You are here

EUA: presidenciais de alta tensão num país em crise

Os EUA vão a votos num cenário de crise generalizada. As presidenciais acontecem após as mobilizações massivas contra a violência policial racista e com os números da covid-19 a baterem recordes mundiais. O voto não presencial será um campo de batalha. Trump ameaça não reconhecer a derrota. Dossier organizado por Carlos Carujo.

As próximas eleições norte-americanas não são apenas mais umas eleições. Não só porque, por mais que o resultado fosse dado como certo, nenhumas presidenciais na super-potência o serão e porque estas em particular, sendo disputadas, podem ter efeitos em importantes escolhas de política internacional, decidindo sobre as tonalidades do protecionismo económico ou do intervencionismo político-militar dos EUA. Mas sobretudo porque acontecem numa encruzilhada de crises sem precedentes e num clima de alta tensão.

Algumas destas crises estão a maturar há algum tempo. Nos EUA, a crise ambiental causa já fenómenos extremos e desastres de dimensão sem paralelo: secas, ondas de calor, cheias, incêndios. Apesar do fracking ter sido tema de campanha, terá sido a crise ambiental terá sido a grande ausente desta eleições.

A crise de legitimidade e de funcionamento de um sistema político que nos é explicado por Jorge Martins também não é de hoje. O seu bipartidarismo anquilosado alimenta-se diretamente do dinheiro dos mais ricos nas campanhas como nos mostra Richard Briffault e está estruturalmente construído desde o início com intuitos classistas como avança Lance Selfa. Ao mesmo tempo, a direita deste sistema esforça-se denodadamente por afastar os mais pobres até do direito de votar. Sobre isso escreve Michel Gevers.

Num país altamente desigual e com a ausência de um Estado Social como o conhecemos (ainda) na Europa ocidental, a crise social era também já uma realidade gritante. Assim como a violência policial estrutural e a discriminação racista sistemática de que Francisco Louçã nos traça a história. Foi jogando com esse racismo e com o medo, aliás, que Trump conseguiu vencer a eleição de 2016 e é ele que continua a ser um dos seus trunfos em 2020, defende Sylvie Laurent.

Mas também há circunstâncias absolutamente excecionais que envolvem estas eleições, a começar pela resposta a este racismo dada pela revolta do Black Lives Matter 2.0 que as precedeu e que irrompeu pelo próprio período de campanha. Do outro lado do espetro político, a agressividade da extrema-direita armada também se reforça. Alicia Garza, uma das co-fundadoras do Black Lives Matter conta-nos o que é ser ameaçado pelas milícias e analisa-as.

Igualmente absolutamente excecional e determinante para o desfecho eleitoral é a crise sanitária provocada pandemia da covid-19. Trump geriu desastrosamente o surto, desvalorizou-o e mentiu. E a sua administração revelou uma incompetência desmesurada. A prioridade não eram as vidas mas “a economia”. Agora, é também com a defesa de manter a economia aberta que tenta minimizar perdas, insistindo que ele o irá fazer e apresentar uma vacina a curtíssimo prazo, ao passo que o seu rival iria fechar a economia e atrasar a vacina, uma história contada por Carlos Carujo.

Outro facto absolutamente excecional é a existência de um presidente em funções que ameaça não aceitar a derrota eleitoral e manter-se no poder através de um golpe eleitoral: podendo ter maioria na contagem de votos presenciais, o que é provável porque a sua base de apoio desconfia, desconfiança para a qual ele foi uma peça central, dos votos antecipados e por correspondência, tentaria declarar-se vencedor e procuraria anular o máximo de votos não presenciais por serem tardios ou não cumprirem certos requisitos. Anne E. Deysine detalha os vários cenários que se poderão seguir a uma noite eleitoral complicada. E também Jorge Martins perspetiva resultados eleitorais e suas consequências.

Neste dossier, apresentamos ainda o perfil de Joe Biden que Branko Marcetic revela como um político neoliberal, que fez a sua carreira através de acordos permanentes com o “outro lado da barricada” e que, face a estes, muitas vezes foi “mais papista que o Papa”.

Damos ainda palavra à esquerda norte-americana através de uma entrevista de Miguel Heleno ao sociólogo Michael Burawoy e das análises de Ashley Smith, Dan La Botz e Micah Uetricht que argumentam as suas posições diferentes sobre o que fazer nas eleições e qual o futuro da esquerda no país.

Comentários (1)

Neste dossier:

EUA: presidenciais de alta tensão num país em crise

Os EUA vão a votos num cenário de crise generalizada. As presidenciais acontecem após as mobilizações massivas contra a violência policial racista e com os números da covid-19 a baterem recordes mundiais. O voto não presencial será um campo de batalha. Trump ameaça não reconhecer a derrota. Dossier organizado por Carlos Carujo.

Cartaz a exigir justiça. Foto do Facebook do DSA de Nova Iorque.

O que significará o resultado das presidenciais para a esquerda americana?

Para Micah Uetricht a esquerda norte-americana renasceu nos últimos quatro anos. A sua principal tarefa é ir concorrendo a várias eleições e incorporar-se nos sindicatos. O desafio é “construir um movimento que possa ganhar o tipo de políticas substantivas de esquerda que nenhum dos partidos tem para oferecer”.

Projeção de protesto num edifício do governo na Virgínia. Foto de Backbone Campaign/Flickr.

