Está aqui

Mulheres de Abril

Esta é uma série que reunirá mais de 20 testemunhos, a ser publicada durante os meses de abril e maio, pelo Esquerda.net. São relatos, na primeira pessoa, de mulheres antifascistas sobre a sua história de resistência e de luta contra a ditadura. Coordenação de Mariana Carneiro.

Abril 23, 2017

Tinha acabado de fazer 17 anos quando participei na primeira manifestação política. Foi no dia 8 de Maio de 1945, o dia do armistício. Já existia entre nós a noção do que foi a guerra, do que foi o nazifascismo, da aliança do Salazar com o Mussolini e o Hitler. Para mim isso era muito claro. Que não existia, de maneira nenhuma, isenção da parte do Salazar. Por Margarida Tengarrinha.

Abril 20, 2017

Recupero a liberdade com a liberdade do nosso país graças ao Movimento das Forças Armadas na Revolução de Abril. E sempre me faltarão as palavras para dizer esta emoção de saborear um sonho há muito sonhado, de encetar o resto da minha vida num país liberto da cinza dos dias oprimidos. Por Helena Neves.

Abril 18, 2017

Estava sempre numa ansiedade, desejando ir [de uma vez…] para tortura de sono. Queria ver-me livre daquilo. Tinha medo e sabia que esse era o meu destino, mais cedo ou mais tarde. Por Helena Pato.

Abril 16, 2017

No Reduto Sul, onde estavam os pides e não os guardas prisionais, fizeram-me uma coisa que seria incompreensível, se não fosse o objectivo de humilhar, particularmente por eu ser mulher. Despiram-me completamente. Por Aurora Rodrigues.

Abril 13, 2017

Havia muitas ligações entre o movimento estudantil e outros movimentos que queriam o fim do fascismo e a independência das colónias. Daí que houvesse tantas prisões de estudantes, vigorosamente denunciadas pela imprensa estudantil. Por Manuela Góis (Manu).

Abril 11, 2017

Na crise académica de 1969, as mulheres participaram massivamente, tanto nas assembleias de estudantes como nas manifestações, saindo da “concha” a que estavam circunscritas. Por Maria Etelvina Sá.

Abril 9, 2017

Despedi-me da minha mãe, do meu pai e da irmã com o coração apertado. Não sabia por quanto tempo seria a separação. E não podia adivinhar que nesse mesmo ano, em Agosto, seriam presos pela PIDE. E assim entrei eu na organização das “acções especiais”. Por Maria Machado.

Abril 6, 2017

A liberdade que nunca se imaginara poder ser tão grande, as esperanças quase sem limites dos tempos que se seguiram. Sim, tudo isso, mas foi longo o caminho de muitos para lá chegarem – e o meu também foi. Por Joana Lopes.

Abril 4, 2017

O meu primeiro confronto político foi com o padre que dava aulas de moral no Liceu de Setúbal e que, tinha eu dez anos, me disse “a menina é comunista”. Por Isabel do Carmo

Abril 2, 2017

Estava na clandestinidade quando se deu o 25 de Abril. Nunca esquecerei a emoção sentida ao tomar conhecimento do derrube da ditadura! O país tinha despertado vestido de Primavera! Por Graça Marques Pinto (Magaça).