Está aqui

Dossier 312: Parto e parentalidades

Esther Vivas é socióloga e jornalista. Em Mama Desobediente procura "politizar a maternidade".

"A esquerda não foi capaz de elaborar um discurso próprio sobre a maternidade"

Março 27, 2020

"A maternidade foi sempre um tema incómodo para o feminismo". Em entrevista, Esther Vivas explica as razões pelas quais as feministas dos anos 60 e 70 caíram "num certo discurso anti-materno e anti-reprodutivo como reação à imposição do patriarcado  para que as mulheres exerçam a experiência materna". No seu último livro, afirma a mãe como "sujeito ativo, com capacidade de tomar decisões, que se reconcilia com o próprio corpo, fortalecendo-se na gravidez, parto e amamentação".

Violência Obstétrica, um crime contra os direitos humanos

Violência Obstétrica, um crime contra os direitos humanos

Março 19, 2020

A maioria dos profissionais de obstetrícia desconhece ou ignora a fisiologia do parto normal, impondo procedimentos ou intervenções médicas, muitas vezes sem qualquer consentimento ou informação, em vez de criar as condições necessárias para que ele se desenvolva naturalmente, sem intercorrências. Artigo de Laura Ramos.

A amamentação em Portugal: políticas públicas necessárias

A amamentação em Portugal: políticas públicas necessárias

Março 17, 2020

Não basta recomendar a amamentação, são precisas medidas que fomentem uma maior consciência sobre a fisiologia da amamentação, e da sua importância na saúde e bem estar socioeconómico das famílias e sociedade. Artigo de Ana Filipa Antunes.

Parentalidade e Masculinidades Cuidadoras

Março 17, 2020

A conquista da igualdade por parte das mulheres exige o envolvimento dos homens. É por isso necessário trazer os homens para o espaço privado da família, fazendo-os partilhar com as mulheres as tarefas domésticas e os cuidados aos filhos. A aspiração à paternidade cuidadora está assim no epicentro das novas masculinidades: as masculinidades cuidadoras. Artigo de Susana Atalaia.

Cartaz em manifestação pela humanização do parto em Fortaleza, Brasil.

Direitos na Gravidez, Parto e Pós-Parto

Março 17, 2020

Embora os direitos na gravidez, parto e pós-parto sejam direitos humanos, a violência obstétrica é um fenómeno comum, que tem na sua génese o desrespeito pela mulher e pelos seus direitos sexuais e reprodutivos. Artigo de Mia Negrão.

Grávida no corredor das urgências da Maternidade Alfredo da Costa, Lisboa.

Violência obstétrica: o caso português

Março 17, 2020

Nas suas múltiplas dimensões, a violência obstétrica traduz-se na perda de autonomia das mulheres num momento de importância crucial das suas vidas sendo, por isso, necessário contribuir para a visibilização deste fenómeno e para o reconhecimento dos direitos das mulheres no contexto da gravidez e do parto. Artigo de Catarina Barata e Dulce Morgado Neves.

Adiamento da gravidez e decisões reprodutivas

Adiamento da gravidez e decisões reprodutivas

Março 17, 2020

Em Portugal a idade de nascimento do primeiro filho tem aumentado sucessivamente, facto que impacta a fertilidade, gravidez e parto nos grupos etários mais avançados. Por que razão adiam as mulheres a gravidez e quais as consequências? Artigo de Ana Campos.

Nascer e morrer em Portugal

Nascer e morrer em Portugal

Março 17, 2020

Em 2018 morreram 17 mulheres durante a gravidez, parto e puerpério. Quase o dobro do que no ano anterior. Artigo de Mariana Falcato Simões.

Que bonito, parecem mesmo uma família a sério

Que bonito, parecem mesmo uma família a sério

Março 17, 2020

Optar pela adoção como modelo de parentalidade é embarcar numa aventura simultaneamente maravilhosa e aterradora. Dirão que isso não difere da parentalidade biológica. À primeira vista poderá assim parecer, mas existem diferenças significativas. Artigo de Sandra Cunha.