You are here

Trumponomics: uma política de classe

Pela retórica truculenta, Trump tornou-se ídolo da extrema-direita. Os ataques a minorias, negacionismo climático e ultra-conservadorismo tornaram-se mainstream. Com o arsenal do reacionarismo, o presidente norte-americano criou o mito de ser contra o sistema. Mas representa apenas o poder retocado do velho sistema económico.
Donald Trump. Setembro de 2016. Nova Iorque.
Donald Trump. Setembro de 2016. Nova Iorque. Foto de Michael Vadon/Flickr.

Trump é o multi-milionário ao serviço dos multi-milionários que fala grosseiramente ao americano comum como se defendesse os seus interesses. A sua política económica é um cocktail de protecionismo e apoio descarado às grandes fortunas. Vão nesse sentido o corte de impostos, o desmantelamento das regulamentações bancárias que foram implementadas na sequência da crise financeira de 2008 e a tentativa de desmantelar o Obamacare em favor dos seguros de saúde.

Para compreender o que significa aquilo que foi chamado a “trumponomics”, a política económica do presidente norte-americano, é preciso começar por nos afastarmos dos seus habituais auto-elogios. A economia dos EUA continua em alta mas a maior parte dos indicadores positivos, desemprego em baixa, rendimento a subir e inflação baixa, já vinham trás. Apesar do momento económico não medir necessariamente o peso das políticas implementadas, Trump perde em toda a linha na comparação com Obama: o crescimento do PIB era 7,5% na legislatura anterior passou a ser 7.2%; a criação de emprego era de 5,3% desceu para 4,3%; a dívida era 10,5 passou a 15,1%.

O elemento central da sua política económica interna é a reforma fiscal de dezembro de 2017 com a qual baixou os impostos das empresas de 35% para 21% e beneficiou as grandes fortunas. Consequências destas medidas: a desigualdade aumentou com a diminuição do papel redistributivo dos impostos e o déficit e a dívida pública aumentaram. 84% dos benefícios do corte de impostos foram parar aos bolsos das empresas ou de indivíduos com um rendimento superior a 75 mil dólares. E, afinal, ao contrário do que sempre assegura a ortodoxia liberal, o aumento dos lucros das empresas não pingou para o resto da economia: foi em grande medida investido na recompra das ações das próprias empresas e no aumento de dividendos para os acionistas. Assim, a desigualdade nos Estados Unidos estava, em setembro do ano passado, no seu nível mais elevado em 50 anos. Em contraponto direto, as 500 maiores empresas do país estavam a pagar a taxa mais baixa de impostos em 40 anos, de acordo com a CBS News. Se, em média, no período entre 2008 e 2015 tinham pago 21,2%, em 2018 pagaram apenas 11,3%. E os seis maiores bancos pouparam mais de 32 mil milhões de dólares apenas em dois anos.

Por outro lado, o défice e a dívida pública aumentam, colocando em causa os investimentos em serviços públicos. O défice foi de 799 mil milhões de dólares em 2018 e de 984 mil milhões em 2019. Se a média deste nos 50 anos anteriores era 1,5% do PIB, em 2019 foi de 4,6%, com previsões de aumento. A dívida pública também aumenta. Segundo os número do Departamento Orçamental do Congresso passará de 10,1 triliões em 2018 para 11,7 triliões em 2027.

Num país sem serviço nacional de saúde, a desproteção social é outra das consequências da política de Trump em benefício das seguradoras. O objetivo de Trump era acabar com o Obamacare, o limitado plano de saúde pública do anterior presidente, aumentando imediatamente em 20 milhões o número de norte-americanos sem cobertura. Só que nunca conseguiu uma maioria para o fazer. Tratou então de torpedear o programa, por exemplo, cortando 90% dos fundos para a publicitação dos períodos de inscrição e limitando-o a metade do tempo. E foi eficaz na diminuição de cobertura pública de saúde que empurra pessoas para os seguros de saúde privados.

