Está aqui

Campanha bloquista assinala fim da discriminação na Lei da Adoção

Deputada do Bloco Sandra Cunha destaca “conquista histórica da sociedade portuguesa”. A par do lançamento de um novo outdoor com a palavra Igualdade, o Bloco irá organizar uma sessão pública sobre o tema.

Os bloquista vão assinalar com uma campanha nacional o dia em que o Parlamento “terminou a discriminação na lei da adoção” - 10 de fevereiro de 2016. O Bloco lançou igualmente um novo outdoor (imagem em baixo), no qual se lê a palavra IGUALDADE e são representados diferentes tipos de famílias. Os bloquistas irão igualmente organizar uma sessão pública sobre o tema.

“É uma conquista histórica da sociedade portuguesa”

“A campanha marca esta conquista enorme do fim da discriminação na lei contra famílias e crianças por causa da orientação sexual das pessoas. É uma conquista histórica da sociedade portuguesa”, avançou, sublinhando, contudo, que “apesar de esta conquista na lei ter sido o culminar de uma série de reivindicações, importa ainda continuar esta batalha na sociedade: mudar mentalidades, destruir preconceitos, chamar a atenção para estas questões”.

É preciso fazer “corresponder o fim da discriminação na lei” às mentalidades e à sociedade, frisou.

A deputada bloquista alerta ainda há também “bastante a fazer” a nível legislativo no que concerne à identidade de género, assinalando que o Bloco está a trabalhar em propostas para “pôr fim à discriminações com base na identidade de género”.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política

Comentários

Por vezes há que ser inteligente, o cartaz do Jesus já está a levantar muita celeuma e ainda nem sequer foi colado. Se o objectivo do cartaz fôr desvirtuado, pode virar-se o feitiço contra o feiticeiro, e uma lei que não já não irá provocar muito engulho, pode com este cartaz dar argumentos ás forças mais reacionárias e retrógradas da sociedade portuguesa que se lhe opõem.

Repensem se será útil cola-lo.

É raro sentir-me desconfortável. Sou mais do tipo gosto ou detesto, aceito ou recuso... O cartaz, que optaram por escolher para celebrar um dos acontecimentos mais importantes dos últimos anos, deixou-me desconfortável e mais do que isso deixou-me uma sensação de exclusão; e eu queria tanto partilhar dessa celebração! Não sou crente, praticante de qualquer religião ou seita, não acredito na existência de qualquer deus. Que Yeshua tenha vivido, sido um homem bom, tenha tentado deixar-nos uma mensagem de esperança (como Maomé e Gandhi) aceito, acredito. Que seja filho de um qualquer deus, não! Deus, deuses e similares não reconheço. Por isso, para mim, o vosso cartaz não faz sentido e tenho pena que não me represente. Sinceramente também queria lá estar.

Não contente, o BE quer ainda esmagar e esquertejar as vítimas e espalhar os pedaços por aí, troféu de caça... Uma vergonha de cartaz e de postura indigna de um partido que se diz democrático. Execrável.

É lamentável que um partido que tem como dever, representar cidadãos eleitores, tenha uma atitude destas que tem um e um só objetivo! Que é o de provocar um grupo de cidadãos (Que até é maioritário em Portugal)!! É absolutamente lamentável!! Aproveito para dar mais uma nota, o direito à adoção, NÃO EXISTE!! O que existe são crianças que, por um terrível acopntecimento, não têm quem olhe por elas, as ame e as eduque, e o estado, no seu DEVER de garantir o seu superior interesse, deve facilitar e até promover que essas crianças sejam adotadas por uma familia que o queira fazer e que tenha as condições de garantir o bem estar da criança! A criança é que tem esse direito a ser adotada, NINGUÈM tem qualquer DIREITO NATUARAL de adotar seja quem for! O BE demonstra que se está pouco borrifando no interesse da criança, existem imensas listas de espera de casais que querem adotar, e para melhorar esse processo o BE fez e faz NADA! Antes tenta ganhar mediatismo (nisso o BE é imbatível) numa campanha que, repito, tem como único objetivo, ser provocatória, em nenhum momento o bem estar das crianças à espera de adoção, esteve ou está presente nas mentes do BE, nomeadamente daqueles que fizeram esta campanha. Revelam bem aquilo que são: provocadores, sem nenhum propósito e (quase) sem nenhuma representatividade na sociedade portuguesa...

