You are here

A empresa CTT propõe aumentos salariais de 13 cêntimos por dia

Queremos aumentos de salários justos, parar com a precariedade, o outsourcing e o assédio moral aos trabalhadores! O governo PS em 6 anos não fez qualquer avanço no controle da empresa por parte do Estado.

Sem qualquer preocupação com qualidade de serviço, a empresa CTT conseguiu concessão, por parte do governo PS, do serviço postal por mais 7 anos, através de “ajuste directo” do Serviço Postal Universal, permitindo a continuação da brutal degradação do serviço postal.

Parar com a precariedade, o outsourcing e o assédio moral aos trabalhadores !

No aumento de trabalho realizado por outsourcing com diminuição da qualidade de serviço prestado, a empresa CTT sai sem qualquer penalização.

O assédio a trabalhadores e trabalhadoras com “condicionalismos” ou em idade superior a 62 anos é crescente.

Empresa propõe aumentos salariais de 13 cêntimos/dia

Nas negociações salariais e de carreiras profissionais, as propostas que estão em cima da mesa são um verdadeiro atentado à dignidade dos trabalhadores, pois a proposta apresentada foi de 4€/mês - 0,13€/dia, enquanto só no 1.º semestre/2021 os lucros da empresa foram de 17,2 milhões de euros.

Sem atualização salarial e com a degradação das condições de trabalho e sem retorno dos direitos retirados pela troika e pelo governo PSD/CDS, os trabalhadores são confrontados com um aumento do custo de vida e das suas despesas pessoais por se encontrarem em teletrabalho.

Só com luta poderemos alcançar algo

A nossa luta tem de continuar, por aumentos salariais justos e dignos, por carreiras profissionais que nos valorizem, pela contratação de mais trabalhadores com direitos e pela “renacionalização dos CTT”, entre outras revindicações.

A empresa CTT tem de respeitar os trabalhadores e os seus utentes, as pessoas. É preciso o regresso da empresa CTT ao controlo do Estado. Os seus trabalhadores e trabalhadoras exigem a nacionalização da empresa CTT.

Sobre o/a autor(a)

Membro da Comissão de Trabalhadores dos CTT
(...)