Ana Drago

Ana Drago

Dirigente do Bloco de Esquerda, socióloga.

Socióloga. Membro da comissão política do Bloco de Esquerda. Deputada na legislatura de 2002-2005, no regime de rotatividade, foi eleita em 2005 e reeleita em 2009. Renunciou ao mandato de deputada, por razões pessoais, a partir de 31 de agosto de 2013.

Um dos temas mais importantes tratados esta semana foi o debate sobre a nova e “penalizadora” lei das rendas, apresentada pelo Governo. No debate com o Primeiro-ministro, a discussão centrou-se nos números avassaladores do desemprego e nos prejuízos com o BPN.

O Governo desmonta a Iniciativa Novas Oportunidades sem criar nenhuma alternativa para educação e formação de adultos. O Bloco vai apresentar um projeto à AR que determine que o ministério da Educação assegure o financiamento de 129 centros até Agosto deste ano.

Um primeiro-ministro que aconselha os cidadãos do seu país a emigrar reconhece, de forma bastante explícita, que não faz ideia de como governar o país.

Processo de recrutamento de professores contratados transformou-se num processo vergonhoso. Despacho que define os apoios de acção social escolar é ilegal e desrespeita a legislação aprovada pela AR.

Depois de milhares de aposentações nos últimos anos, a regra seguida na Educação é que entra um professor por cada 36 que saem.

Vieram de novo, aos milhares, de todos os pontos do país. Voltaram a encher as ruas de Lisboa com a sua luta, e a sua perseverança na defesa de um modelo democrático da escola pública. Dizendo "categoria só há uma - professor e mais nenhuma". Nem mais.

A experiência governativa do Partido Socialista, da sua maioria absoluta aproxima-se do fim. Dentro de poucos meses, os portugueses farão a avaliação dessa prática governativa.

Mas em poucas áreas de governação a experiência se mostrou tão desastrosa e tão desastrada como na área da Educação. E porque o Partido Socialista sabe disso lança mão de todos os expedientes e recursos para maquilhar os seus falhanços e intimidar os seus críticos.

Apesar dos percalços, sossegue-se o Partido Socialista - a máquina governamental de propaganda está bem e recomenda-se. Com a abertura do novo ano escolar - na Educação - fez prova de vida: desde meados de Agosto que cada medida foi anunciada, encenada, inaugurada pelo menos 4 vezes; nas últimas semanas Primeiro-ministro, Ministro e secretários de Estado de todos os tamanhos têm sido chamados à grande campanha de salvação da Ministra da Educação.

Nos dias que correm, vezes nos lembramos da sensação de declínio americano que se desprendia da fraca figura do recém-eleito George W. Bush, antes do impacto mundial do 11 de Setembro de 2001.

José Sócrates foi ao Parlamento debater a sua reforma da Segurança Social. Fez bem. Este é hoje um dos debates a que a sociedade portuguesa não deve, ou, melhor dizendo, não pode fugir.