Em relacao 'a adopcao nada ha' a dizer, nem a argumetar, ate' porque nao ha' algumentos nenhuns contra. Ha' apenas preconceitos. A figura do pai e da mae sao tao importantes que as criancas estao a ser educadas por colegios, por avos, por tios e tias, outras abandonadas em orfanatos, por maes e pais solteiros, e essas sim sao aquelas que acabam por precisar de psicologo para superar o trauma do abandono. E se duvidas tiverem que perguntem 'as criancas que sao filhas de pais homosexuais, perguntem se elas se sentem prejudicadas, e que aceitem a resposta que o que elas sentem e' que por vezes e' a sociedade que descrimina a sua familia.

Se fosse verdadeiramente católico e crente em Cristo, já mais se sentiria ofendido, pois a ofensa não faz parte da sua palavra. A ofensa faz parte daqueles que não têm fé... e portanto não acreditam!

"Tanto quanto se sabe, Jesus tinha um pai, José, e uma mãe, Maria. E, sim, também tinha um "pai" divino - o que será importante para os crentes, mas apenas para esses. E, para esses, não era apenas Jesus que tinha esse segundo pai, são todos os homens e mulheres. Mas, como digo, isso só é relevante para os crentes - neste ponto, só vale a pena registar que o BE, com este cartaz, reconhece que deus existe. Enfim, é um problema que o BE terá de resolver."

HÁ UM PEQUENO EQUIVOCO NO CARTAZ!
Os filhos dos casais gay não são filhos de 2 pais mas sim de 3!

Jesus veio à terra enquanto filho de Deus explicar-nos que todos nós o somos, como ele somos seres capazes de milagres identicos aos seus ou ainda melhores. (Está escrito na biblia vão lá à procura.) Ou seja todos nós, à execpção de alguns bebés proveta, somos filhos de dois pais... E nesse sentido, sendo também filhos de Deus, os filhos dos casais gay, são filhos, não de 2 pais mas de 3!

Hà outro equivoco agora entre as pessoas que se sentem ofendidas com este cartaz, simplesmente elas não acreditam na palavra de Cristo e por esse mesmo motivo, não são Católicas nem Cristãs. Portanto estão equivocadas quando se ofendem, pois não têm nada com que se ofender! Se acreditassem na palavra de Cristo, ou seja se acreditassem em Cristo, não se ofendiam, não atiravam pedras, seriam tolerantes, compreensivas, distilariam amor em vez de ódio e já mais se sentiriam ameaçadas na sua fé, pois nada, muito menos uns bonecos desenhados num papel, alguma vêz conseguiria coloca-la em causa....

Porquê este tiro no pé quando estava tudo a correr bem?
Porquê?
Graficamente está bonito, mas quem escolhe o tema??
O problema é que mesmo que o apaguem e não o imprimam, o mal está feito.
A "internet" nunca esquece uma publicação, mesmo que seja por engano.
Com este "religioso" cartaz, estão a dar munições aos carrascos fuziladores.
Porquê... Até estava tudo a correr bem...

Aplaudo a Lei agora aprovada, mas este tipo de cartaz é lamentável. Mais parece que estão a gozar com a conquista do que a celebrá-la. É um tiro nos pés.

