Está aqui

Sem paciência

A direita investiu na praxe. Um investimento que lhe tem saído frutuoso. Um movimento estudantil domesticado a fazer flexões na coreografia de praxes reeditadas, sendo que a primeira edição não era já publicável.

Não fora a tenacidade dos pais dos estudantes que encontraram a morte no Meco, uma tenacidade forjada na dor do luto perplexo, e o país teria esquecido o episódio, para abocanhar a página seguinte de qualquer outra tragédia. Mais, teria papado a versão de uma grande onda a apanhar estudantes a passear ocasionalmente à beira mar. Acidentalmente.

É claro que não sabemos o que aconteceu na praia escura de 15 de Dezembro.

Mas sabemos que quem deveria investigar não investigou; quem deveria preservar provas, colher depoimentos, não fez a ponta de um corno; sabemos que quem tinha por obrigação averiguar, apurar, deslindar o mar de indícios a boiar à nossa volta, omitiu o dever elementar da função.

Sabemos também que há grande incomodidade dos praxistas em falar do Meco.

No Prós e Contras, a mera abordagem à praxe eventual que terá estado na origem da tragédia, foi matéria proibida e desvalorizada. Nem piaram. Avisaram logo que não se sabe o que aconteceu.

Assistimos, pois, sentadinhos à frente da televisão, ao desfiar alarve dos discursos roscofe dos defensores do negócio, ao driblar de responsabilidades e ao gargarejar argumentativo a desmentir evidências.

Pasteladas sonoras e apaixonadas, vibrantes de energia idiota. A versão romântica da praxe serenata, a versão solidária da praxe amiga, a versão edulcorada da praxe cavalheiresca e sorridente, foi ali cinicamente ostentada, como se fôssemos todos imbecis e cegos.

Uma lição para vida. Ou para a morte?

Um professor de Direito apadrinhava a tese da praxe benigna, um acompanhamento a cheirar a dolo e a chutar para canto. Um chico esperto, um sonso, a descair para o bacoco.

Esta gente sacode com inegável destreza a água do capote. Uma destreza adquirida na reiterada impunidade que a capa ocultou até agora.

A direita investiu na praxe. Um investimento que lhe tem saído frutuoso. Um movimento estudantil domesticado a fazer flexões na coreografia de praxes reeditadas, sendo que a primeira edição não era já publicável. No meio da azáfama praxista não há tempo para ler o mundo. Os governos descansam.

No Meco morreram seis. Há uma testemunha. Um sobrevivente. Calado, caladinho, não diz nada, não se mexe, faz de morto.

Nem tão pouco ouve o som da prece dos pais, órfãos dos filhos que se foram, a clamar o conhecimento mínimo do ocorrido. É estranho. Tão estranho quanto inacreditável.

Houve tempo para tudo. Para tudo. Destruir provas, assustar testemunhas, forjar depoimentos. A máquina pode ser sinistra.

Continuem, filhos que vão longe! Lambuzem-se de obediência. Enxovalhem-se de hierarquias. Se nem a morte vos faz parar, continuem, alegremente, até à próxima.

Agora foram seis. O traje foi-lhes mortalha.

Sobre o/a autor(a)

Advogada, dirigente do Bloco de Esquerda. Escreve com a grafia anterior ao acordo ortográfico de 1990
Comentários (2)