Está aqui

Aí estão os primeiros empregos prometidos pelos grandes grupos da distribuição

O grupo Sonae vai pagar abaixo dos 2,7 euros previstos no salário mínimo e nem o período experimental previsto no Código de Trabalho cumpre.

O Grupo Sonae, que recentemente apresentou os resultados do terceiro trimestre de 2010, com uns modestos lucros de 98 milhões de euros e com um ligeiro crescimento de 300% face aos 32 milhões de euros referente a igual período de 2009, decidiu dar o exemplo e corresponder ao frete feito pelo governo PS ao permitir a abertura dos hipermercados com mais de 2.000 m2 aos domingos e feriados durante todo o ano.

Pela voz da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição - APED, que representa o patronato dos hipermercados, a promessa da criação de 2.000 novos postos de trabalho é assumida exemplarmente pela SONAE.

Começaram a chegar às lojas SONAE, desde o dia 6 de Novembro, os primeiros trabalhadores/as criteriosamente seleccionados, admitidos e com a garantia de trabalho até ao dia 24 de Dezembro de 2010.Com esta duração de tempo de trabalho, nem o período experimental previsto no Código de Trabalho a SONAE cumpre. Para que os trabalhadores/as não sejam apanhados por alguma febre consumista, com a fortuna que vão ganhar, Belmiro de Azevedo decidiu pagar aos trabalhadores/as, perante a entrega de recibo verde, só a partir do dia 15 de Janeiro de 2011. Percebe-se esta atitude do patrão da Sonae, assim os trabalhadores já aproveitam a época de saldos e sempre fazem mais umas compritas!

O valor a pagar aos trabalhadores será de 12 euros por turno, correspondente a 5 horas de trabalho diário, que corresponde a 2,4 euros por hora de trabalho. Como o grupo Sonae é zeloso no cumprimento da lei, vai pagar abaixo dos 2,7 euros previstos no salário mínimo. Nada de estranhar vindo do senhor Belmiro de Azevedo que em tempos recentes dizia " mais vale ter um emprego e ganhar metade de um salário, do que não ter emprego nenhum".

Mas, como o tempo de trabalho oferecido a estes trabalhadores/as é precário, toca a aproveitar tudo. Só vão ter um dia por semana de descanso, quando deviam ter dois, para que não criem maus hábitos, não lhes é pago o subsídio de alimentação em conformidade com o que se aplica aos trabalhadores da empresa, terão direito a ver o sol no dia seguinte, já que os turnos vão até as 24 horas e sem pagamento do subsídio nocturno a partir das 22horas.

O senhor Belmiro de Azevedo sabe, que no próximo dia 24 de Novembro, os trabalhadores descontentes com estes e outros comportamentos violadores dos seus direitos, vão fazer uma grande GREVE GERAL. Como prevenção e para que os euros não decresçam nas caixas registadoras, por ausência dos trabalhadores/as em greve, contrata estes trabalhadores precários para fazerem embrulhos, a uma empresa de Trabalho Temporário-ETT com o nome UR-Youare one. Que tipo de embrulhos serão feitos neste dia? Embrulhos com laço ou rolinhos de notas de euro?

Afinal eles cumprem! mas mal. E como são tão mal comportados, os trabalhadores unidos saberão dar a resposta à SONAE e ao Governo por ser cúmplice nesta escandalosa forma de contratar trabalhadores e por esta obscena exploração. Para os milhões de lucros da Sonae, aqui temos uma explicação.

Senhor ministro da Economia, já que foi tão célere a fazer o frete ao patronato da distribuição, actue e faça cumprir as leis produzidas por si.

VIVA A GREVE GERAL!

Sobre o/a autor(a)

Dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal - CESP/CGTP
(...)