You are here

Uma resposta de esquerda à inflação

Dar prioridade à proteção dos salários, limitar as margens de lucro excessivas e tributar lucros extraordinários são medidas que deviam integrar a política orçamental. Mas também é preciso um mecanismo de controlo de preços, a começar pela energia e distribuição alimentar.

No relatório sobre a resposta necessária ao aumento da inflação, o Bloco de Esquerda defende medidas concretas e que podiam ser tomadas desde já se houvesse vontade política do Governo, à semelhança do que já fazem outros países europeus e no resto do mundo.

Algumas das medidas propostas inserem-se na política orçamental que o Parlamento agora discute e que o Governo rejeita por considerar a inflação um fenómeno "transitório", a começar pela atualização de salários face ao aumento da inflação. Enquanto isso, as pessoas continuarão a perder poder de compra e algumas empresas de setores monopolistas continuarão a obter faturações recorde às custas de quem trabalha e não tem como fugir à inflação.

Para o Bloco, estas deviam ser as prioridades da política orçamental no próximo período:

  • Garantir que os salários nominais sobem, pelo menos, em linha com a inflação e a produtividade, de forma a garantir a manutenção do poder de compra das pessoas e a parte dos salários na distribuição da riqueza;
  • Limitar as margens de lucro nos setores onde as empresas pressionam a subida dos preços para além da componente importada da inflação (recorde-se que, no início da pandemia, o Governo limitou as margens de lucro na comercialização de máscaras e gel desinfetante);
  • Tributar os lucros extraordinários das grandes empresas, tal como recomendado até por instituições internacionais como a OCDE ou o FMI, para impedir que as empresas internalizem os benefícios da inflação e financiar as medidas de resposta;
  • Promover o investimento público na transição energética, em três eixos essenciais: reforço da produção de energias renováveis (para reduzir o peso das energias de fonte fóssil no mix energético), promoção da eficiência energética dos edifícios (reduzindo o consumo de combustíveis fósseis, maioritariamente importados e a dependência externa do país) e aposta nos transportes públicos, aumentando a cobertura e reduzindo os custos de acesso para as pessoas;
  • Reduzir o IVA da energia para 6%;
  • Introduzir mecanismos de controlo de preços de bens essenciais.

Controlar preços para controlar a inflação

Outro elemento possível e desejável de uma resposta de esquerda à inflação deverá consistir no controlo dos preços de alguns tipos de bens e serviços através da imposição de preços máximos, taxas de variação máxima ou margens de exploração máxima para certos produtos ou serviços. Isto nada tem de especialmente original. Por um lado, muitos preços na economia já são objeto de controlo administrativo (atualização anual das rendas da habitação ou dos preços de alguns produtos energéticos). Por outro lado, são vários os países que estão já a aplicar este tipo de medida em resposta ao contexto de inflação atual.

As justificações do controlo de preços em contexto de inflação são diversas. Por um lado, visa garantir que certos bens e serviços especialmente importantes na estrutura de consumo das famílias não se tornam economicamente inacessíveis para muitas dessas famílias. Em segundo lugar, no caso dos bens como a energia, que determina os custos da produção de outros bens, o controlo de preços evita que o seu aumento gere ainda mais inflação. Em terceiro lugar, previne a possibilidade de as empresas com maior poder oligopolístico tirarem partido do contexto inflacionista para aumentarem extraordinariamente as suas margens.

Controlar preços e margens de lucro excessivas contribui para a eficiência da economia

No atual contexto português, estas justificações aplicam-se com especial premência a dois setores: o fornecimento de energia e a distribuição alimentar. Tanto um como o outro ocupam um lugar especialmente importante na estrutura de despesa das famílias portuguesas, especialmente as de menores rendimentos. E tanto um como o outro são dominados por um número reduzido de empresas oligopolísticas, que têm aumentado significativamente as suas margens neste contexto.

Alguns economistas argumentam habitualmente que os controlos de preços impedem o sistema de preços de refletir adequadamente as condições da oferta e da procura, gerando ineficiência. Isso não é verdade: se aplicados de forma judiciosa e inteligente, os controlos de preços em contexto inflacionista promovem não só a equidade (protegendo as famílias de menores rendimentos e atenuando os efeitos distributivos regressivos que vimos anteriormente neste relatório), mas também a eficiência, na medida em que contrariam o poder oligopolístico das empresas que controlam os mercados da distribuição alimentar e energética, cujos aumentos extraordinários de margens constituem, esses sim, fatores geradores de ineficiência.


