Está aqui

Para assentar tijolo basta saber ler e escrever…

O governo CDS/PSD está a implodir a política de educação e formação de adultas/os! Apoiando-se num estudo anacrónico que contradiz as centenas de teses de mestrado e doutoramento feitas sobre este assunto, Nuno Crato condena o futuro de milhares de pessoas, enxovalha as que decidiram estudar e descredibiliza quem trabalha nesta área.

Comecemos pelos números: metade das/os jovens em Portugal não conclui o ensino secundário. Mais de 600 mil pessoas são analfabetas. A maioria das/os trabalhadoras/es tem menos que o 9º de escolaridade. Portanto, sejamos claros: Portugal não tem um problema de excesso de qualificação! Portugal tem um problema de abandono escolar, baixa escolaridade e pouca qualificação profissional, que tem vindo a ser debelado com a criação de políticas de educação e formação diferenciadas e dirigidas a diversos públicos, que precisarão de ser melhoradas e não aniquiladas!

Para as/os jovens surgiram modalidades de formação como os cursos de educação formação de jovens (CEF), os programas integrados de educação e formação (PIEF) ou os cursos de aprendizagem.

No que diz respeito à formação de adultas/os, foram implementaram-se, por exemplo, os cursos de educação de formação de adultas/os (EFA) de dupla certificação (permitindo obter uma equivalência escolar e conhecimentos para o desempenho de uma profissão) ou os processos de reconhecimento, validação e certificação de competências (RVCC).

Estas modalidades já existiam, muito antes de se terem lembrado de as juntar debaixo de um chapéu chamado Novas Oportunidades, muito antes dos anúncios na televisão e nos autocarros, muito antes das cerimónias de entrega de diplomas; muito antes dos excessos ou da propaganda ideológica do atual governo, a formação de adultas/os já era estudada cientificamente e já estava a ser implementada.

Nuno Crato decidiu que tinha que acabar com a formação de adultas/os. Já o tinha anunciado e falava insistentemente num estudo que nunca ninguém tinha visto. Decidiu então encomendar um estudo sobre estas medidas ao Centro de Estudos de Gestão do Instituto Superior Técnico algo tão coerente como solicitar um estudo de veterinária a uma faculdade de letras. E o estudo chegou dizendo o que Nuno Crato queria (alguém ficou surpreendido?).

De uma assentada, Nuno Crato humilha intencionalmente milhares de pessoas que investiram na sua qualificação e formação, insulta as/os profissionais que trabalham nesta área e anuncia que vai ressuscitar uma medida de educação e formação de adultos que tinha sido extinta: o ensino recorrente.

Em menos de um ano de governo, Nuno Crato recuperou os exames da 4º classe e agora restaurou o ensino recorrente. Se dúvidas houvesse, fica cada vez mais claro que Nuno Crato quer voltar aos tempos em que a escola era uma elite para alguns privilegiados que podiam estudar. Os outros não precisavam porque o seu destino estava traçado: filho de pedreiro, pedreiro será; e quem vai assentar tijolo só precisa saber ler e escrever!

Sobre o/a autor(a)

Ativista contra a precariedade. Dirigente do Bloco de Esquerda.
Comentários (2)