Está aqui

Rui Costa

Advogado, ex-vereador a deputado municipal em S. Pedro do Sul, mandatário da candidatura e candidato do Bloco de Esquerda à Assembleia Municipal de Lisboa nas autárquicas 2017. Escreve com a grafia anterior ao acordo ortográfico de 1990

Artigos do Autor(a)

10 de Dezembro, 2015 - 16:33h

Comemoram-se hoje, 10 de Dezembro, os 67 anos da aprovação da Declaração Universal dos Direitos do Homem, pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas.

15 de Novembro, 2015 - 01:52h

Num momento em que alguns falam em golpe de Estado, fundando-se numa ideia errada de eleição directa do Primeiro-Ministro, tudo isto mais me parece uma “golpaça constitucional”, cujo objectivo é anular a vontade maioritária dos portugueses e o papel e relevo da AR.

24 de Outubro, 2015 - 12:51h

Torna-se importante assegurar que no futuro não se eleja como Presidente da República alguém que faça gala da sua inimputabilidade política, permitindo-se à irresponsabilidade do exercício das suas competências na aceção popular do termo.

10 de Outubro, 2015 - 11:45h

O Bloco de Esquerda apesar de, em termos proporcionais, ter uma presença menos expressiva nos órgãos das autarquias locais do que na Assembleia da República ou no Parlamento Europeu, tem bem vincado na sua atividade política a defesa da autonomia local.

8 de Setembro, 2015 - 22:29h

O debate sobre o Uber é mais que um debate sobre uma atividade específica: é um debate sobre modelos de sociedade!

9 de Abril, 2015 - 22:10h

Os aumentos de impostos não são para todos. Nesta sexta-feira, serão discutidas e votadas na Assembleia da República novas propostas do Bloco de Esquerda sobre este tema.

31 de Julho, 2012 - 00:14h

O Tribunal Constitucional proferiu dois acórdãos que afirmam a possibilidade legal de referendos locais em matéria de criação, fusão, extinção e modificação territorial de autarquias locais.

13 de Junho, 2012 - 01:00h

Rui Rio veio dizer que os municípios endividados não deveriam ter eleições, devendo ser geridos por Comissões Administrativas. Uma afirmação própria da direita portuguesa, centralista e autoritária. É paradoxal que, referindo-se a má gestão, queira punir os eleitores e não os eleitos!

Páginas