1976 pela divulgação, pelo jornalista Marcos Sá Correa, do Jornal do Brasil, do que ficou conhecido como Operação Brother Sam. Até sua morte, em 2009, negou também que os Estados Unidos tenham cogitado uma ação militar que envolvesse o uso de tropas no país.

Todos os presentes na reunião de outubro de 1963 tinham poder e experiência em ações americanas no exterior.

Dean Rusk seria o segundo secretário de Estado mais longevo da política americana.

Uma das vozes mais respeitadas nos anos Kennedy, W. Averell Harriman, um milionário liberal, ex-embaixador na Inglaterra e na União Soviética durante a Segunda Guerra, ex-governador de Nova York, era o número três do Departamento de Estado.

Robert McNamara, ex-presidente da Ford e secretário de Defesa, teve papel crucial no desenrolar da Guerra do Vietnã (décadas depois, ele pediria desculpas publicamente pelo conflito). Ele também estava lá.

E havia ainda Richard Helms, sócio-fundador e diretor da CIA.

A maior ausência, segundo os registos da reunião, foi a do procurador-geral Robert Kennedy, irmão e braço direito do presidente.

Enquanto em Washington o governo discutia o futuro de um país na América Latina e de outro na Ásia, no Texas um ex-fuzileiro naval de nome Lee Harvey Oswald tocava um plano pessoal que mudaria a história americana. Após retornar de uma rápida e misteriosa viagem pelo México, Oswald encontrara trabalho num depósito de livros em Dallas. Dali, ele mataria a tiros o presidente John Kennedy.

Plano de Contingência estava pronto desde 11 de dezembro de 1963

No golpe de 1964, a intervenção militar americana acabou sendo desnecessária. Acertou Lincoln Gordon, que previra na reunião de outubro de 1963 o desfecho da crise brasileira: o golpe poderia ser desencadeado sobretudo por indisciplina e divisões nas Forças Armadas. A perda de apoio do governo Jango, sua indecisão e a traição de alguns homens de sua confiança contribuíram para a sua deposição. Sem tiros, intervenção ou guerra civil, o golpe foi encabeçado pelas Forças Armadas com o apoio de setores da sociedade civil. Triunfou em menos de 48 horas.

Mas um Plano de Contingência preparado a partir da reunião de outubro estava pronto desde o dia 11 de dezembro de 1963. Quando a sedição militar começou, no dia 31 de março do ano seguinte, ele foi posto em prática, resultando na Operação Brother Sam.

No momento em que as tropas rebeladas do general Olympio Mourão Filho marchavam de Juiz de Fora (MG) para o Rio de Janeiro, estava à disposição dos golpistas um contingente com porta-aviões, seis contratorpedeiros, um porta-helicópteros, um posto de comando aerotransportado e quatro petroleiros com 553 mil barris de combustível. No dia 2 de abril, com o golpe recém-consumado, veio o pronto reconhecimento do novo regime pelo presidente Lyndon Johnson, vice que assumira a Casa Branca após o assassinato de Kennedy. Como é mencionado na segunda edição de “A ditadura envergonhada”, revista e ampliada, “Johnson apoiou o golpe e orgulhava-se disso, mas apenas seguiu a planilha de Kennedy”. O reconhecimento imediato do novo governo era a principal sugestão do Plano de Contingência proposto por Gordon.

No Vietname, a história foi distinta. Conforme decidido na reunião de outubro de 1963, em 2 de novembro daquele ano o presidente sul-vietnamita Ngo Dinh Diem e o seu irmão foram depostos e assassinados. Chefe de um governo autocrático e anticomunista sustentado pelos americanos, Diem foi vítima de mais uma interferência dos Estados Unidos no país. Começava o inferno americano no Vietname. A guerra só terminaria em 1975, com uma derrota histórica do Exército dos Estados Unidos e a reunificação do Vietname.

No dia 20 de outubro de 1963, cinco dias antes do golpe no Sudeste Asiático, duas reuniões revelariam a complexidade e as anomalias do poder americano daqueles tempos. Numa delas, em Paris, um agente da CIA encontrava-se com o cubano Rolando Cubela. Cubela fornecera uma caneta esferográfica Paper Mate envenenada que deveria ser usada para assassinar Fidel Castro. Era uma das centenas de tentativas de matar o Comandante. Noutra reunião, na Casa Branca, cujo conteúdo seria divulgado décadas depois pela organização National Security Archive, Robert Kennedy alertara o irmão presidente sobre o golpe iminente no Vietname. “É diferente de um golpe no Iraque ou na América Latina. Nós estamos intimamente envolvidos nisso”, disse. De facto, a ação no Vietname seria muito diferente do modus operandi de um típico golpe latino-americano.

