Está aqui

Envolvido no caso BPN volta ao governo

Franquelim Alves, novo Secretário de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação, foi administrador do grupo SLN e não avisou o Banco de Portugal quando se deparou com as fraudes. Enquanto o buraco do BPN não pára de crescer, um ex-administrador volta ao governo e o ministro Relvas passeia-se com outro, Dias Loureiro.
BPN continua a rondar o governo. Foto de Paulete Matos

Franquelim Alves, ex-administrador do grupo SLN, a antiga holding do BPN, é o novo Secretário de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação, na minirremodelação governamental anunciada esta quinta-feira. Saíram do governo seis secretários de Estado e tomam posse esta sexta-feira sete.

No momento em que o buraco deixado pelo BPN para os portugueses pagarem parece ainda não ter chegado ao fim, podendo ultrapassar os 6,5 mil milhões de euros, eis que volta ao governo um ex-administrador envolvido no caso.

Conforme o Esquerda.net informou há cerca de um ano, Franquelim Alves foi Secretário de Estado no governo de Durão Barroso e um dos responsáveis pela administração da sociedade que controlava o BPN, a Sociedade Lusa de Negócios (SLN). Nessa qualidade, ele não avisou o Banco de Portugal quando se deparou com as fraudes.

Antigo responsável pela área não-financeira da SLN, o novo membro do governo tinha sob a sua alçada investimentos em sectores como o imobiliário, a saúde, o turismo e a indústria transformadora, entre outros. Foi depor na Comissão Parlamentar de Inquérito ao BPN, onde tentou explicar aos deputados porque aprovara as contas da SLN de 2007, mesmo admitindo que nessa altura já todos percebiam o que se estava a passar com o Banco Insular de Cabo Verde, por onde passava uma parte importante dos prejuízos ocultos da gestão de Oliveira e Costa. "Não aprovar seria um colapso completo da própria situação", confessou então.

Franquelim Alves não conseguiu convencer os deputados das razões por que não comunicou ao Banco de Portugal as suspeitas do escândalo financeiro nas contas do grupo e alegou que a SLN teria de fazer primeiro o apuramento de toda a situação. Com a entrada de Miguel Cadilhe para a presidência da SLN, acabou por deixar o cargo.

Recorde-se que no final do ano ficámos a saber que o ministro Miguel Relvas celebrou a passagem do ano 2012 para 2013 num luxuoso hotel de Copacabana, Rio de Janeiro, acompanhado de Dias Loureiro, ex-administrador do BPN e um dos principais responsáveis pelo buraco.

Mais secretários remodelados, e criada uma nova secretaria

Quanto à remodelação, foi maior do que se esperava. Em vez de quatro, saíram seis secretários de Estado, e entram sete, pois foi criada uma nova secretaria de Estado, a da Alimentação e da Investigação Agroalimentar.

Entre os nomes mais conhecidos que entram estão o deputado Adolfo Mesquita Nunes, do CDS-PP, e o deputado Pedro Roque, líder dos Trabalhadores Sociais-Democratas. Além deles e de Franquelim Alves, entram Ana Rita Gomes Barosa, ex-administradora de várias sociedades do Grupo Banco Espírito Santo, Francisco Gomes da Silva, professor Auxiliar do Departamento de Economia Agrária e Sociologia Rural do Instituto Superior de Agronomia, Paulo Guilherme da Silva Lemos, vogal na Agência Portuguesa do Ambiente, e Nuno Vieira e Brito, ex-deputado do CDS-PP na Assembleia Municipal de Guimarães.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados BPN: A fraude do século, Política

Comentários

1987-1991 BPA - Cons Adm
1992 Lusomundo - Cons Adm
1997 Jerónimo Martins, director financeiro
2000-2002 Lusomundo Cons Adm
2002 Sociedade Instaladora de Mercados Abastecedores, presidente
2003-2004 Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Economia do governo PSD-CDS (pelo PSD)
2005-2008 PT Cons Adm
2007-2008 SLN Cons Adm

Adicionar novo comentário