You are here

Beatriz Realinho

Licenciada em Ciência Política e Relações Internacionais. Ativista política e das causas LGBTQIAP+, ambientais e feministas. Autora do podcast “2 Feministas 1 Patriarcado”

Artigos do Autor(a)

2023/01/23 - 4:02pm

Três dos locais onde o Governo está com ideias de encerrar os serviços de maternidade são em territórios da Beira Interior: Guarda, Castelo Branco e Covilhã. Ora, ao longo dos últimos anos temos vindo a assistir àquilo que é um divórcio entre serviços públicos e interior.

2022/12/22 - 10:17pm

Chegando ao fim deste ano marcado pelas eleições legislativas e a catástrofe dos incêndios que nos levaram boa parte dos nossos territórios, como foi o caso da Serra da Estrela, seria importante refletir estas nossas lutas e de como as levamos connosco na viragem do ano.

2022/11/24 - 4:38pm

Mais um 25 de novembro e mais uma vez iremos sair às ruas em forma de luta e resistência. Quando pensamos neste dia lembramo-nos daquelas que são as múltiplas violências das quais as mulheres passam e sofrem todos os dias.

2022/10/12 - 11:12am

A última Marcha do Orgulho deste ano aconteceu em Viseu com a 5ª Marcha pelos Direitos LGBTQIAP+, e, por isso mesmo, é importante relembrar a importância de esta mesma luta.

2022/09/22 - 12:01pm

A luta por um ensino democrático, descolonizado, livre de machismo, assédio e homofobia onde todas, todos e todes se sintam bem-vindes passa por um combate à praxe tal como a conhecemos, pela criação de espaços alternativos que façam frente ao capitalismo e ao fascismo.

2022/08/05 - 7:34am

O debate sobre os 50 anos do 25 de Abril e daquilo que ele representa hoje é bastante importante. Abril fez-se e faz-se para combater o conservadorismo que teima em querer calar-nos e levar-nos para outros tempos.

2022/07/12 - 10:32pm

Seja vindo da Polónia ou dos EUA, também em Portugal os ventos do retrocesso se começam a fazer sentir naquilo que toca aos direitos, principalmente quando falamos do aborto.

2022/06/04 - 1:17pm

Marchamos porque a luta e a liberdade são de todas as cores, porque ser hétero não tem que ser uma norma, e por um interior que se pinte de todas as cores e onde crianças e jovens possam existir na sua forma mais livre e real.

2022/05/03 - 8:22am

A luta feminista tem que ser assumidamente anticapitalista, pois o capital continua a recusar-se a sacrificar o bem-estar da maioria elitista para lutar por aquelas que se encontram mais vulneráveis.

2022/03/27 - 11:15am

Quando falamos das exigências temos também que falar sobre aquilo que desejamos ver no Interior. Para tal, é preciso deixar de olhar para este como um sítio onde “vale tudo”, onde a ideia da “Mineração Verde” parece vender, quando na verdade a temos que desconstruir.

Pages