Está aqui

Acordo de comércio UE-EUA: As transnacionais contra a democracia

Está a ser negociado o acordo de comércio livre entre a UE e os EUA, com grande opacidade e nas costas da maioria da população. Este tratado afetará profundamente a vida dos cidadãos e imporá os interesses das transnacionais sobre a democracia. Dossier organizado por Carlos Santos

Neste dossier poderá saber razões para rejeitar o grande mercado transatlântico e como o tratado ameaça o emprego e os direitos sociais. O texto um tufão que ameaça os europeus dá uma ampla visão sobre as principais questões em jogo. O acordo tem implicações na disputa do mundo, como se pode verificar em um projeto para a hegemonia atlantista. 20 anos do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio dá-nos informação sobre a repercussão de um acordo semelhante no México. Mais informação sobre o processo de negociação e as questões envolvidas são disponibilizadas em O que nos reserva a maior zona de livre comércio do mundo? (I) e (II).

Dificultando a informação, o tratado transatlântico é conhecido por variados nomes e siglas, com o mesmo significado: TTIP (Transatlantic Trade and Investment Partnership), TAFTA (Transatlantic Free Trade Area), APT (acordo de parceria transatlântica).

Na sua negociação, entre a comissão europeia e o governo norte-americano, estão amplamente envolvidos os lóbis mais poderosos da indústria e da finança da UE e dos EUA. Esses lóbis têm centenas de técnicos para cuidar de impor os seus interesses em todo o percurso negocial. Ao contrário, a informação à população é escassa e nos grandes meios de comunicação as notícias e análises são raras.

O esquerda.net, com este dossier procura contribuir para o esclarecimento do que está em jogo e o que tem a ver com a vida das cidadãs e dos cidadãos. Nos próximos tempos procuraremos aumentar essa informação, tanto mais que este tratado será debatido e votado pelo Parlamento Europeu que sairá das eleições de maio próximo.

Sem o trabalho de várias organizações internacionais e a informação de diversos sites a elaboração deste dossier teria sido extremamente difícil, ou mesmo impossível. Queremos destacar o papel neste terreno da rede Seattle to Brussels Network, do Transnational Institute edo Corporate Europe Observatory. Outros sites que disponibilizam grande e atualizada informação são: stoptafta.wordpress.com, dessousdebruxelles.ellynn.fr, laquadrature.net e france.attac.org.

A informação é muito importante perante uma questão tão decisiva para a vida das pessoas e dos povos e ela é determinante para a ação.

E como nos mostraram os chumbos do acordo multilateral de investimento (AMI), do Acordo Comercial Anticontrafação (ACTA) ou da área de livre comércio das Américas (ALCA) a imposição deste tratado, que apenas serve o 1% mais rico de EUA e UE, dependente da mobilização cidadã dos 99%.

(...)

Resto dossier

Acordo de comércio UE-EUA: As transnacionais contra a democracia

 

Está a ser negociado o acordo de comércio livre entre a UE e os EUA, com grande opacidade e nas costas da maioria da população. Este tratado afetará profundamente a vida dos cidadãos e imporá os interesses das transnacionais sobre a democracia. Dossier organizado por Carlos Santos

Boas razões para rejeitar o grande mercado transatlântico

O acordo de comércio UE/EUA afetará a vida de cada pessoas, em muitos terrenos: Emprego, segurança alimentar, saúde, reformas, água, energia, serviços públicos, educação, liberdade da Internet, cultura e produção artística.

Como o tratado transatlântico ameaça o emprego e os direitos sociais

Não só centenas de milhares de empregos estão ameaçados em inúmeros setores que serão afetados pela redução de tarifas aduaneiras entre a UE e os EUA, como também está em causa o direito dos europeus a trabalhar em condições dignas, a se organizarem e a se defenderem numa Europa fortemente atingida pela austeridade e o desemprego. Extrato do relatório “A Brave New Transatlantic Partnership”, publicado pela rede Seattle to Brussels (S2B).

Tratado Transatlântico: um tufão que ameaça os europeus

Iniciadas em 2008, as discussões sobre o Acordo de Comércio Livre entre o Canadá e a UE foram concluídas a 18 de Outubro. Um bom presságio para o governo americano, que espera concluir uma parceria deste tipo com o Velho Continente. Este projeto, negociado em segredo e intensamente apoiado pelas multinacionais, permitirá que estas processem os Estados que não se verguem às normas do liberalismo. Artigo de Lori Wallach, disponível no site da edição portuguesa do Le Monde Diplomatique

Tratado transatlântico: um projeto para a hegemonia atlantista

As regras que vierem a ser estabelecidas no tratado transatlântico, terão um alcance internacional, muito mais amplo que a área de vigência. Este acordo de comércio pode tornar-se no meio primordial para impor a todo o mundo o caminho “definido pelos interesses da UE e dos EUA”. Por Carlos Santos

20 anos do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio: o protetorado mexicano

No vigésimo aniversário do NAFTA não há nada a festejar. O comércio encontra-se concentrado com os Estados Unidos (cerca de 77 por cento das exportações mexicanas vão para esse país). A vulnerabilidade da economia mexicana é a outra face do incremento do comércio com os EUA. Por AlejandroNadal

Acordo UE-EUA: O que nos reserva a maior zona de livre comércio do mundo? (I)

Este artigo, que será publicado em duas partes, informa sobre o que está em discussão no tratado transatlântico, que está a ser negociado entre a União Europeia e os Estados Unidos. Na primeira parte, a autora Agnès Rousseaux responde a perguntas básicas. A segunda parte, aponta questões essenciais que estão em causa neste acordo.

Acordo UE-EUA: O que nos reserva a maior zona de comércio livre do mundo? (II)

Na segunda parte deste artigo, Agnès Rousseaux aponta o que considera o principal perigo deste acordo e aborda também as suas repercussões nas legislações sociais, no emprego e nas condições de trabalho e no ambiente.
Aceda à primeira parte deste artigo