EUA: nas vésperas das eleições, incertezas, tensões crescentes, fraqueza da esquerda

Trump foi incapaz de gerir a covid, milhões de americanos vivem da assistência alimentar, muitos à beira do despejo. Crise climática e Black Lives Matter não podem ser esquecidos num país em que a esquerda continua “muito pequena para ter uma influência significativa”. Artigo de Dan La Botz.

Bandeira americana numa vedação de arame farpado. Foto de Glen Zazove/Flickr.

Pandemia, polarização e resistência nos Estados Unidos

Nesta entrevista, Ashley Smith fala sobre a gestão trumpista da pandemia e a situação económica, o estado dos movimentos sociais, a campanha de Sanders e a posição da esquerda sobre Biden.

Michael Burawoy

Michael Burawoy: “Se Trump tentar sabotar a eleição, teremos uma enorme crise institucional”

A poucos dias das eleições norte-americanas, entrevistámos Michael Burawoy, uma das maiores referências da sociologia marxista mundial. Entrevista de Miguel Heleno.

Joe Biden foto de Phil Roeder/Flickr.

Joe Biden é um desastre que está à espera de acontecer

Assim que Biden anunciou a sua candidatura, Branko Marcetic descreveu o seu historial. Desde a sua oposição às medidas de transporte escolar que permitiram a integração racial, às políticas de encarceração de massa, às posições económicas neoliberais, entre outras que o aproximam dos republicanos.

Marcha das Mulheres 2020. Foto de Mobilus In Mobili/Flickr.

EUA: a importância particular deste ato eleitoral

O balanço de uma presidência reacionária e narcisista e as perspetivas de resultado para as eleições presidenciais, para o Senado e Câmara dos Representantes são analisados neste artigo por Jorge Martins.

Pormenor de um cartaz contra Trump. Foto de Thomas Cizauskas/Flickr.

Cenários pós-eleitorais: pode Trump agarrar-se ao poder?

Enquanto as sondagens mostram uma clara possibilidade de derrota, o presidente norte-americano dá todos os sinais de que não a aceitará. A especialista Anne E. Deysine traça os vários cenários do imbróglio político-jurídico em que se podem tornar estas eleições.

Memorial às vítimas da covid-19 em Washington. Foto de Phil Roeder/Flickr.

Covid USA

Enquanto a Covid-19 se revela uma tragédia sem paralelo no país, Trump continua a sua farsa de muito mau gosto. A sua gestão da pandemia é uma história de mentiras, insensibilidade e incompetência. Por Carlos Carujo.

Alicia Garza

“Não sou a primeira nem serei a última a aparecer numa lista de um supremacista branco”

Alicia Garza, co-fundadora do Black Lives Matter, falou com a jornalista Amy Goodman sobre o papel das milícias da extrema-direita nos distúrbios durante os protestos contra a violência policial racista, e do conforto que lhes é dado pelo atual presidente dos EUA.

Chapéu com o slogan eleitoral de Trump. Foto de Marco Verch Professional Photographer/Flickr.

“Muitos americanos brancos gostam de ouvir dizer que são espoliados”

Nesta entrevista, a historiadora Sylvie Laurent olha para a popularidade de Trump como enraizada na história profunda dos EUA e no “medo de despossessão” e no sentimento de ressentimento da classe média branca que este soube explorar.

Memphis, 1968. A Guarda Nacional bloqueia uma rua enquanto os manifestantes negros trazem um cartaz a dizer "eu sou um homem". Foto de bswise/Flickr.

Os primórdios do racismo na política norte-americana

A revolução americana foi um dos processos fundadores do que se tem chamado a democracia liberal mas nem todos os seres humanos eram iguais no novo país. Uma parte das pessoas foram reduzidas a mercadoria. Francisco Louçã mostra-nos a história deste racismo constitutivo dos EUA.

Mural contra a manipulação de fronteiras eleitorais. Foto de chucka_nc/Flickr.

Eleições nos EUA: sufrágio verdadeiramente universal?

Em 2013, o Supremo Tribunal de maioria conservadora revoga o Voting Rights Act que impedia os estados de modificar regras eleitorais sem acordo federal. Regressa a “supressão de votos” que atinge desigualmente comunidades racializadas e pobres. A ela se junta a manipulação das fronteiras eleitorais. Por Michel Gevers.

Pintura numa fábrica abandonada. Thomas Hawk/Flickr.

Os Estados Unidos estão a enfrentar uma crise de democracia?

A Constituição dos “pais fundadores” propunha um sistema que institucionalizava o papel dos ricos para controlar as paixões da "ralé". Lance Selfa mostra como esse medo do povo originou várias caraterísticas do sistema político dos EUA e como as lutas sociais expandiram direitos.

Os dois principais partidos dos EUA estão dependentes do dinheiro dos grandes capitalistas do seu país. Ilustração de  Butter My Parsnips/Flickr.

EUA: Recorde de gastos na campanha, sobretudo doações de super-ricos

11 mil milhões de dólares terão sido gastos nas eleições norte-americanas de 2020. Mas o problema não é apenas a quantidade de dinheiro. É de onde ele vem, defende Richard Briffault.

Constituição dos EUA. Foto Pikrepo.

O essencial sobre o sistema político dos EUA

O Federalismo, a separação de poderes, o bicameralismo, o presidencialismo, o colégio eleitoral, o papel do poder judicial e do Supremo Tribunal e os “podres” do sistema, neste artigo, Jorge Martins, descodifica a principais peças da política norte-americana.