Está aqui

Opinião

19 Dezembro, 2020

O novo projeto apresentado pela extrema-direita não é um choque com o capitalismo, é um choque com os direitos humanos e a democracia que protegem os excluídos.

18 Dezembro, 2020

É preciso abandonar de uma vez por todas o modelo que assenta na detenção de pessoas migrantes, incluindo menores, que, por algum motivo, veem recusada a sua entrada no país. Os centros de instalação temporária e espaços equiparados não são mais do que prisões.

18 Dezembro, 2020

Dadas as condições económicas, que se prolongarão arrasando os planos da TAP, este é, sem dúvida, um dos dossiês mais difíceis do Governo.

18 Dezembro, 2020

Concorde-se ou não com as forças militares do nosso país, não é aceitável que se obrigue todos os anos milhares e milhares de jovens a participar numa actividade que pode ou não ser do seu interesse, quando deve depender da vontade de cada pessoa participar ou não na mesma.

17 Dezembro, 2020

A arquitetura do projeto da União Europeia (UE) é complexa. Tão complexa e tão pouco explicada que, para a maioria das pessoas que acabaram de ler o título deste artigo, ele não apresenta qualquer erro. Mas não é assim.

16 Dezembro, 2020

"Tempos sombrios", Brecht. Mas a verdade, a política e a palavra são as armas dos democratas. O teatro é uma arma. O corajoso espetáculo do Tiago Rodrigues "Catarina e a beleza de matar fascistas" é prova disso.

16 Dezembro, 2020

O assassinato de Ihor Homeniuk nas instalações do SEF no aeroporto de Lisboa não foi um acidente, foi uma consequência. O que está a montante desse ato de barbárie e que conduziu até ele, é o que verdadeiramente conta e é o que deve ser objeto de debate político.

15 Dezembro, 2020

Fui ao teatro e saí pasmado. Porque são raras as vezes que vemos uma peça fazer-nos tantas perguntas, e menos ainda fazer-nos perguntas para as quais não temos resposta.

15 Dezembro, 2020

Cinco anos depois, o Acordo de Paris, estruturalmente e politicamente impotente para a tarefa de desmantelar o capitalismo fóssil, está tão morto quanto no primeiro dia.

14 Dezembro, 2020

Foram necessários nove meses para o Estado português parir uma indemnização. Todo o tempo de gestação de uma vida humana para Portugal corresponder à sua mais elementar obrigação: indemnizar a família por um homicídio às suas mãos.

Páginas