Segundo as projeções do Departamento de Orçamento do Congresso dos EUA de maio de 2019, a política de Trump aumentou em 2,5 milhões o número da norte-americanos não idosos que não estavam cobertos por seguros de saúde. Cortaram-se dois triliões de dólares em cuidados de saúde, sobretudo no Medicaid, destinado aos mais pobres. Entre 2016 e 2018, o número de pessoas sem cobertura de seguro de saúde aumentou 1,9 milhões. E se nada mudar na política de saúde até 2029 adicionar-se-ão mais cinco milhões de pessoas a este número cruel.

Por sua vez, a política externa de Trump assenta nas supostas virtudes do protecionismo contra a globalização. Este deveria colocar a “América Primeiro”, seduzindo assim alguma fatia da classe trabalhadora que sonhava com uma nova idade de ouro das fábricas nos setores empobrecidos. O que não aconteceu.

A lógica da substituição de tratados já estabelecidos pela negociação caso a caso com base em chantagens localizadas e guerras tarifárias acabou por aumentar o custos dos bens intermediários, utilizados para produzir outros e que têm de ser importados, e aumentar o preço em vários tipos de importações e exportações. O imperialismo económico casuístico fez com que, no interior dos EUA, houvesse quem ganhasse e quem perdesse. Um jogo em que a burguesia nacional se dividiu. A produção agrícola, nomeadamente a soja e o milho, viram-se afetadas tendo necessitado de 12 mil milhões de ajudas em 2018 e 14,5 mil milhões a partir de maio de 2019 e mais 16 mil milhões em julho.

No computo geral, o objetivo de reduzir o deficit comercial teve resultados inversos. Este era de 552 mil milhões em 2017, representando um aumento de 10%, passou a 622 em 2018, representando um aumento de 13%. O peso das guerras tarifárias, ainda segundo o Departamento Orçamental do Congresso, estimado em agosto de 2019, vai reduzir o PIB em 0,3%, o rendimento real das famílias em cerca de 1%, encarecendo os bens de consumo, aumentando a incerteza económica.

Do lado dos vencedores promovidos por Trump estão também as indústrias ligadas aos combustíveis fósseis. Negacionista das alterações climáticas, o presidente norte-americano saiu do Acordo de Paris que implicava compromissos com a redução de emissões com gazes de estufa com a desculpa que era mau para os negócios nacionais. Está empenhado na promoção das indústrias ligadas aos combustíveis verdes em detrimento do capitalismo verde.

Outra das suas políticas económicas é a desregulação dos mercados financeiros. As regras aplicadas depois da última crise financeira eram consideradas “uma força muito negativa” que Trump se empenhou em eliminar, beneficiando a especulação.

(...)

Resto dossier

Manifestação anti-fascista em Londres. Dezembro de 2018.

Extrema-direita e liberalismo, a nova receita do sistema

A nova vaga de partidos de extrema-direita tem aspeto e política económica diferentes das anteriores. Agora, grande parte, é descomplexadamente liberal no seu programa, servindo dessa forma os interesses dos mais poderosos economicamente. Como o prova o Chega em Portugal. Dossier organizado por Carlos Carujo.

André Ventura junto com Pedro Passos Coelho na campanha eleitoral que o irá eleger como vereador do PSD em Loures. Foto de Nuno Fox/Lusa.

Só de liberalismo é que não Chega

O partido com mais sucesso da extrema-direita nacional pretende passar por partido de protesto. Mas em questões económicas é totalmente alinhado com os interesses dominantes. O seu programa levaria à destruição da escola pública, ao fim do Serviço Nacional de Saúde e do princípio de que quem ganha mais, paga mais impostos.

Cartaz anti-extrema-direita numa manifestação em Londres. Julho de 2018.

Atlas imperfeito da extrema-direita na Europa

Assume faces diferentes mas sempre reconhecíveis, escolhe inimigos diferentes mas sempre nos mais fracos, faz discursos diferentes mas sempre promovendo o ódio. A extrema-direita que juravam há pouco tempo ser coisa do passado e não ter lugar na Europa, chegou em força e governa vários países. Conheça alguns dos movimentos.

Capa da brochura A extrema-direita no governo.

