Está aqui

João Fraga de Oliveira

Inspector do trabalho aposentado. Escreve com a grafia anterior ao “Acordo Ortográfico”

Artigos do Autor(a)

12 de Abril, 2018 - 22:15h

Há lá má imagem pública de uma empresa quando cria um Conselho Consultivo para as Relações Laborais tendo como presidente um ex-ministro do Emprego e como vice-presidente um ex-secretário-geral da UGT?

12 de Fevereiro, 2018 - 12:56h

Num país, como Portugal, em que a duração de trabalho é a das mais altas da União Europeia não se percebe por que é que a Lei não é revertida.

5 de Fevereiro, 2018 - 08:52h

Pequenas e médias empresas. PME. Muito tem sido e continua a ser invocada esta sigla. E justifica-se. Dado o peso das PME no tecido empresarial português, são estas que são determinantes na criação e manutenção de emprego.

16 de Janeiro, 2018 - 15:45h

O SNS é a humanização do Estado nas condições de trabalho dos seus trabalhadores e na resposta aos cidadãos, naquilo que neles, como pessoas que são, é mais intrinsecamente humano e humanizante, a sua saúde, a sua vida.

5 de Janeiro, 2018 - 11:04h

Se nos “tempos modernos” de Charlot e da Ford Motor Company os trabalhadores podiam pensar livremente mas não podiam falar, agora, em muitos call centers, os trabalhadores podem (devem) falar mas não podem pensar livremente… o que falam.

1 de Janeiro, 2018 - 11:30h

Não é possível escamotear o quanto a qualidade do emprego, o “melhor emprego”, tem sido prejudicada pela crescente desregulamentação de direitos associados ao trabalho e que o Governo mantém por reverter.

10 de Dezembro, 2017 - 10:31h

Trabalhar, por mais aparentemente autónomo, individual, que o trabalho seja, é sempre viver com os outros.

29 de Novembro, 2017 - 21:01h

Já se tornou banal vermos estabelecido um “Dia” para cada coisa e, às vezes, até um dia para várias. Talvez também por isso, depois, nos esqueçamos todos os dias de todas essas coisas.

11 de Novembro, 2017 - 22:33h

“O que é que sente?” Em regra, em qualquer unidade de saúde ou consultório, é esta a primeira pergunta que, provavelmente há séculos, vimos a ouvir de todos os médicos.

26 de Outubro, 2017 - 13:24h

Sabe-se há muito por que tanto arde: as tais razões estruturais relacionadas com o estado da floresta e da agricultura e, subjazendo-lhes, o condicionalismo demográfico, económico e social do interior.

Páginas