Está aqui

Câmara da CDU proíbe distribuição de jornal nos seus espaços

Presidente da Câmara de Setúbal acusa “O Sul” de ser do Bloco de Esquerda e afirma que “jornais de partidos políticos não entram” no município. Jornal diz que decisão “não encontra outra justificação que não a da prática activa de censura”.
"O Sul"afirma-se como “um espaço de partilha, aberto à colaboração de todos os que tenham algo a comunicar.”

Desde o dia 2 de Março que o jornal “O Sul” - mensário cultural e de debates, de distribuição gratuita e dedicado ao combate da iliteracia na região de Setúbal, foi retirado dos espaços públicos municipais, por ordem do executivo camarário setubalense. O jornal é editado pela Prima Folia, uma ONG sem fins lucrativos.

A presidente da Câmara de Setúbal, Maria das Dores Meira, da CDU, justifica a decisão afirmando que a publicação está associada ao Bloco de Esquerda, e afirma que “jornais que sejam de partidos políticos não entram” no município.

“O jornal 'O Sul' não pode ser distribuído no município de Setúbal porque é um jornal cada vez mais político”, afirmou Maria das Dores Meira. O executivo mandou retirar todos os exemplares do jornal de todos os locais públicos da autarquia, incluindo a biblioteca municipal. “Aqui deixamos entrar os jornais que bem quisermos e jornais que sejam de partidos políticos não entram”, diz a autarca.

Para o conselho editorial do jornal, a medida é “arbitrária, ilegal e fascista, que procura erradicar de forma ditatorial o debate do espaço público”.

Em comunicado, os responsáveis do jornal informaram que vão apresentar queixa às autoridades competentes, naquele que é um dos mais duros golpes locais às liberdades da Revolução de Abril.”

Para Leonardo Silva, do conselho editorial de “O Sul”, ouvido pelo Esquerda.net, a acusação de partidarismo não tem o menor sentido. “O jornal é plural, como demonstram os diversos artigos de opinião que publica”, esclarece, dando como exemplo o próximo número, que vai ser distribuído na região de Setúbal junto com o semanário Expresso. “Se fosse, como diz a presidente da Câmara, um boletim do Bloco de Esquerda, o Expresso nunca o ia querer distribuir”. Nesta edição, há artigos de opinião de Vítor Ramalho, do PS, de Francisco Louçã, do Bloco, e de Paulo Fidalgo, dos Renovadores Comunistas. “Até dirigentes do partido da presidente têm escrito na publicação e a própria presidente já concedeu duas entrevistas ao jornal”, esclarece Leonardo Silva

O Sul é um mensário cultural, de periodicidade mensal, que tem distribuição gratuita na região de Setúbal, Azeitão, Sesimbra, Quinta do Conde, Pinhal Novo e Palmela, com uma tiragem de 10 mil exemplares.

Começou a ser publicado em Janeiro de 2010. Adoptou o título de um semanário republicano criado em 1901, em tempos monárquicos, para o qual escreveram figuras como Ana de Castro Osório ou Paulino de Oliveira. É promovido por uma ONG sem fins lucrativos, a Prima Folia - Cooperativa Cultural, CRL, que tem como objectivos o combate ao analfabetismo e à iliteracia, querendo contribuir para a renovação do debate público e da cidadania activa. Afirma-se como “um espaço de partilha, aberto à colaboração de todos os que tenham algo a comunicar.”

Termos relacionados Política

Adicionar novo comentário