Está aqui

Mau perder

Há quem critique Mélenchon por não ter feito do seu discurso da noite eleitoral um apelo ao voto em Macron na segunda volta. Eu não estranho essa escolha e penso que Mélenchon foi corajoso e correto.
Não tenho qualquer dúvida sobre qual será o seu apelo, o seu voto e o dos seus eleitores - contra Le Pen, na segunda volta (aliás, o pronunciamento dos ativistas da “França insubmissa” sobre essa orientação é uma ideia inteligente para a mobilização eleitoral). A esquerda nunca cultivou ambiguidades com os xenófobos e não vai começar agora.
 
Mas Mélenchon fez bem em não fechar esta etapa prostrando-se perante Emmanuel Macron, o ex-banqueiro que em breve presidirá à República francesa. Contra Jean-Marie Le Pen, a esquerda votou em Jacques Chirac à segunda volta - e ninguém quererá hoje canonizar o corrupto gaullista como salvador da República. Desta vez, ficará no Eliseu o mesmo Emmanuel Macron que, como ministro da economia do PS, também contribuiu para o caldo de frustração e violência social em que a Frente Nacional tem crescido sempre. A extrema-direita é o inimigo de estimação deste centrismo que renasce sempre à direita. Macron é rosto novo de política velha e a esquerda faz bem em marcar toda a sua distância.
 
Os críticos de Mélenchon sabem, como toda a gente sabe, que ele mobilizará contra Le Pen na segunda volta. Mas preferem pintá-lo como um egocêntrico irresponsável e inventar-lhe uma absurda equidistância face a Macron e Le Pen. Todo este ataque mostra que a verdadeira indignação de muitos destes críticos é outra: o PS entrou na campanha desfeito pela sua própria governação e os resultados mostram o eclipse do partido de Mitterrand. Como se isso não bastasse, a campanha de Mélenchon afirmou uma esquerda popular e combativa, cujos resultados desequilibram o jogo viciado entre centrismo merkeliano e extrema-direita xenófoba.
 
Na reconfiguração da política francesa, a esquerda que conta é a esquerda radical. Hoje, o "mau perder" é de quem já se tinha rendido.

Sobre o/a autor(a)

Deputado e dirigente do Bloco de Esquerda. Jornalista.
Comentários (1)