Está aqui

Lamento o triste legado de Barack Obama

Há oito anos atrás, o mundo abeirava-se de uma grande celebração: a estreia de um brilhante e carismático presidente negro dos Estados Unidos da América. Hoje abeiramo-nos de um abismo: a tomada de posse de um mitómano e catártico presidente branco em sua substituição. Artigo de Cornel West, The Guardian.
"O reinado de Obama não produziu o pesadelo Donald Trump - mas contribuiu para isso".

Este é um declínio deprimente no mais alto cargo do mais poderoso império da história do mundo, capaz de produzir um penetrante cinismo e introduzir um venenoso niilismo. Existe realmente alguma esperança de verdade e justiça neste tempo decadente? Será que a América tem mesmo a capacidade de ser honesta consigo mesma e de aceitar o seu vício auto-destrutivo, o culto ao dinheiro e à xenofobia cobarde?

Ralph Waldo Emerson e Herman Melville - os dois grandes intelectuais públicos da América do século XIX - lutaram com questões semelhantes e chegaram à mesma conclusão que Heráclito: o caráter é o destino ("semeia uma personagem e colherás um destino").

A era de Barack Obama pode ter sido a nossa última chance de romper com a alma neoliberal. Estamos enraizados e orientados para um mercado que maltrata a integridade e para políticas voltadas para o lucro que trucidam o bem estar geral.

O nosso mundo "pós-integridade" e "pós-verdade" é sufocado pela diversão e por atividades lucrativas que pouco ou nada têm a ver com a verdade, a integridade ou a sobrevivência do planeta a longo prazo. Testemunhamos a versão pós-moderna da gangsterização do mundo em grande escala.

O reinado de Obama não produziu o pesadelo Donald Trump - mas contribuiu para isso. E os entusiastas de Obama que se recusaram a reconhecê-lo carregam alguma responsabilidade.

Alguns de nós imploraram e suplicaram a Obama para romper com Wall Street, socorrendo em vez disso «a rua principal» [Main Street]. Mas ele seguiu o conselho de seus consultores neoliberais "inteligentes" para salvar a primeira. Em março de 2009, Obama reuniu-se com os líderes de Wall Street e proclamou: Eu estou entre vós e os carrascos. Eu estou do vosso lado e vou-vos proteger, prometeu. E nenhum executivo criminoso de Wall Street foi para a prisão.

Pedimos que fossem responsabilizados os torturadores (dos EUA) de muçulmanos inocentes e exigimos transparência nos ataques com aviões nucleares dos EUA a civis inocentes. A administração de Obama disse-nos que nenhum civil tinha sido morto. Mais tarde admitiram que alguns haviam sido mortos. E ainda mais tarde disseram-nos que talvez 65 ou mais tivessem sido mortos. No entanto, quando um civil americano, Warren Weinstein, foi morto em 2015, houve uma conferência de imprensa imediata com profundas desculpas e compensação financeira. E hoje ainda não sabemos quantos inocentes foram mortos.

Nós descemos às ruas novamente com o movimento Black Lives Matter e outros grupos e fomos detidos por protestar contra a matança de jovens negros pela polícia. Nós protestámos quando as Forças de Defesa israelitas mataram mais de 2.000 palestinianos (incluindo 550 crianças) em 50 dias. No entanto, Obama respondeu com palavras sobre a difícil situação dos policias, com investigações do departamento (sem ninguém sendo punido) e com os $225 milhões adicionais no apoio financeiro do exército israelita. Obama não disse uma palavra sobre as crianças palestinianas mortas, mas chamou "criminosos e bandidos " aos jovens negros de Baltimore.

Além disso, as políticas de educação de Obama beneficiaram a iniciativa privada e as forças de mercado que fecharam centenas de escolas públicas. 1% de privilegiados obtiveram quase dois terços do crescimento da renda em oito anos, mesmo quando a pobreza infantil, especialmente a pobreza das crianças negras, permaneceu assustadora. As revoltas dos trabalhadores de Wisconsin, Seattle e Chicago (vigorosamente reprimidas pelo prefeito Rahm Emanuel, um confidente próximo de Obama) foram silenciadas.

Em 2009, Obama considerou o governador de Nova Iorque, Michael Bloomberg, um " governador notável". No entanto, ignorou o facto de mais de 4 milhões de pessoas detidas e esbugalhadas sob a «ordem» de Bloomberg. Juntamente com Carl Dix e outros, sofri uma detenção arbitrária, dois anos mais tarde, por protestar contra essas mesmas políticas que Obama ignorou ao elogiar Bloomberg.

No entanto, os média e o meio académico não conseguiram destacar essas verdades dolorosas ligadas a Obama. Em vez disso, a maioria dos especialistas bem pagos na TV e rádio comemoraram a «marca» Obama. E a maioria dos porta-vozes negros defendeu descaradamente os silêncios e os crimes do presidente em nome do simbolismo racial e de seu próprio carreirismo. Que hipocrisia vê-los agora pretensos defensores da verdade, quanto ao poder branco, quando a maioria ficou muda e quieta face ao poder negro. A autoridade moral deles é fraca e suas militâncias recém-descobertas são superficiais.

O grosseiro assassinato de cidadãos norte-americanos sem o devido processo após ordens diretas de Obama foi omitido por partidários neoliberais de todas as cores. E Edward Snowden, Chelsea Manning, Jeffrey Sterling e outros testemunhas de verdade foram demonizados, assim como os crimes que expuseram foram pouco mencionados.

A maior conquista legislativa do presidente foi a de fornecer cuidados de saúde para mais de 25 milhões de cidadãos, mesmo se outros 20 milhões ainda não foram abrangidos. Mas manteve-se uma política baseada no mercado, criada pela conservadora Heritage Foundation e pioneira por Mitt Romney em Massachusetts.

A falta de coragem de Obama para enfrentar os criminosos de Wall Street e a sua falta de caráter ao ordenar ataques de drones levou a revoltas populistas de direita em casa e cruéis rebeliões islâmicas fascistas no Médio Oriente. E como deporter-in-chief - expulsou 2,5 milhões de imigrantes prenunciando os planos bárbaros de Trump.

Bernie Sanders tentou de forma audaz gerar um populismo de esquerda, mas foi esmagado por Clinton e Obama nas desleais primárias do Partido Democrático. Eis-nos agora entrando numa era neofascista: uma economia neoliberal de esteróides, uma atitude reacionária em relação aos "estrangeiros" domésticos, um armário militarista ávido de guerra e a negação do aquecimento global. Ao mesmo tempo, assistimos a um eclipse da verdade e da integridade em nome da «marca» Trump, facilitada pelos média corporativos esfaimados de lucro.

Que triste legado para o candidato que representava a nossa esperança de mudar - mesmo para nós guerreiros que ainda agitamos os desbotados nomes da verdade e da justiça.

Tradução de António Gil.

Artigo publicado em The Guardian.

Termos relacionados Internacional

Adicionar novo comentário