Trata-se de uma campanha execrável e mal-intencionada, os "Pais" aludidos na campanha, não podem ser confundidos com os educadores previstos numa lei que camufla o que é anti-natural, chamando-lhe "discriminação". A posição do BE é conhecida, silêncio total quanto aos Cristãos atirados borda fora no mar Mediterrânico pelos "coitadinhos dos migrantes", silêncio total quanto aos Cristãos perseguidos e mortos, no Iraque, Etiópia, Síria... E para reforçar o seu elevado deficit democrático, um referendo sobre este assunto está fora de questão, porque um tema como este só deve ser tratado a "cinco".
O povo, nestes casos, deve é permanecer caladinho e sossegado...

Gosto do cartaz, gosto do conceito e não creio que esteja "historicamente" ou "teologicamente" incorrecto: de facto, Jesus tinha efectivamente 2 pais - Deus e José. Acontece que também tinha mãe, Maria. Seja como for, dizer que Jesus também tinha 2 pais é uma afirmação correcta e verdadeira. Independentente dos fins para que possa a estar a ser empregue, é um facto que Jesus tinha 2 pais. Nenhum cristão conhecedor da vida e da religião cristã tem argumentos para contrariar este facto verdadeiro: Jesus também tinha 2 pais. É um facto. É uma evidência que está bem expressa na Biblia.
Quanto à adopção - cada qual decide como quer viver a sua vida e não é nem pode ser quem está de fora a decidir o que pode ou não fazer, como pode ou não pode viver. Voltando à adopção, é bastante preferível ao abandono ou à inclusão em instituições desumanizadas. Creio que nesse ponto, e tendo em conta o carácter de Respeito e Aceitação com que a Bíblia descreve Jesus, também creio que aprovaria a iniciativa. Garantidamente que sim. O humanismo próprio de Jesus não se coaduna com nenhuma forma de intolerância irracional. Isso é coisa do diabo.

Este cartaz tem dois problemas: o momento e o emissário. O Bloco nada ganha com uma "campanha" intencionalmente polémica. Visto ser um partido político deveria ter mais sentido de estado. Fez uma pirraça como o Cavaco. Para o que é que isto serve? Para nada mas: toma, toma... O outro problema: não estamos em campanha. Já se conseguiu o que se queria, certo? Agora, deve-se criar serenidade para a possível constituição de famílias. Ganhar na política não é a mesma coisa que ganhar no terreno. Há um longo caminho para percorrer e não é com o recurso a isto. Continuamos a falar de pessoas plurais que não devem ser usadas para tacticismos político-partidários. Se isto fosse um mural espontâneo de um civil, maravilhoso. Vindo de um partido, é desnecessário e infantil.

Metem-se com quem sabem que é tolerante. Gostaria de ver a mesma coragem com outras religiões....
Era total e completamente escusada esta afronta aos cristãos/católicos.
Foi uma desilusão.

Estou revoltado com este "humor" de "algum" ou de "alguns" bloquistas, que faz com que, previsivelmente, diminua a credibilidade que o BE conquistou legitimamente, nos últimos anos !
Eu, que SÓ sou simpatizante e não activista, convictamente voto no Bloco e votei em Mariza, partilho nas redes sociais o meu apoio ao BE, comentando e dando ênfase aos artigos e intervenções televisivas e públicas dos seus dirigentes !
Não deixo, portanto de vos dizer, eu que sou agnóstico, da minha revolta pela "garotice" provocatória e completamente gratuita, que me atinge a mim e a muitos outros, mas que, principalmente, vai atingir o BE, um partido que, em princípio, é ateu e afastado das questões religiosas, a não ser que elas colidam, (o que também acontece...), com Direitos Humanos.
O "cartaz" vai dar "pano para mangas" e comentários igualmente provocatórios e jocosos da canalha pafiosa e de papa-hóstias fascistóides e desvairados como os "jooões césares das neves" que chafurdam por aí !
Os dirigentes, os activistas, os simpatizantes, o eleitorado do Bloco de Esquerda, NÃO MERECIAM ISTO !

