Está aqui

Nada menos que eleições

As eleições antecipadas são uma necessidade da democracia neste momento, nada menos do que isso.

Nos últimos dias a instabilidade política de um governo cada vez mais frágil foi posta a nu, de um momento para o outro ministros começam a pedir a demissão de hora em hora, o primeiro-ministro faz a sua declaração, o presidente da República fecha os olhos e dias depois já tudo se parece estar a compor, com apenas Vítor Gaspar realmente afastado do arco governativo.

No entanto, para a grande maioria dos portugueses a vontade já é só uma, com Portas ou sem Portas este governo tem de cair. Mas a esta vontade já há muito comprovada por todos os movimentos sociais, todas as greves e manifestações, a direita evoca uma enorme crise política como resultado, ignorando que ela já existe neste momento, pior, argumenta que a queda deste governo obrigará o país a pedir um segundo resgate à troika, ignorando uma vez mais que é pela iminência desse resgate que este governo tem de cair, porque não podemos continuar a sacrificar tudo, incluindo a dignidade e a vida, por uma dívida que continua a aumentar, por uma divida que simplesmente não é pagável.

Uma breve análise sobre estes acontecimentos e o estado da política internacional levam-nos a um tema central de toda a ciência política, a democracia.

Em Portugal como no resto do Mundo, seja pelo caso de Edward Snowden, pela revolta na Turquia, o golpe de estado no Egito ou as manifestações do Brasil, conduzem-nos a um problema crucial e comum a qualquer parte do mundo. É claro que cada episódio tem o seu contexto político e social, e longe de mim querer enquadrá-los todos no mesmo campo, no entanto todos estes problemas sejam eles económicos, sociais ou políticos partem da premissa da falta de democracia. O grande desafio do século XXI será certamente pensar e agir sob a ideia de que o mundo carece de democracia, porque a democracia continua a ser a linha ténue que nos separa da injustiça e do atentado à dignidade humana.

As eleições antecipadas são o reset político que se exige quando esta linha já ténue se torna cada vez mais fina. Foram poucos os momentos em que situações semelhantes não originaram uma nova corrida às urnas, e cabe-nos a nós, povo português, vincular essa reivindicação. As eleições antecipadas são uma necessidade da democracia neste momento, nada menos do que isso.

Sobre o/a autor(a)

Estudante universitário na UTAD
(...)