Política

Catarina Martins foi ao Bairro do Zambujal na Amadora onde encontrou uma situação em que pessoas com baixos rendimentos pagam rendas mas o IHRU criou um “absurdo judicial e burocrático” ao mesmo tempo que deixa as casas degradadas.

António Costa defendeu que a Comissão de Inquérito à TAP não teria que analisar as ações do atual ministro das Infraestruturas. Catarina Martins respondeu-lhe que não lhe passa pela cabeça que Galamba “não queira responder a esse dever de transparência”. Sobre a lei da eutanásia diz que lei João Semedo é “uma lei de tolerância”.

Partido acompanha caderno reivindicativo dos enfermeiros e avança com proposta para aumentar remunerações, garantir progressões na carreira e igualdade de tratamento, combater precariedade, instituir estatuto de risco e penosidade e contratar mais profissionais.

Parlamento Europeu exige que o pagamento dos empréstimos associados ao Plano de Recuperação e Resiliência não leve a cortes nos fundos europeus nem sobrecarregue os países por causa do aumento das taxas de juro. José Gusmão responsabiliza a "política absurda do BCE" pela situação criada.

Catarina Martins frisou que serão respeitados os direitos de “quem não quer ser duplamente violentado quando o fim se aproxima: violentado pelo sofrimento e violentado pelo desrespeito da sua vontade”. Diploma conta com votos contra de PSD, Chega e PCP.

O Parlamento deve confirmar esta sexta-feira a lei que despenaliza a morte medicamente assistida. Mas o PSD, secundado pelo Chega, anunciou na véspera que irá recorrer ao Tribunal Constitucional. "Não estamos perante um ato jurídico, apenas e só o desespero político", diz Pedro Filipe Soares.

O projeto de lei entregue na Assembleia da República prevê que a cada eleição ou cooptação de um novo juiz seja respeitado um critério de paridade que corresponda a um mínimo de 6 juízes e um mínimo de 6 juízas entre os 13 elementos do Tribunal.

Começou esta quarta-feira o julgamento de Mamadou Ba, acusado de difamar o neonazi Mário Machado. Reagindo ao apoio com que conta durante este processo, o ativista anti-racista afirmou que “há uma consciência coletiva de que é preciso criar um cordão sanitário à volta da democracia”.

Reagindo ao discurso do Presidente da República aos eurodeputados, José Gusmão destacou pelo lado positivo as referências à paz na Ucrânia e às consequências da crise inflacionária, bem como os apelos a uma Europa aberta e pioneira no clima. Mas criticou o discurso "vago" sobre as novas regras económicas.

Catarina Martins afirmou que em três anos e meio o PS conseguiu fazer com que o país passasse de 641 mil utentes sem médico de família para quase um milhão e 700 mil. A ausência de ação do executivo, alerta, alimenta a deterioração do SNS.

União Europeia quer novo PEC em vigor no fim do ano, mas o ministro português faz questão de cumprir as regras antigas e mais restritivas. "Quando for preciso negociar com os restantes ministros europeus não será Medina a defender os interesses da população portuguesa", diz José Gusmão.

Num encontro com os moradores que viveram toda a vida no Casal do Gil e estão sob ameaça de despejo, a coordenadora do Bloco criticou a política camarária que quer “expulsar as pessoas com menores rendimentos para fora da cidade”.

Catarina afirmou que “nem António Costa, nem Marcelo Rebelo de Sousa, e muito menos a direita, querem falar do que importa ao país”. “Ninguém teve uma palavra a dizer” sobre a decisão do BCE de aumentar os juros, a luta dos professores, o ataque ao SNS ou os lucros excessivos da banca e da energia.

Os resíduos sólidos urbanos estão a acumular-se devido aos condicionamentos na operacionalidade dos navios que os escoam. O partido exige medidas urgentes.

Novas regras que preveem um valor fixo para compensar trabalhadores pelas despesas adicionais em regime de teletrabalho entraram em vigor no início deste mês. No entanto, o Governo só se compromete a definir o montante até ao final da legislatura.