You are here

Grande Empresa procura trabalhador sério por salário baixo e relação de curta duração

Uma característica importante do mercado de trabalho em Portugal é a capacidade de esconder qual o verdadeiro patrão e qual exatamente o (baixo) salário e as péssimas condições oferecidas.

 

Uma característica importante do mercado de trabalho em Portugal que passa demasiado despercebida (pelo menos para alguns de nós) é a capacidade de esconder qual o verdadeiro patrão e qual exatamente o (baixo) salário e as péssimas condições oferecidas. As principais empresas a atuar em Portugal, aquelas que mais contratam e aquelas que mais lucros têm, são também aquelas que mais se escondem nos anúncios de emprego de trabalho temporário: Telecomunicações, Banca, Energia, Seguros ou Consultoria.

Muitos dos anúncios de emprego que hoje podemos encontrar (quase sempre através de ETTs – Empresas de Trabalho Temporário) escondem o nome da empresa utilizadora, ou seja, o verdadeiro patrão do trabalhador (precário) temporário e escondem também o salário em causa para as funções pedidas.

Ficaria mal, é certo, com tanta responsabilidade social e boas práticas nas grandes empresas, cheias de gravatas e saias travadas, saber-se assim tão facilmente que afinal os salários oferecidos pelos gigantes das telecomunicações, banca ou seguros são simplesmente miseráveis, e que já agora, vêm por intermédio de contratos precários e temporários. A responsabilidade social fica à porta, num outdoor, e as boas práticas ficam-se para as distribuições de dividendos.

Certamente que a PT ou a Galp não querem sujar o seu reputado nome em ofertas de emprego de 500€ mensais com contratos temporários de 1 mês dos trabalhadores que fazem as leituras porta a porta ou que vendem as suas soluções em Centros Comerciais. Pois, ninguém acredita que a PT ou a Galp tenham negócios temporários, e também ninguém acreditaria que não conseguiriam abdicar de um pouquinho dos dividendos para oferecer salários um pouquinho mais elevados.

A falta de transparência das ofertas de trabalho num mercado de trabalho é um problema sério, é um problema legal, e mantém na sombra a predação laboral feita maioritariamente pelas grandes empresas através de ETTs.

Sobre o/a autor(a)

Engenheiro informático
(...)