Está aqui

Vulneráveis

Pela primeira vez desde há muitas décadas, a geração de hoje viverá pior do que a dos seus pais.

O estudo do ISCTE é claro: 31% das famílias portuguesas ganham por mês entre 379 e 799 euros. Outros 20,1 por cento são pobres (abaixo da linha de pobreza, avaliada em 360 euros, sendo que este valor representa 60% do rendimento médio).

É este o país que temos, depois de anos e anos de políticas erradas, assentes na quebra dos salários e num estado-providência fraco. A maior parte destes pobres ou quase-pobres trabalha. Muitos deles vivem o paradoxo de terem estudado bem mais que a geração anterior, mas sofrerem piores condições de vida. Receiam, por isso, não ter capacidades financeiras para "proporcionar aos filhos a formação necessária".

Uma semana de férias fora do local de residência? Nem pensar. Um filme ou um livro? Luxos. A grande preocupação consiste em pagar as despesas da casa e as contas da farmácia. Muitos e muitas não conseguem sequer usufruir da baixa médica até ao fim. Um quinto dos inquiridos tem dificuldades no pagamento das contas da casa, 12 por cento não tem dinheiro para comprar todos os medicamentos de que precisa

Ora, ironia das ironias, o estudo realizou-se em 2008, muito antes, por conseguinte, da brutal investida anti-social do Governo e do PSD.

No final destes anos de PEC teremos um país insuportavelmente mais pobre e desigual. Pela primeira vez desde há muitas décadas, a geração de hoje viverá pior do que a dos seus pais. Os inquiridos, aliás, mesmo tendo investido mais nos estudos, acreditam que vão permanecer, no final da vida activa, na mesma categoria em que entraram.

Mas pior, pior ainda é a resignação. Os portugueses dão-se por felizes, em boa medida porque gostam da família e dos amigos… É tarefa da esquerda quebrar o círculo vicioso deste conformismo. Antes que ele nos quebre a tod@s.

Sobre o/a autor(a)

Sociólogo, professor universitário, Presidente da Associação Portuguesa de Sociologia. Dirigente do Bloco de Esquerda.
Comentários (2)