Está aqui

307005930465225

Rostos da crise: Guilherme Tortelli

Guilherme trabalhava com mais nove colegas num hostel. Quando começou a pandemia, os patrões quiseram que eles abdicassem dos contratos, mas sem lhes dar acesso ao subsídio de desemprego e sem entrar em lay-off.

Guilherme e os colegas uniram-se e recusaram. Começaram uma luta que teve retaliação por parte dos patrões, que responderam com um assédio cada vez mais agressivo.

Assédio moral no trabalho é crime e é inaceitável, muito menos num contexto de pandemia.

Ninguém pode ficar para trás. Partilha!