Publicado no site Arquivos da Ditadura – documentos reunidos por Elio Gaspari

(...)

Resto dossier

50 anos do golpe militar no Brasil

O golpe de Estado que derrubou o governo de João Goulart no Brasil faz 50 anos. A ditadura militar instaurada em 1964 e endurecida em 1968 mergulharia o país no período mais sombrio da sua história recente. Dossier coordenado por Luis Leiria.

O golpe de 1964 e a instauração do regime militar

A falta de reação do governo de João Goulart e dos grupos que lhe davam apoio foi notável. Sem conseguir articular os militares legalistas e desistindo do confronto, Jango exilou-se no Uruguai. Por Celso Castro, artigo publicado no site do CPDOC da Fundação Getúlio Vargas

Cronologia: os principais acontecimentos até ao golpe

A renúncia de Jânio Quadros, a instauração do parlamentarismo, a posse de João Goulart, o comício da Central do Brasil, a marcha da Família com Deus e pela Dignidade: antecedentes do golpe.

O golpe contrarrevolucionário de 1964: ontem como hoje

A discussão sobre o sentido profundo do golpe militar de 1964, quando cumpre meio século, constitui indiscutivelmente caminho seguro para o melhor entendimento dos dias atuais. Por Mário Maestri, Correio da Cidadania.

A verdade e a impunidade

Aos 50 anos do golpe que derrubou o governo de João Goulart, a verdade sobre o que aconteceu no país começa, aos poucos, a se desenterrar. Por Eric Nepomuceno, Página/12

O golpe de 1964 como uma ação de classe: uma polémica com certas tendências da historiografia brasileira

Um grande negócio para o grande capital, é como se pode sintetizar a ditadura de 1964 a partir de sua história. Mas as visões relativizadoras do golpe e da ditadura procuraram deslocar a sua explicação da problemática do capitalismo. Por Demian Melo

“AI-5 foi luz verde para a tortura”

Quatro anos depois do golpe militar, em dezembro de 1968, ocorreu o endurecimento da ditadura para enfrentar a crescente mobilização popular: é editado o Ato Institucional nº 5, que constitui uma espécie de “golpe dentro do golpe”. O jornalista Cid Benjamin, autor do livro “Gracias a la vida: Memórias de um militante”, descreve o contexto e analisa as consequências do AI-5. Por Vivian Virissimo, Brasil de Fato

Repressão e tortura na ditadura militar

Os métodos de tortura utilizados pelo regime militar eram tão cruéis que levavam à morte os torturados ou deixavam-nos loucos. Por Mateus Ramos, Adital

Brasil: Horrores da ditadura militar revelados por torturador

Aos 76 anos e sem mostrar o menor arrependimento, o coronel reformado Paulo Malhães admitiu que torturou, assassinou e desfigurou cadáveres de militantes numa “Casa da Morte” clandestina criada pelos órgãos da repressão em Petrópolis, Rio de Janeiro.

Um promotor brasileiro apresenta indícios do assassinato do presidente João Goulart no exílio

Presidente deposto pelo golpe militar de 1964 morreu em 1976, na Argentina, oficialmente de enfarte; mas suspeita-se que tenha sido vítima de envenenamento praticado no quadro da Operação Condor. Por Alejandro Rebossio, El País

Kennedy discutiu ação militar para derrubar governo brasileiro

“Acha aconselhável que façamos uma intervenção militar?”, perguntou John Kennedy, 46 dias antes de ser assassinado, numa conversa com Lincoln Gordon, o embaixador americano no Brasil.  

Multinacionais alemãs beneficiaram-se do golpe de 1964

Mercedes, Volkswagen, Bayer, Siemens e Mannesman foram algumas das empresas que financiaram e se beneficiaram com a ditadura. Por Américo Gomes, da Comissão de Presos e Perseguidos Políticos da Ex-Convergência Socialista.

Os média que abraçaram a ditadura do Brasil não fazem “mea culpa”, fazem publicidade

A oposição feroz entre os grandes grupos de comunicação e a censura na ditadura militar é só a imagem que os grandes meios de comunicação querem projetar de si mesmos. Por Caio Hornstein, Carta Maior

As esquerdas e a ditadura militar brasileira

Brevíssimas reflexões sobre as esquerdas brasileiras, nos 21 anos de ditadura militar (1964-1985). Por Carlos Vianna.

Documentários e filmes sobre a ditadura brasileira

Veja uma seleção de documentários e filmes de ficção sobre o golpe e a ditadura militar brasileira.