Fonte: Bruegel (2022)

Como é visível na Figura anterior, vários países europeus (Bélgica, Bulgária, República Checa, Hungria, Lituânia, Polónia, Espanha e Reino Unido) colocaram já em prática mecanismos de controlo do preço final no comércio a retalho de produtos energéticos. Para além disso, vários outros países (Bulgária, França, Alemanha, Espanha, Itália, Roménia e Espanha) têm vindo a aplicar diversos tipos de impostos sobre os lucros extraordinários associados ao contexto inflacionista (“windfall taxes”), os quais constituem uma forma adicional de contrariar as distorções associadas ao poder de mercado das empresas oligopolísticas que controlam estes mercados.

A par da atualização salarial em linha com a inflação, a imposição de controlos de preços em mercados oligopolísticos especialmente sensíveis e a tributação dos lucros extraordinários indevidos constituem um pacote adequado de resposta de esquerda à inflação. Permitirão proteger as famílias de menores rendimentos, conter a espiral inflacionista e evitar uma redistribuição regressiva do rendimento. Ao invés da posição timorata e favorável ao capital que teve até agora, o governo português deve juntar-se ao grupo dos países europeus mais ativos nestes domínios, protegendo as famílias que trabalham e as pequenas empresas face à atual conjuntura, ao mesmo tempo que avança no sentido da transição energética.

(...)

Neste dossier:

Respostas da esquerda ao aumento da inflação

No momento em que a inflação bate recordes das últimas décadas e o Governo se recusa a atualizar salários para evitar a perda do poder de compra, divulgamos aqui os conteúdos do relatório "Inflação: uma crítica de esquerda aos argumentos e medidas do Governo", apresentado pelo Bloco de Esquerda a 6 de maio de 2022.

Enquanto a luz aumenta, barragens continuarão a ter lucros excessivos

A alta de preços da eletricidade é potenciada pelo mercado elétrico europeu, desenhado para garantir a rentabilidade do setor energético privatizado e liberalizado. Mesmo com as correções negociadas pelo governo em Bruxelas, as barragens continuarão a beneficiar de lucros excessivos que o governo não quer tributar.

Hecatombe nos salários: mais pobreza, mais concentração da riqueza

Em Portugal, os trabalhadores perderam salário em 2021 e 2022. E mesmo o aumento do salário mínimo em 6% não compensa o aumento de preços dos bens essenciais. Por efeito da inflação, o salário vai acabar mais cedo em cada mês e a parte dos salários na distribuição da riqueza nacional vai diminuir.

Inflação em recorde de trinta anos

Em abril, a taxa de inflação atingiu os 7,2%, o valor mais alto em trinta anos. É preciso recuar a 1993 para encontrar um mês em que a subida dos preços tenha sido tão acentuada.

Uma resposta de esquerda à inflação

Dar prioridade à proteção dos salários, limitar as margens de lucro excessivas e tributar lucros extraordinários são medidas que deviam integrar a política orçamental. Mas também é preciso um mecanismo de controlo de preços, a começar pela energia e distribuição alimentar.

Aumentar salários alimenta inflação? Uma desculpa errada

Em resposta ao Bloco, António Costa recusou aumentos salariais sob o argumento de que "são consumidos pela inflação". O primeiro-ministro fala de uma "espiral que depois ninguém sabe como é que se controla”. Os patrões aplaudem, mas a ideia é errada.

Na origem do surto de inflação, a especulação com a energia

O aumento dos preços sentido desde o início de 2021 não resulta de maior procura por aumento do rendimento disponível dos trabalhadores (este aumento foi quase nulo na Europa). A origem da inflação está na especulação, que fez disparar os preços na produção e comercialização de combustíveis, bem como nos mercados de carbono.

Inflação nas empresas: a lei dos mais fortes

O aumento da inflação produz efeitos diferentes. Para os grandes grupos que dominam setores como a energia e a distribuição de bens essenciais, ela é uma oportunidade para aumentar lucros. Em 2021, a remuneração dos gestores das maiores empresas cotadas aumentou 47%, em média.

Bancos centrais e taxa de juro: o caso da inflação financeira

A crise financeira de 2008 revelou como o critério da inflação pode ser enganador para aferir o sobreaquecimento da economia. O período que antecedeu a crise, com baixa inflação e baixos juros, foi também marcado pela acumulação de dívida financeira assente em ativos altamente inflacionados.