You are here

Opinião

29 May, 2022

Arrancaram na ilha de São Miguel, Açores, as filmagens para uma série de uma conhecida plataforma de streaming, líder do mercado. Será que alguém na equipa pensou que o pior tipo de abordagem que se pode ter numa situação destas é aprofundar e propagar o estigma?

29 May, 2022

Há graves problemas nos transportes da cidade. Nenhum deles é a existência de poucos carros. Há carros a mais na cidade de Lisboa. Nenhuma solução passa por menos ciclovias. Nenhuma.

28 May, 2022

Com o sacrifício dos salários e do investimento estruturante, ressoam no debate orçamental ecos de outros tempos.

28 May, 2022

No mundo cripto não há contratos que sejam legalmente obrigatórios e controlados e as entidades emissoras e os seus fundamentos financeiros estão ocultados no nevoeiro da plataforma.

27 May, 2022

A luta pela igualdade de género não pode desembocar na procura da padronização dos corpos e dos comportamentos humanos pelo referencial masculino para evitar o preconceito e a discriminação.

26 May, 2022

Se há momento evidente em que os números de infecções com covid não só não são exactos, como estão muitíssimo abaixo da realidade, é este.

26 May, 2022

Adalberto Campos Fernandes criticou a falta de investimento para a generalização das USF e a inexistência de autonomia nas instituições do SNS. Diz o ex-ministro que só não fez o que agora diz que tem de ser feito porque não tinha condições para isso.

25 May, 2022

Embora não pague nem queira pagar salários que atraiam médicos de família, a ministra permitiu deste modo a ideia de que a confiança entre o médico e a utente pode ser substituída por prémios avulsos aos profissionais pelas decisões que cabem às mulheres.

25 May, 2022

O cenário da conversa é, digamos, uma loja de uma grande cadeia de vestuário. Três trabalhadores discutem sobre qual a hora a que devem entrar ao trabalho: aquela que está assente nos seus horários e contratos ― a de abertura da loja ― ou aquela a que todos, realmente, entram.

24 May, 2022

A ideia de que só alguns membros da sociedade com práticas alternativas às heterossexuais estavam sujeitos às demais doenças e vírus mortíferos, está ultrapassada. Mas, temos que lidar com atos e afirmações estruturalmente discriminatórias, mesmo vivendo em 2022.

Pages