A Câmara Municipal de Barcelos deu com os burros nas Águas

porMiguel Martins

28 de fevereiro 2023 - 22:39
PARTILHAR

Os partidos do poder representam “farinha do mesmo saco”, sempre prontos para salvaguardar os interesses privados, mesmo que seja à custa da manutenção de um contrato ruinoso para o concelho e os seus habitantes.

Para quem não conhece, a expressão “dar com os burros na água” significa falhar. Por ocasião da aprovação, em reunião de Câmara, do mais recente “Contrato de Concessão da Exploração e Gestão dos Serviços Públicos Municipais de Abastecimento de Água e Saneamento do Concelho de Barcelos” com a empresa Águas de Barcelos, na passada sexta-feira, dia 17 de fevereiro, vemos bem que o Executivo camarário de PSD, BTF e CDS, com o voto favorável do vereador independente Alexandre Maciel, falhou para com as e os barcelenses.

A aprovação da concessão do serviço de água e saneamento no concelho de Barcelos já não surpreende ninguém. Tanto o PSD de Mário Constantino (partido responsável, em 2004, pelo início da concessão de água e saneamento pelo prazo de 30 anos, aquando da governação de Fernando Reis e com Mário Constantino vereador no Executivo), como o CDS sempre disseram ao que vinham. Já o BTF, entre os malabarismos a que nos tem habituado para continuar no poder, vem confirmar (caso ainda restassem dúvidas) qual o seu posicionamento ideológico: junto à direita. É a política do “qualquer coisa serve” para estar no poder.

E qual o papel do PS em todo este processo? Em 2009, vencem as eleições autárquicas e conquistam a Câmara, com a promessa da remunicipalização no cerne da campanha. No entanto, esta promessa, vazia e enganosa, não foi cumprida durante os 12 anos em que o PS e Miguel Costa Gomes estiveram no poder. No final de contas, e mesmo que na última reunião de Câmara os vereadores do PS tenham votado contra a proposta de renovação de concessão, foram 12 anos em que o PS fez de conta ser contra a privatização.

Os partidos do poder representam “farinha do mesmo saco”, sempre prontos para salvaguardar os interesses privados, mesmo que seja à custa da manutenção de um contrato ruinoso para o concelho e os seus habitantes. Para estas forças políticas, a defesa da população não é o fundamental – pelo contrário, importante é garantir os lucros dos privados.

Sobre os detalhes da manutenção da concessão do serviço de água e saneamento em Barcelos, destaque para o prolongamento do prazo em mais 20 anos. Por mais 20 anos, ou seja, até 2054, um serviço essencial que devia ser assumido pelo Município continuará nas mãos de privados, que enriquecem à custa das e dos barcelenses. Acresce ainda que, além dos 18 milhões de euros que a empresa responsável pela gestão do serviço receberá do Município sob forma de indemnização, veremos qual será o impacto da privatização no preço médio da fatura que as e os barcelenses recebem ao fim do mês.

A solução para toda esta situação passaria pela remunicipalização do serviço de abastecimento de água, há muito reivindicada pelo Bloco de Esquerda. Um serviço essencial para a vida de cada um e cada uma de nós, deve ser público e não estar ao serviço do lucro de privados.

Com o desenrolar de toda este caso, fica claro que as e os barcelenses não podem contar com a coligação de direita nem com o PS para assumir um posicionamento sensato e corajoso, que garanta o bem comum e o benefício de Barcelos e da sua população. Dominados pelos interesses privados e pela sede pelo poder a qualquer custo, assumem medidas que prejudicam o concelho e os seus habitantes. A manutenção deste contrato ruinoso é exemplo disso mesmo – confirma-se que até 2054 as e os barcelenses estarão a financiar privados por um serviço essencial e básico à vida humana que jamais devia ser entregue à gestão privada. E assim lá vamos andando.

Artigo publicado no jornal Barcelos Popular a 23 de fevereiro de 2023.

Sobre o/a autor(a)

Miguel Martins

Sociólogo. Mestrando em Geografia na Universidade do Minho. Deputado municipal do Bloco de Esquerda em Barcelos
Termos relacionados: