Está aqui

Opinião

25 Março, 2024

Se houvesse um círculo nacional de compensação, à semelhança do que temos nos Açores, PS, AD e CH perderiam alguns deputados, e o Bloco de Esquerda, por exemplo, passava de 5 para 10 (trata-se do dobro dos deputados).

24 Março, 2024

A iniciativa, do Bloco, propor reuniões com os vários partidos de esquerda após as eleições foi muito importante. Aberta a tão bem guardada caixa de Pandora da unidade de esquerda, quem a encerrar ou deixar esquecida poderá pagar um preço elevado.

23 Março, 2024

Agora que é evidente que a direita governará o país é preciso, antes de mais, ter a informação na dose correcta e ganhar consciência do que poderá vir a acontecer. Pistas, no mínimo, existem.

23 Março, 2024

Mais de 70% da população do Algarve vive do turismo, restauração e atividades conexas. O modelo de desenvolvimento económico regional assenta na monocultura do turismo de sol e praia, da responsabilidade de PS e PSD, com base no trabalho sazonal e precário e na especulação imobiliária.

22 Março, 2024

Em 2018, após meses de luta dos enfermeiros, o governo cedia parcialmente às reivindicações da classe. Porém, o ministério dividiu para reinar: concedeu um subsídio mensal, mas apenas para alguns especialistas. Dentro dos excluídos estiveram cerca de 60 mulheres recém mães.

21 Março, 2024

É mais uma “paralisação pacífica” dos estafetas, em reação à compressão dos valores pagos pelas aplicações digitais. É uma greve? Na substância, sim, é uma greve. Uma greve de quem não pode, formalmente, fazê-la.

20 Março, 2024

Neste momento impõe-se impedir a todo o custo a continuação do massacre de palestinianos, estabelecer negociações para a libertação dos reféns, e evitar que o conflito alastre sob que pretexto for, não permitindo a construção de mais colonatos em território palestino.

19 Março, 2024

Não é aceitável falar em unidade sindical sem observar a realidade que nos rodeia e a diversidade que ela comporta.

18 Março, 2024

O tempo é de disputa de hegemonia na sociedade e no espaço público e de testemunho programático próprio de cada força política. Mas é também, urgentemente, de diálogo e de articulação das forças da oposição à esquerda, que devem começar desde já.

17 Março, 2024

A situação exige às esquerdas portuguesas concertação e diálogo para agir em conjunto, para defender o essencial, para abrir caminhos novos.

Páginas