Está aqui

Haiti precisa de investimentos permanentes

O panorama é perverso: análises de economistas e dirigentes de organizações camponesas mostram que a ajuda internacional, motivada pelos desastres naturais, aumenta o grau de dependência das importações e não permite o fortalecimento da produção agrícola haitiana, conforme explicou em entrevista ao Opera Mundi José Luis Patrola, professor de História, membro do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) e coordenador do programa de cooperação entre a Via Campesina do Brasil e organizações camponesas do Haiti. Segundo Patrola, até os anos 1990, os camponeses eram responsáveis pela produção de 80% dos alimentos consumidos pela sociedade. Hoje, produzem somente 45%.

Qual foi a reacção das pessoas após o governo haitiano pedir para que todos que tivessem parentes fora de Porto Príncipe saíssem da capital?

A concentração de gente na região de Porto Príncipe é enorme. Como o terremoto atingiu principalmente essa zona, houve uma mudança radical na vida de todos. Centenas de milhares de pessoas que perderam as casas ou que estavam nuuma situação difícil antes do terremoto montaram enormes acampamentos em todas as praças da região metropolitana, em especial a Cham de Mas, localizada em frente ao palácio nacional. Outra parte migrou massivamente para as zonas rurais, fugindo do terror e à procura de comida, moradia, água e o mínimo de abrigo. Estima-se que de 600 mil a um milhão de pessoas abandonaram Porto Príncipe. Em resumo, mais de 250 mil pessoas morreram no terremoto e um milhão migrou em busca de outras zonas. Um desastre sem precedentes.

Como é a situação socioeconómica no campo haitiano?

A área rural haitiana, que acolhe mais de 65% da população e é responsável por grande parte da economia, é muito pobre. As poucas terras férteis do país são dividas entre muitos camponeses. Cerca de 75% do território é montanhoso. Por uma série de factores ligados à abertura comercial, o campo haitiano tem sofrido bastante. Actualmente, mais de 55% dos alimentos consumidos no país são importados. No entanto, as organizações camponesas temem a invasão de sementes híbridas e transgénicas como medida de combate à fome.

Quais são os principais produtos cultivados no Haiti?

Até aos anos 1990, os camponeses haitianos eram responsáveis pela produção de 80% dos alimentos consumidos pela sociedade. Da produção de leite, legumes e grãos, até géneros industrializados, existia uma economia agrícola razoável. Depois da abertura comercial e as importações, o sustento dos agricultores acabou. Hoje em dia, apesar de os camponeses cumprirem um papel importante na economia nacional, há uma crise, agravada pela degradação das terras e a erosão do solo. Esses problemas surgiram pelo desmatamento desenfreado, motivado pelo consumo de carvão vegetal como combustível.

Os camponeses conseguem sustentar-se com a produção?

A precariedade do sistema de transporte e as dificuldades em comercializar os seus produtos provocaram o aumento da pobreza. Os camponeses são a categoria mais pobre e explorada da sociedade. Muitas vezes se alimentam mal e destroem as florestas, por causa do carvão, que acaba por ser a única maneira de gerar rendimento.

A doação de alimentos por estrangeiros tem qual efeito na produção local?

Análises de economistas e de dirigentes das organizações camponesas mostram que a ajuda internacional, motivada pelos desastres naturais, aumenta o grau de dependência das importações e não permite o fortalecimento da produção nacional. É verdade que, em momentos de crise, a ajuda humanitária é importante. No entanto, ela precisa de ser transformada em ajuda estrutural no médio e no longo prazo. O Haiti é um país que sofre muito pela ausência de soberania económica, política e alimentar. O terremoto comprovou uma vez mais essa terrível realidade.

Apesar de ser um país ainda bastante rural, a representatividade política das massas rurais é fraca. Isso pode mudar depois do terremoto?

