Clima

O Boletim do IPMA assinala a diminuição dos valores de percentagem de água no solo em todo o território do continente, destacando a região Nordeste, vale do Tejo e o Sul, com o sotavento algarvio e o distrito de Beja a entrarem em seca moderada.

Mariana Mortágua e Catarina Martins juntaram-se numa conferência de imprensa sobre a importância das questões ambientais. Foi anunciado um projeto para parar as minas de lítio e um pacote de medidas a implementar à escala europeia.

O Manifesto da Zero para as legislativas de março, enviado aos partidos políticos, desafia-os a fazer da sustentabilidade uma “prioridade estruturante das políticas públicas” da próxima legislatura.

Relatório do Tribunal de Contas Europeu considera que as metas de redução das emissões de CO2 dos automóveis novos e as ambições climáticas da União Europeia até 2030 não são compatíveis.

A associação ambientalista denuncia uma dotação orçamental para a área “inferior a 3% da despesa”, valor que não representa “uma melhoria adequada” face ao ano passado. Criticam-se ainda muitos atrasos em medidas previstas nesta Lei de Bases.

A forte presença da McKinsey na construção da agenda e definição de prioridades da cimeira de Nairobi preocupa 300 organizações não governamentais locais. Denunciam o papel atribuído ao mercado de carbono e a secundarização do fim dos combustíveis fósseis.

Rishi Sunak anunciou que serão concedidas, à partida, pelo menos 100 novas licenças, e muitas mais deverão surgir a partir do outono. Primeiro-ministro britânico, que alega estar a defender a segurança energética do Reino Unido, é alvo de duras críticas por parte de ativistas climáticos.

Com os cientistas a confirmar que julho vai a caminho de ser o mês mais quente desde que há registos, com 1,5°C acima da era pré-industrial, o secretário-geral da ONU volta a alertar para as "consequências trágicas" da ausência de ação imediata.

Um estudo da Federação Europeia de Transportes e Ambiente conclui que os governos europeus oferecem quatro milhões de euros por hora em benefícios e isenções fiscais às companhias aéreas.

Nas redes sociais e por telefonemas, a AEMET tem vindo a ser alvo de insultos e ameaças. Os seus profissionais garantem que manterão o seu compromisso com o serviço público e a luta “para que o cidadão tenha a melhor informação e para que possa por si próprio ser capaz de discriminar uma notícia falsa”.