Está aqui

Se a escola fosse um barco: os professores

Se a escola fosse uma embarcação, carregada de crianças e jovens, num tempo de turbulências e vendavais, que poderíamos e deveríamos esperar da sua tripulação? Que condições deveriam ser garantidas para trabalharem e chegarem a bom porto?

Os comentadores de direita acham que as professoras e professores (tripulantes e pilotos do navio) deveriam ser divididos em “ bons e maus”, para poderem ser penalizados, castigados. João Miguel Tavares, entusiasta da Troika e do governo de Passos Coelho, que escreve no jornal Público, acha que um grande parte das professoras e professores deveriam ser pura e simplesmente ”afastados”. Afastados? Como assim? Afastados para onde? Lançados ao mar? Diz ele que tem quatro crianças em idade escolar e que conhece muitos professores: alguns deveriam ganhar muito mais e outros muito menos, diz ele puerilmente. Poderíamos perguntar-lhe: quais é que quereria para trabalhar com os seus descendentes? Os “bons” todos para os seus filhos? E os outros? E os dos outros?

Se a escola fosse um avião, e se o leitor ou leitora desta crónica estivesse a embarcar, como acha que os pilotos e a tripulação da aeronave devem ser tratados pela entidade patronal? Que devemos exigir ao dono do avião no que respeita ao tratamento da tripulação e dos pilotos?

A escola e os seus profissionais, num tempo de turbulências e vendavais, precisam em primeiro lugar de PAZ. A paz assenta em respeito da comunidade mas também da entidade patronal, neste caso o estado, o governo.

O que o governo do PS está a fazer aos professores faz lembrar o tempo de Maria de Lurdes Rodrigues e José Sócrates. O ministro da educação e o primeiro-ministro devem ter-se esquecido do que aconteceu a estes seus antecessores.

Força professores, força professoras! Esta luta é a base para podermos seguir em frente e começarmos enfim a resolver outros problemas da escola antiquada e discriminatória que teima em perpetuar-se, por opção dos sucessivos governos.

No próximo artigo apresentarei algumas propostas/contributos para salvar a escola pública.

Sobre o/a autor(a)

Professor
(...)