Está aqui

Manifestação amarela: maior instrumentalização infanto-juvenil de que há memória!

Não temos de contribuir com os nossos impostos para os chorudos ordenados desses indivíduos e muito menos para os seus lucros.

Após a lamentável e antipedagógica prática de fazer desfilar crianças e adolescentes acompanhados de alguns adultos pelas ruas de Lisboa em nome dos lucros dos colégios privados e dos chorudos ordenados de Diretoras e Diretores dos mesmos, visto nas televisões portuguesas só há uma coisa a fazer:

  • Exigir a publicação de tabelas de ordenados dos diretores/as dos colégios tal como é feito na Administração Pública – afinal querem ser pagos com o dinheiro de todos os contribuintes;
  • Exigir às direções e donos dos colégios que expliquem porque é que não asseguram a inclusão de alunos portadores de deficiência e a criação de Unidades de Ensino Especial como é feito nas Escolas Públicas com todos os custos que, naturalmente, isso significa;
  • Exigir explicações pelo ensino elitista que não tem permitindo a entrada de alunos com comportamentos desviantes, inclusão essa só assegurada pela Escola Pública através das turmas PCA e práticas pedagógicas que respeitam a multiculturalidade e tentam recuperar alunos/as com tais comportamentos;
  • Exigir as competências pedagógicas dos responsáveis que estão a promover esta manipulação de crianças e adolescentes; pois no público é preciso ter-se formação e competências pedagógicas para ser professor, membro do Conselho Pedagógico ou Diretor/a de Escola ou Agrupamento.

Desta forma, é igualmente desmontada a demagogia criada em relação ao custo de cada aluno ou turma do ensino privado com Contrato de Associação comparativamente ao ensino público disponibilizado na Escola Pública; pois os colégios selecionam alunos de forma elitista, habitualmente não asseguram as situações dos alunos com deficiência física ou mental, não têm Unidades de Ensino Especial nem turmas PCA, com todos os custos que isso acarreta.

Estes colégios há muito que recebiam quem, supostamente, lhes garantia mais sucesso com menos custos para que os diretores e diretoras pudessem ganhar milhares e os donos lucrar milhões. Não temos de contribuir com os nossos impostos para os chorudos ordenados desses indivíduos e muito menos para os seus lucros. Ponto!

Sobre o/a autor(a)

Professor e Ator
(...)