You are here

Pesquisar

Artigo | 25 de January

Aprovada a lei da autodeterminação de género, a questão que se coloca é o que aconteceu depois. Quais as dificuldades que as pessoas trans têm encontrado? Na prática, o que mudou? Como é que estas pessoas vêem a sua identidade e as suas escolhas respeitadas? Em que medida em que a autodeterminação esbarra na determinação alheia? Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigo | 9 de December

O conflito não passa para segundo plano, porque é inerente ao eixo central da acção, mas o leitor perde-se nas vidas das personagens, montadas enquanto gente, não enquanto engrenagem da narrativa. As feridas que as décadas foram largando pelos anos vão aparecendo aos poucos, atando as pontas, construindo uma constelação em cada personagem. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 30 de November

No decorrer do Estado Novo, foram censuradas 21 obras de 9 autoras portuguesas. Salta à vista o número reduzido e a variedade de percursos destas obras, que têm ainda valores literários muito diferentes. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigo | 27 de November

O romance de estreia de James Baldwin chegou a Portugal em 2019, 65 anos depois de ter sido escrito. Esta é considerada a sua obra mais importante e surgiu após a publicação, também pela Alfaguara, de “Se esta rua falasse”. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 22 de November

"Algumas das passagens são francamente chocantes por imorais (...) Sou do parecer que se proíba a circulação no País do livro em referencia, enviando-se o mesmo à Polícia Judiciária para efeitos de instrução do processo-crime." Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 15 de November

"Minha Senhora de Mim (1971) compõe-se de 59 poemas. Neles, a autora usa a forma poética das cantigas de amigo medievais, usando a literatura canónica – e, portanto, a tradição literária – para desafiar um status quo." Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigo | 14 de November

O grande trunfo do romance será a exploração de uma vida quase marginal, com personagens convincentes, pese embora a tentativa de universalização da criança pela ocultação de género e de nome (“M.”). Tudo pesado, o que sobrevive após a leitura são as partes acutilantes e comoventes. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 8 de November

"É uma peça nitidamente marxista, sem ponta por onde se lhe pegue: se fizesse cortes seria da primeira à última linha. Por isso reprovo.", pode ler-se num parecer da PIDE. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 1 de November

"As relações dialógicas são constantes na obra de Fiama: se em O Testamento vimos que vida e peça se confundem, dialogando, em Quem move as árvores há um paralelismo temporal com alcance no passado, entre a época da monarquia e o Estado Novo. Em nenhum dos casos o povo escolhe, o poder é imposto." Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 25 de October

"Auto da Família, consiste numa versão ou visão desprimorosa e desrespeitosa do Natal de Cristo, apresentando Maria e José como dois criminosos que, depois de terem morto, para os comerem, a vaca e a mula do presépio, abandonam o filho à porta do lavrador, proprietário da estrebaria onde os deixara alojar." Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigo | 19 de October

O esquerda.net entrevistou Geovani Martins, autor carioca, a propósito do seu livro de contos “O sol na cabeça”, recentemente publicado em Portugal. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 18 de October

O tom absurdista da peça dificulta a sua análise, na medida em que, para além de não haver grandes relações dialógicas até nos próprios diálogos, se torna difícil descortinar as intenções da autora. No entanto, são mostrados dois grupos numa relação conflitual, em que um está submisso ao outro, recebendo acriticamente as suas instruções, viabilizando acontecimentos que servem os interesses do segundo. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigo | 17 de October

O Esquerda.net falou com Mário Lúcio Sousa, cantautor, pintor, poeta, romancista, ex-ministro da Cultura de Cabo Verde, a respeito do seu último livro publicado em Portugal, “O diabo foi meu padeiro”. A entrevista focou-se no campo de concentração do Tarrafal, onde se passam as ações do romance. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigo | 4 de October

O seu carácter (quase) documental em nada sonega o interesse e a importância de uma magistral construção literária. A literatura faz, assim, o que só ela pode fazer: dá a alguém, através de um livro, um murro no estômago, e de inquietude. Um romance corpóreo e contundente. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigo | 29 de September

Podia ser muito fácil, de uma janela de uma favela do Rio de Janeiro, cair no exotismo ou no pântano interior. Mas não. Daquela janela carioca, vê-se o mundo. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 27 de September

"Trata-se do desenvolvimento em estilo de 'paródia' de assunto histórico, com não poucas pinceladas pornográficas, à maneira de 'Natália Correia', com alusões ao povo português ou a figuras históricas com expressões de chacota e uma clara intenção de ridicularizar", pode ler-se no relatório da PIDE. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 13 de September

Nesta peça, Natália Correia denunciou os poderes da Igreja e a relação estabelecida entre esta e o Estado, assim como o comércio religioso. Ao mesmo tempo, o povo tem consciência do seu poder colectivo. O Estado Novo não gostou. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 6 de September

"Como a função destes Serviços não é de índole literária não cabe aqui a apreciação do valor literário desta obra que me parece nulo. Todavia há que assinalar as suas intenções e expressões que considero muito más.", pode ler-se no parecer da PIDE. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 30 de August

O Homúnculo contaria com a rápida censura, sendo de imediato apreendida, e, pasme-se, com a admiração de Salazar. No cenário, a autora denuncia ainda os pactos implícitos e explícitos entre os vários poderes que estruturavam a ditadura salazarista. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Artigos dossier | 23 de August

As orelhas da capa do livro faziam propaganda a dois livros proibidos. Assim, a PIDE proibiu também a circulação deste romance. Por Ana Bárbara Pedrosa.

Pages