Toda a sociedade haitiana está a transformar-se desde o terremoto. Até onde chegará esse grau de transformação "espontâneo" é uma incógnita. Existe uma elite política que concentra as suas preocupações nos processos eleitorais. As últimas eleições tiveram uma participação de apenas 8% dos eleitores. Há uma descrença generalizada na política tradicional. A população não se preocupa com o processo eleitoral, pois não há esperança de mudança. Os políticos oportunistas aproveitam-se dessa circunstância para favorecer os seus interesses pessoais. Existe uma frente camponesa que poderá representar uma alternativa ao povo haitiano de maneira geral. Os rastos do terremoto poderão marcar uma nova década para as forças sociais que têm na agenda um projecto de mudanças para o Haiti. Existem sinais de unidade.

(...)

Resto dossier

Cimeira UE-América Latina

Realiza-se nos próximos dias 15 a 19 de Maio a Cimeira América Latina, Caraíbas e União Europeia (ALC-UE). Neste dossier, o Esquerda.net divulga a convocatória da cimeira alternativa e apresenta artigos que contribuem para um panorama político de alguns dos principais países da América Latina, e da relação do continente com a UE.

Cimeira América Latina, Caraíbas e União Europeia - e Conferência Alternativa dos Povos

Um resumo das cimeiras UE - América Latina, que começaram em 1999, e dados, fontes e programa da cimeira alternativa.

Brasil: Os impasses do modelo econômico sob Lula

Tenho defendido com freqüência a necessidade de superarmos o actual modelo econômico, em curso no país desde o início dos anos 90.

América Latina e Europa: relação ainda intermediada pela Espanha?

Ninguém na Europa questiona a relação especial de idioma e raízes comuns. Mas será que, 200 anos depois das independências, a Espanha ainda representa as suas ex-colónias na União Europeia?

Convocatória da Cimeira Alternativa dos Povos

Texto da convocatória da Cimeira Alternativa dos Povos, Enlazando Alternativas 4 - Madrid, 14 a 18 de maio de 2010.

"América Latina deixou de ser fundo de quintal dos EUA"

A região estabilizou as suas moedas e índices inflacionários, crescem a procura interna e a exportação. Apesar da crise e dos desafios sociais em aberto, as perspectivas latino-americanas são optimistas, com o Brasil à frente. Por Pablo Kummetz, da Deutsche Welle.

Haiti precisa de investimentos permanentes

O auxílio que chega em épocas de catástrofe deve adquirir uma forma estrutural de médio e longo prazo, diz José Luis Patrola, que actua no Haiti pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra.

Reconstrução do Chile, oportunidade de negócios capitalistas

É uma aberração que a reconstrução do Chile seja apresentada como uma "oportunidade de negócio" para os empresários, e que a isso se chame cooperação fraternal.

A Venezuela poderá tornar-se ingovernável

Heinz Dieterich, ideólogo do conceito de Socialismo do século XXI, assegura nesta entrevista que "o discurso anticapitalista do presidente [Chávez] não é apoiado pelos factos". Adverte que a sociedade está dividida em dois grandes blocos e reconhece a possibilidade de uma forte queda no apoio a Chávez. Por Vladimir Villegas, El Nacional.

Honduras: O exército continua por detrás do Governo

O líder da Resistência Carlos H. Reyes responsabiliza a repressão pelo assassinato de jornalistas nas Honduras e denuncia que o governo das Honduras continua a ser dominado pelo exército.

Nasce um novo movimento climático na Bolívia

A Bolívia está em meio a uma dramática transformação política, que nacionalizou indústrias e elevou como nunca as vozes indígenas. Mas as suas geleiras andinas estão a derreter a uma velocidade alarmante, ameaçando o fornecimento de água em duas de suas principais cidades.

Os desafios dos movimentos sociais, hoje

Nesta entrevista ao IHU On-Line, o sociólogo brasileiro Rudá Ricci defende que muitos movimentos sociais subordinaram-se à dinâmica e lógica dos governos e sofreram "uma cooptação branca".