Está aqui

Vamos brincar à Credibilidadezinha

Assumir que o bom comportamento na arena internacional fornece maior margem negocial devido a credibilidade obtida é de um irrealismo primário.

Se formos bem comportados, teremos maior credibilidade para pedir uma flexibilização dos objetivos”. Eis o raciocínio que tem sido utilizado pelo Governo para não abrandar a austeridade, para insistir nas vagas de sacrifícios. É um raciocínio que pode fazer algum sentido, mas… Só tem um problemazinho: “Se formos sempre bem comportados, ninguém nos dará crédito suficiente quando pedimos uma flexibilização dos objetivos”. No fundo, é uma quase lei da natureza: se nos curvamos sempre, quando nos tentarmos erguer, todos estranharão o nosso súbito atrevimento. Foi o que aconteceu com a recente vontade governamental de alterar as metas do défice acordadas com a troika.

Portas começou a tornar pública tal vontade de flexibilização das metas do défice. O Governo não o negou globalmente, mas eis que Durão começou desde logo a baixar as expectativas lusas. E ontem, responsáveis do Eurogrupo já começaram a dissipar estas pretensões. Não admira que assim aconteça. Se o aluno bem comportado até agora aguentou, sobreviveu e pouco se queixou, porque se levaria a sério esta sua súbita impertinência reivindicativa?

E esta tem sido em suma a história da brilhante estratégia seguida pelo atual Executivo. Do mesmo modo que assumem que se a austeridade não está a resultar, temos de a intensificar, em breve nos dirão que se não nos dão crédito, é porque não nos curvamos o suficiente.

Assumir que o bom comportamento na arena internacional fornece maior margem negocial devido a credibilidade obtida é de um irrealismo primário. Os resultados estão à vista. Será que temos um Governo amador em termos de posicionamento estratégico ou, pelo contrário, esta inflexibilidade troikiana até é conveniente para a política governamental? Uma análise mais acalorada levar-me-ia a apostar na segunda hipótese mas… Julgo que existe mesmo uma estranha mistura de incompetência e objetivos político-ideológicos. Brinca-se à credibilidadezinha.

Sobre o/a autor(a)

Politólogo, autor do blogue Ativismo de Sofá
Comentários (1)