Está aqui

A naturalização do discurso fascista nas relações sociopolíticas das democracias

O surgimento do neoliberalismo e suas condições de regulação tornam o recrudescimento do fascismo muito mais expectável do que noutros períodos históricos do capitalismo.

Em Aspetos do Novo Radicalismo de Direita – publicado recentemente em português pelas Edições 70 com tradução de Marian Toldy e Teresa Toldy –, Theodor Adorno problematizou como o ressurgimento do nacional-socialismo na democracia é ainda mais perigoso do que a sobrevivência de tendências fascistas contra a democracia. O pathos do nacionalismo, os truques da propaganda subvertidos em discursos supostamente democráticos que engendram nossas estruturas sociais e políticas em pleno século XXI fazem-nos refletir sobre se fenómenos históricos se repetem... A preocupação em banir termos e símbolos é importante, mas não só, o cuidado deve se estender à necessidade de superar as ideias que estruturam esse tipo de ideologia.

A supremacia da raça, o ideal do “bom português” – que ainda encontra espaço em debates públicos resguardados por certa polidez académica e boa educação –, sucumbem à forma obtusa como o racismo encontra seu lugar comum nos discursos sociais populares que resguardam heranças fascistas.

"quem se diz antifascista, antirracista e não é anticapitalista não é contra as relações de produção que produzem a barbárie, é apenas contra a barbárie"

Mas, as raízes que estruturam o discurso fascista são ainda mais profundas, elas remetem a própria crise do capitalismo e de pouco adianta que tentemos combater o fascismo como expressão formal de um conteúdo de ódio, como é apanágio do discurso liberal, se não combatermos o capitalismo. A alternância entre o bem-estar social e pequenos avanços económicos fazem parte desse processo. São concedidos a uma parcela pequena da população que, envolta pela alienação social, em vez de lutar pelos seus direitos, fomentam uma competitividade entre a própria classe trabalhadora que, fragmentada, começa a lutar contra ela mesma, como num processo de autofagia que garante a manutenção do grande capital.

É essa a classe trabalhadora alienada que não se reconhece em George Floyd, na Gisberta, no Giovani Rodrigues, na Cláudia Simões, no Bruno Candé. São as minorias sociais que acham que são elite, ou que um dia vão ser. Naturalizam a corrupção, o machismo, o racismo, a xenofobia e se autoflagelam nesse ciclo lancinante em que se autoconsomem, há algumas centenas de anos, em um processo repetitivo e degradante que tem dissipado o nosso próprio sentido de humanidade.

Esse processo não seria possível sem a ajuda de partidos, movimentos, que se desenvolvem de forma calculista – com uma estrutura maleável jogam de forma hábil com a inércia e a cumplicidade daqueles que deveriam ser seus opositores. Nessa armadilha, os limites democráticos e legais ficam sob a chancela da comunicação social que comummente é gerida e fomentada pelos donos do capital.

Para os conformistas, é salutar reencontrar Bertold Brecht, que nos lembra que o fascismo não é uma catástrofe natural. É possível resistir mesmo nas condições mais terríveis, especialmente se compreendermos esses processos como cicatrizes abertas geradas pelo capitalismo, que faz com que agora tenhamos chegado a um momento histórico particular. O surgimento do neoliberalismo e suas condições de regulação tornam o recrudescimento do fascismo muito mais expectável do que noutros períodos históricos do capitalismo. Também essas condições alteram as bases de legitimidade do capitalismo, e ao que parece têm se tornado mais robustas do que nunca... Nesse sentido, quem se diz antifascista, antirracista e não é anticapitalista não é contra as relações de produção que produzem a barbárie, é apenas contra a barbárie.

Artigo publicado em publico.pt a 28 de julho de 2020

Sobre o/a autor(a)

Doutoranda em filosofia política na Faculdade de Letras da Universidade Coimbra.
(...)