You are here

O mundo enfrenta uma pandemia de abusos dos direitos humanos em virtude da Covid-19

O vírus foi usado como pretexto em muitos países para esmagar o dissenso, criminalizar liberdades e silenciar a informação. Artigo de António Guterres.
António Guterres.
António Guterres. Foto Jean-Marc Ferré/ONU Genebra/Flickr

Desde o início da pandemia Covid-19, há quase um ano, ficou claro que nosso mundo enfrentava muito mais do que uma emergência de saúde pública. A maior crise internacional em várias gerações, rapidamente se transformou numa crise económica e social. Um ano depois, outro facto gritante se torna tragicamente evidente: o nosso mundo enfrenta uma pandemia de violações dos direitos humanos.

A Covid-19 aprofundou divisões, vulnerabilidades e desigualdades preexistentes e abriu novas fraturas, incluindo falhas nos direitos humanos. A pandemia revelou a interdependência da nossa família humana - e de todo o espectro dos direitos humanos: civis, culturais, econômicos, políticos e sociais. Quando qualquer um desses direitos está sob ataque, os outros correm perigo.

O vírus prosperou porque a pobreza, a discriminação, a destruição de nosso ambiente natural e outras falhas nos direitos humanos criaram enormes fragilidades nas nossas sociedades. As vidas de centenas de milhões de famílias ficaram viradas do avesso - com empregos perdidos, dívidas esmagadoras e quedas acentuadas nos rendimentos.

Trabalhadores da linha de frente, pessoas com deficiência, idosos, mulheres, meninas e minorias foram especialmente atingidos. Em questão de meses, o progresso na igualdade de género retrocedeu décadas. A maioria dos trabalhadores essenciais da linha de frente são mulheres e, em muitos países, frequentemente de grupos marginalizados racial e etnicamente.

A maior parte do crescimento da carga de cuidados em casa é assumido pelas mulheres. A violência contra mulheres e meninas em todas as suas formas disparou, desde o abuso online até a violência doméstica, tráfico, exploração sexual e casamento infantil.

O vírus prosperou porque a pobreza, a discriminação, a destruição do nosso ambiente natural e outras falhas nos direitos humanos criaram enormes fragilidades nas nossas sociedades. A pobreza extrema vem aumentando pela primeira vez em décadas. Os jovens sofrem dificuldades, muitos fora da escola e com acesso limitado à tecnologia.

O mais recente ultraje moral é o fracasso em garantir equidade nos esforços de vacinação. Apenas 10 países administraram mais de 75% de todas as vacinas Covid-19. Enquanto isso, mais de 130 países não receberam uma única dose.

Se se permitir que o vírus se propague como um incêndio pelo sul global, sofrerá mutações inúmeras vezes. Novas variantes poder-se-ão tornar mais transmissíveis, mais mortais e potencialmente ameaçar a eficácia dos diagnósticos e das vacinas atuais. Isso poderia prolongar a pandemia significativamente, permitindo que o vírus voltasse para assolar o norte global - e atrasar a recuperação económica mundial.

O vírus está também a infetar os direitos civis e políticos e a reduzir cada vez mais a esfera pública. Por vezes, o acesso às informações que salvam vidas da Covid-19 foi ocultado, enquanto a desinformação mortal foi ampliada - mesmo por aqueles que estão no poder.

Extremistas - incluindo supremacistas brancos e neonazistas - exploraram a pandemia para aumentar as suas fileiras por via da polarização social e da manipulação política e cultural.

A pandemia também tornou os esforços de paz mais difíceis, restringindo a capacidade de conduzir negociações, exacerbando as necessidades humanitárias e minando o progresso noutros desafios de direitos humanos relacionados ao conflito.

A Covid-19 reforçou duas verdades fundamentais sobre direitos humanos. Primeiro, as violações dos direitos humanos prejudicam-nos a todos. Em segundo lugar, os direitos humanos são universais e protegem-nos a todos.

Uma resposta eficaz à pandemia deve ser baseada na solidariedade e na cooperação. Abordagens divisionistas, autoritarismo e nacionalismo não fazem sentido contra uma ameaça global. Com a pandemia a expor claramente os direitos humanos, a recuperação oferece-nos uma oportunidade para impulsionar a transformação. Para ser bem sucedida, as nossas abordagens devem ter a lente dos direitos humanos.

Os objetivos do desenvolvimento sustentável - que são sustentados pelos direitos humanos - fornecem a estrutura para economias e sociedades mais inclusivas e sustentáveis, incluindo o imperativo da saúde para toda a gente.

A recuperação também deve respeitar os direitos das gerações futuras, reforçando a ação climática para alcançar a neutralidade de carbono até 2050 e proteger a biodiversidade. O meu Apelo para Ação pelos Direitos Humanos descreve o papel central dos direitos humanos na resposta à crise, na igualdade de gênero, na participação pública, na justiça climática e no desenvolvimento sustentável.