A extrema-direita no governo

Há um casamento de conveniência entre nacionalismo e neoliberalismo e os novos autoritarismos fazem perigar a democracia. É o que defendem Stefanie Ehmsen e Albert Scharenberg em “A extrema-direita no governo: seis casos por toda a Europa” da Fundação Rosa Luxemburgo. Trazemos a introdução de um texto que pode ser lido aqui.

Marilena Chauí por Patrícia Araújo. Foto de Outras Palavras

O que é a “nova” ultradireita?

A nova ultradireita submete a nação aos poderes globais apesar da sua retórica. O seu totalitarismo já não se inscreve na lógica do Estado mas sim na da Mercadoria, da Empresa, da Meritocracia, do Investidor. Esta é a tese da filósofa brasileira Marilena Chauí.

Manifestação anti-fascista em Itália.

O Autoritarismo Pós-liberal

Neste artigo, Fernando Rosas explica-nos que a história não se repete, mostrando as diferenças dos novos autoritarismos de caráter liberal dos velhos fascismos e lembrando a urgência do combate contra estes fenómenos.

Cartaz na caravana contra as multinacionais, uma iniciativa dos sindicatos da Colômbia em julho de 2014.

Liberalismo e neoliberalismo

“O liberalismo é o outro nome da utopia capitalista, ou seja, da distopia capitalista para os subalternos”. Publicamos aqui em conjunto duas entradas, uma sobre liberalismo e outra sobre neoliberalismo, elaboradas pelo economista João Rodrigues para o Alice Dictionary do CES da Universidade de Coimbra.

A União Europeia, as políticas sociais, e os fundamentos: de Hayek para Salazar, até aos liberais autoritários

Neste artigo trato brevemente da relação entre a crise estrutural e as ameaças recentes contra o Estado Social e, em particular, da forma como diversas correntes do liberalismo moderno, incluindo Hayek ou os ordoliberais, abordaram a questão da relação entre a democracia e o funcionamento do Estado. Por Francisco Louçã.

Jaime Pastor.

Direitas radicais, neoliberalismo e pós-democracia

Neste artigo de 2018, Jaime Pastor sublinha a captura pela extrema-direita da agenda política. Para além de serem pseudo-outsiders, de mobilizarem o ódio contra migrantes e refugiados, de apostarem na guerra cultural ultra-conservadora, têm em comum serem coniventes ou fervorosos adeptos do neoliberalismo.

Ruy Braga.

“A bolso-economia está destinada ao fracasso”

Para além do sexismo, racismo, homofobia e autoritarismo, Bolsonaro é também nome de uma reforma da Segurança Social que corta direitos e aumenta o tempo de descontos, de uma política

de cortes nos gastos públicos, privatizações, precariedade e desemprego. É o que nos explica o sociólogo Ruy Braga nesta entrevista.

Donald Trump. Setembro de 2016. Nova Iorque.

Trumponomics: uma política de classe

Pela retórica truculenta, Trump tornou-se ídolo da extrema-direita. Os ataques a minorias, negacionismo climático e ultra-conservadorismo tornaram-se mainstream. Com o arsenal do reacionarismo, o presidente norte-americano criou o mito de ser contra o sistema. Mas representa apenas o poder retocado do velho sistema económico.

Manifestante contra Salvini. Dezembro de 2019. Itália.

Salvini: falhanço económico e impunidade política

As contradições sobre nacionalismo, Europa e corrupção parecem não afetar o líder da extrema-direita italiana. A má prestação económica do governo em que participou também não. O facto de ter prescindido de políticas centrais ainda menos. Conseguirão as “sardinhas” acabar com o estado de impunidade permanente de Salvini?

Santiago Abascal, líder do Vox.

Radiografia do Vox, o novo partido da extrema-direita espanhola

O Vox emergiu em dezembro de 2018 nas eleições andaluzas e parece ter assegurada a entrada no parlamento com as eleições legislativas do próximo fim de semana. Radiografia de um partido militarista, racista, clerical, pró-imperialista, anti-feminista e neoliberal. Por Daniel Pereyra/Viento Sur.