You are here

Pesquisar

Artigos dossier | 9 de June

No início dos anos 1970, quando o barril de "ouro negro" valia menos de 2 dólares, ninguém iria imaginar que um presidente americano se encontraria um dia na situação de ser obrigado a implorar ao rei da Arábia Saudita por um aumento da produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), com o objectivo de forçar uma redução dos preços. O Ocidente, no entanto, chegou a esse ponto.
Artigo de Jean-Michel Bezat, publicado no jornal Le Monde em 20 de Maio de 2008

Artigos dossier | 9 de June

Para o economista norte-americano, colunista do New York Times, a alta do preço do petróleo explica-se porque houve um crescimento do produto mundial bruto, que não foi acompanhado pela produção petrolífera, que estagnou. Publicamos em seguida a tradução de duas colunas publicadas no diário norte-americano.

Por Paul Krugman, do New York Times

Artigos dossier | 9 de June

O ministro argelino de Energia e actual presidente da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), Chakib Khelil, disse que "o mercado petrolífero está louco". Para este responsável, a OPEP nada pode fazer para baixar os preços do petróleo, já que a alta se deve a tensões geopolíticas, à desvalorização do dólar e à especulação, e não à falta de oferta.

Artigos dossier | 9 de June

Para o prémio Nobel da economia, embora existam outros factores envolvidos no aumento de preço do petróleo, a guerra do Iraque é claramente um factor importante. Stiglitz lembra que antes da guerra, já considerando a crescente procura de energia da Índia e da China, os mercados de futuros projectavam que o preço do petróleo se manteria em torno de 23 dólares por barril. Foi a guerra - e a volatilidade que tem causado - juntamente com a queda do dólar devida às baixas taxas de juro e ao enorme défice comercial, a responsável por grande parte da diferença que se verifica.

Entrevista de Nathan Gardels, The Huffington Post

Artigos dossier | 9 de June

Para este economista e jornalista americano, especialista na questão energética, nenhuma crise de oferta justifica o nível de preços praticados actualmente. Neste artigo, ele sustenta que pelo menos 60% do preço do petróleo vem da especulação dos mercados de futuros, orquestrada pelos fundos especulativos, pelos bancos e grupos financeiros. Engdahl considera ainda que a teoria do "pico do petróleo" - o argumento de que a produção do petróleo atingiu o ponto em que mais da metade das reservas foi utilizada - é um embuste que ajuda a especulação.
Por F. William Engdahl, AsiaTimesOnline