Este não é um momento para negligenciar os direitos humanos; é um momento em que, mais do que nunca, os direitos humanos são necessários para navegar por esta crise de forma a permitir atingir o objetivo de alcançar o desenvolvimento inclusivo e sustentável e uma paz duradoura.

Estamos todos juntos nisto. O vírus ameaça todos. Os direitos humanos erguem-nos a todos. Respeitando os direitos humanos neste tempo de crise, construiremos soluções mais eficazes e equitativas para a emergência de hoje e a recuperação de amanhã.

Estou convencido de que é possível - se formos determinados e trabalharmos juntos.


António Guterres é Secretário-Geral das Nações Unidas. Publicado originalmente no The Guardian, a 22 de Fevereiro de 2021. Tradução esquerda.net

política: 
Vacinas para todos
(...)

Neste dossier:

Quantas vidas vale o negócio das vacinas?

A vacina contra a covid-19 lançou uma grande esperança na luta global contra a pandemia. Mas essa esperança parece agora defraudada pelo modelo de resposta escolhido, marcado pela escassez de vacinas, falta de transparência e decisões incompreensíveis.

Marisa Matias.

"Europa comete um tremendo erro ao atrasar vacinação por não ter coragem de quebrar as patentes"

Em entrevista ao esquerda.net, a eurodeputada Marisa Matias aborda a falta de transparência do processo de decisão europeu sobre as vacinas, a que assistiu enquanto coordenadora da respetiva comissão no Parlamento Europeu. E diz que o Covax, a iniciativa da OMS para levar a vacina a todo o mundo, se arrisca a ser uma "caixa dos restos" se continuar a ser boicotado.

O acesso a vacinas é um Direito Universal. A Humanidade exige medidas urgentes

Situações como a que vivemos, de catástrofe, levaram a que a legislação sobre propriedade industrial, desde há mais de cem anos, preveja figuras jurídicas como a licença obrigatória em casos em que esteja em causa o interesse público e seja de importância para a Saúde Pública. Artigo de José Aranda da Silva.

vacinas

Vacinas: “Sucesso científico e falência moral”!

No momento em que nos encontramos, a escassez de vacinas representa uma coisa só: violência sobre os países mais pobres. O Canadá já comprou, antecipadamente, doses de vacinas que chegarão para vacinar 5 vezes a sua população, enquanto a Nigéria ainda não viu sequer uma dose. Artigo de Bruno Maia.

comprimido sobre dólar

A propriedade intelectual farmacêutica e a sua ameaça para a saúde pública

A evolução das leis internacionais de propriedade intelectual, especialmente as relacionadas com patentes, são responsáveis pela perda progressiva das salvaguardas que em tempos garantiram uma aliança mutuamente benéfica entre a indústria farmacêutica e a sociedade. Artigo de Jorge Luis Díaz e Álvaro Arador.

astrazeneca

AstraZeneca, os países pobres pagam o dobro

Os primeiros acordos firmados pela empresa nos países em desenvolvimento revelam que também o compromisso com o preço das vacinas também é papel rasgado. Pior ainda: o desconto só vale para os países ricos. Artigo de Andrea Capocci.

vacina

Dinheiros públicos, vacinas privadas: as razões da produção a conta-gotas

Hoje, a Comissão encontra-se na humilhante posição de mendigar as vacinas encomendadas junto das empresas que financiou. Os cidadãos pagaram mas não mandam, num negócio em que se misturam fanatismo liberal, captura das instituições e incompetência pura. Por José Gusmão, Moisés Ferreira e Bruno Maia.

Diplomacia da vacina: como alguns países usam a COVID para aumentar o seu soft power

A pandemia COVID-19 deu origem a vários termos novos, reaproveitados ou recentemente popularizados. A mais recente entrada no vocabulário pandémico pode ser a “diplomacia da vacina”, com alguns países a usarem as suas doses para fortalecer os laços regionais e aumentar o seu próprio poder e status global. Artigo de Michael Jennings

vacina

Vacina Covid: quando as patentes só empatam

A atribuição a empresas privadas de direitos exclusivos sobre as vacinas para a covid-19, apesar de todo o financiamento e garantias públicas que viabilizaram o seu desenvolvimento, está a atrasar dramaticamente o ritmo de vacinação. Por José Gusmão.

António Guterres.

O mundo enfrenta uma pandemia de abusos dos direitos humanos em virtude da Covid-19

O vírus foi usado como pretexto em muitos países para esmagar o dissenso, criminalizar liberdades e silenciar a informação. Artigo de António Guterres.

Passaporte de vacinação: liberdade ou desigualdade?

A proposta de criação de um passaporte digital de vacinação da COVID-19 foi anunciada pela Comissão Europeia. Esta medida é discriminatória, perigosa, duvidosa cientificamente e desvia o foco que o esforço global deve ter. Por Nuno Veludo.

vacina UE

Vacinas, atrasos e patentes: a bolsa ou a vida?

Como vem sendo alertado pela OMS há meses, o que temos entre mãos é um problema de produção das farmacêuticas e não um problema logístico do nosso Estado. Mas quem nos pôs, enquanto comunidade, na mão das farmacêuticas?