You are here

José Soeiro

Dirigente do Bloco de Esquerda, sociólogo.

Artigos do Autor(a)

2020/02/19 - 9:58pm

Nenhuma lealdade ou afeto justificam gestos censórios e a proibição de livros. A discussão de ideias é o que nos mantém vivos, para lá de qualquer sepultura.

2020/02/04 - 3:58pm

Portugal é um dos países onde esta “economia de plataformas” mais tem crescido e sem qualquer regulação capaz de proteger as pessoas. Férias, folgas, subsídio de desemprego são coisa que não lhes assistem. Será este o “futuro do trabalho” que querem impingir-nos?

2020/01/27 - 1:48pm

Já quase tudo foi dito e ainda assim vale a pena insistir. O caso de Cláudia Simões obriga-nos a olhar de frente para muitos problemas graves por resolver no nosso país.

2020/01/21 - 9:41pm

Mário Moutinho, o ator do Porto de quem falo, não tem carta de condução – mas é a sua figura que nos guia por um espetáculo em que cada história tem muito mais que a sua biografia.

2020/01/12 - 9:35pm

Chenglong Li veio para Portugal através do esquema mafioso – mas legal – dos vistos Gold. Foi ele quem comprou o nº 100 da Rua Alexandre Braga, no Porto, junto ao Bolhão. Sobre o caso já aqui escrevi, mas vale a pena lembrar o essencial.

2020/01/05 - 5:09pm

Em cada inverno, voltam as notícias sobre as pessoas que, em Portugal, morrem literalmente de frio. Segundo os últimos números do Instituto Nacional Ricardo Jorge, são cerca de 400 as mortes anuais, no nosso país, devidas ao frio.

2019/12/29 - 1:33pm

No que aos cuidadores diz respeito, está quase tudo por definir. A verba é curta e não se sabe a que medidas se destina.

2019/12/16 - 4:57pm

Com a exceção das escolas, poucos são os serviços públicos onde este trabalho não foi ainda externalizado para empresas de segurança.

2019/12/08 - 11:21pm

Portugal, um pequeno país com posições decentes contra a ocupação israelita, teve uma oportunidade de mostrar a sua grandeza. O que exibiu foi sobretudo siêncio — e os servis apertos de mão com os criminosos.

2019/12/02 - 11:25am

A ideia de que é inevitável trabalharmos sempre mais é historicamente desmentida, economicamente contestável e socialmente regressiva.

Pages