Está aqui

Opinião

21 Agosto, 2006

Derrotado no Líbano, o governo de Israel pode bem estar a preparar uma vingança sobre os palestinianos.

15 Agosto, 2006

Dois dias de cessar fogo efectivo são uma boa notícia para as populações libanesas ameaçadas pelos bombardeamentos israelitas, como para as populações árabes e israelitas de Haifa e de outras cidades que estavam a ser atingidas pela resposta do Hezbollah. De facto, as condições políticas para Israel prosseguir a guerra estavam a ser claramente enfraquecidas. Israel perdeu a guerra.

23 Julho, 2006

A SIC foi à base aérea israelita mais utilizada na actual guerra. De lá saem os caças F-16 que todos os dias despejam toneladas de bombas sobre o Líbano.

18 Julho, 2006

Israel é o resultado de uma história trágica. O Holocausto e a perseguição nazi aos judeus impulsionou a imigração de populações perseguidas do centro da Europa para fora da Europa, e o decadente império britânico, com o francês, com a indiferença internacional, exilou estas populações e comunidades para Palestina, esperando criar uma zona de contenção e controlo no coração do mundo árabe. Israel nasceu assim no coração da guerra e definiu-se como um Estado em guerra. A guerra é a sua natureza.

12 Julho, 2006

Fevereiro de 2006: sentado num canto do palco, o homem mais rico do mundo e dono da Microsoft, Bill Gates, olhava embevecido para uma fila de ministros debruçados sobre uma mesa a assinar protocolos de cooperação entre o governo português e a empresa fabricante do Windows.

8 Julho, 2006

Com a multiplicação das desgraças nas frentes da “guerra ao terrorismo”, o Afeganistão tem ficado na sombra do palco informativo. Não é que se trate de um oásis, face ao descalabro do Iraque ou aos desmandos israelitas na Palestina. Quase cinco anos depois do início da operação “Liberdade Duradoura”, o Afeganistão é governado por um empresário petrolífero com dupla nacionalidade afegã e norte-americana, cuja autoridade não chega aos subúrbios da capital.

4 Julho, 2006

Cavaco Silva estreou os poderes do novo cargo de Presidente da República no veto político à lei da paridade. Outra coisa não seria esperar.

3 Junho, 2006

Timor falhou? O regime está a desagregar-se com o confronto entre o Presidente Xanana e o ex-primeiro-ministro Alkatiri, e sendo a guerra civil ainda uma ameaça, a população de Díli fugiu para as aldeias das montanhas e não regressou, antecipando o pior. Para já, triunfou o golpe palaciano que levou Ramos Horta ao controlo do governo, procurando agora o controlo político que condicionará as eleições. A Igreja Católica, o Presidente, todos os aliados do poder imperial da Austrália, clamam para já vantagem - e têm-na de facto. Se vencerem, será a independência de Timor que falhará.

Páginas