A única coisa que, como cristão e cidadão de um país supostamente livre, lamento em relação a esta campanha é observar a reacção de uma agressividade absolutamente despropositada de outros que se dizem cristãos...
O que verdadeiramente ofende pessoas como Pedro Mota Soares é verem aqui um Jesus Cristo retratado como um exemplo positivo - por uma causa positiva - e tal como o devemos ver e recordar: um Homem pleno de bondade, generosidade, paz, tolerância e respeito mútuo. Isso escandaliza-os!! [provavelmente porque já se esqueceram de quem estão a falar, caso contrário as suas políticas de empobrecimento, discriminação e prepotência não seriam uma triste realidade...]
Mas Cristo abriu uma justificada excepção a esta regra: tolerância zero para com os vendilhões do(s) templo(s), e todos os seus cúmplices e beneficiãrios -- não surpreendentemente todos esses - exactamente esses - os que agora vêm gritar 'escândalo!'.
E que, se tal não bastasse, se arrogam o direito de falar pelos cristãos. Por mim não falam - por muitos outros também não; tal é absolutamente certo para muitos e muitos milhares de crentes que pensam por si mesmos e não embarcam em tal chorrilho de disparates.
Quanto a mim: Cristão sempre! - Socialista, sempre! - Livre e Tolerante, sempre!

Uma ENORME falta de respeito e intolerância para quem pensa diferente. E não me venham com a "liberdade de expressão", porque a liberdade acaba quando termina o respeito.
E ainda não se sentaram no poder, só lhe dão apoio...
Se um dia se sentarem, vão fazer como Estaline...

Liberdade de expressao nao e' so' para quando queremos dar licoes de moral aos terrororistas islamicos (Charlie Ebdo). Tambem ha' liberdade de expressao para aqueles que acham mesmo que Jesus tinha dois pais. Os crentes precisamente por o serem tem o dever moral de prestarem solidariedade e de promoverem igualdade de direitos. Na Irlanda ainda ha' uma minoria de crentes que acha normal que 97% das escolas descriminem negativamente as criancas nao-baptizadas. Essa e' a pequena minoria crente que deveria dar um bom exemplo dos ensinamentos de Jesus mas acaba fazendo o contrario. Repito, os crentes tem dever moral acrescido de dar o exemplo. Felizmente a Irlanda tem uma ampla maioria que votou por via do referendo na igualdade de direitos dos homosexuais e hoje em dia (poucos meses depois) estao todos orgulhosos com o exemplo que deram ao mundo. A mensagem de Jesus sempre foi de solidariedade e nao-descriminacao e tenho a certeza que estaria bastante contente com as centenas de pessoas que vao finalmente poder avancar com as suas vidas em direccao a uma sociedade mais justa.

A única coisa que, como Cristão e cidadão de um país supostamente livre, lamento em relação a esta campanha é observar a reacção de uma agressividade absolutamente despropositada de outros que se dizem cristãos...
O que verdadeiramente ofende pessoas como Pedro Mota Soares é verem aqui um Jesus Cristo retratado como um exemplo positivo - por uma causa positiva - e tal como o devemos ver e recordar: um Homem pleno de bondade, generosidade, paz, tolerância e respeito mútuo. Isso escandaliza-os!! [provavelmente porque já se esqueceram de quem estão a falar, caso contrário as suas políticas de empobrecimento, discriminação e prepotência não seriam uma triste realidade...]
Mas Cristo abriu uma justificada excepção a esta regra: a da tolerância zero para com os vendilhões do(s) templo(s), e para com todos os seus cúmplices e beneficiãrios -- não surpreendentemente todos esses - exactamente esses - os que agora vêm gritar 'escândalo!'.
E que, se tal não bastasse, se arrogam o direito de falar pelos cristãos. Por mim não falam - por muitos outros também não; tal é absolutamente certo para muitos e muitos milhares de crentes que pensam por si mesmos e não embarcam em tal chorrilho de disparates.
Quanto a mim: Cristão sempre! - Socialista, sempre! - Livre e Tolerante, sempre!

Esta é uma lei que vem tornar legitimo o já há muito existia, e como tal aplaudo a sua aprovação. Enquanto católico é importante acabar com quaisquer fontes de discriminção na nossa sociedade, o que esta lei faz também. Ao mesmo tempo não comprendo a necessidade do Bloco de Esquerda, partido com o qual tenho muitas afinidades e no qual com orgulho tenho votado, tem em atacar, gozar, achincalhar a religião de muitos portugueses entre os quais me encontro. Não compreendo a necessidade de envolver nesta questão meramente sociológica e política aspetos de ordem religiosa. Será que para para acabar com a discriminação na lei da adopção, o BE quererá acabar com a tolerância religiosa e instituir a discriminação aos cristãos, especialmente aos católicos? Pelo menos o BE deveria retratar-se publicamente desta ação.

Bom, o que dizer de um partido que defende o estado laico e que as instituições religiosas devem ficar no seu cantinho. É no mínimo estranho recorrer a algo que para muitos deste partido não faz sentido. Podem sempre voltar atrás pelo menos reconhecendo o erro.

Fiquei desiludida com este novo outdoor do BE. A nível de mkt é cativante: colorido, pop,etc. Mas, somos uma nação laica. Misturar religião com políticas é mau senso. E, depois fiquei com a ideia que pais podiam ser pais, mães já não podem. Pensando bem, já antes as crianças podiam ter pais: barriga aluguer e respetivo óvulo, adopção no estrangeiro... Que trouxeram de novo que a sociedade não soubesse já? E, o timing foi muito mau: Quaresma - época de reflexão para cristãos, de morte e vida. Para uns pode ser anedota, mas para outros é o conforto espiritual. E, depois celebração do ano da misericórdia. Incentivar o lado espiritual, misericordioso do homem. O BE assume-se como um partido respeitador da diferença, seja ela qual for. É esse o vosso slogan, e não o de "desrespeitar" uma parte da sociedade. Ironicamente, para igreja é o ano da misericórdia, e digo ironicamente porque associo o partido a essa palavra: misericórdia. Misericórdia pelos mais fracos, pelos que não têm voz, pelos que não têm pão na mesa, pelos pobres de espírito, pois só um educação gratuita pode tornar uma nação, numa nação mais forte, mais perigosa, porque conhecimento é poder.
Vou passar uma esponja neste assunto, e achar que foi um ato irrefletido, para acordar as hostes, e continuar a acreditar em mulheres de convicção como a Marisa, a Mariana e a Catarina.

O cartaz é ofensivo, incendiário, provocador tendo em conta que estamos na quaresma. Acaba por ser totalmente ineficaz pelo seu caráter insultuoso. Da minha parte, caso não se verifique um pedido de desculpas, está afastada a possibilidade de votar no BE mesmo reconhecendo o bom trabalho das principais dirigentes

Vim aqui dizer que aplaudo a nova lei aprovada, visto que sou uma pessoa homosexual, e também me considero liberal e de mente aberta. Gosto do Bloco, e sempre gostei, e não será por causa desta polémica que não deixarei de seguir atentamente as vossas propostas, e debates, visto que temos visões politicas e sociais semelhantes.

Mas, em termos do cartaz, compreendo que pode irritar, e transtornar muito a população portuguesa católica. Para mim pessoalmente, não me faz diferença, mas é porque não me identifico como pessoa religiosa.

Eu sei que a minha opinião individual pode não contar muito para um partido, mas acho que, vocês (BE) devem de ter cuidado para não perder muitos apoiantes e simpatizantes com cartazes potencialmente danificantes para a imagem do partido, pois gostaria de ver o Bloco crescer e tornar-se maior e mais influente ao longo do tempo.

Adicionar novo comentário