You are here

Salvini: falhanço económico e impunidade política

As contradições sobre nacionalismo, Europa e corrupção parecem não afetar o líder da extrema-direita italiana. A má prestação económica do governo em que participou também não. O facto de ter prescindido de políticas centrais ainda menos. Conseguirão as “sardinhas” acabar com o estado de impunidade permanente de Salvini?
Manifestante contra Salvini. Dezembro de 2019. Itália.
Manifestante contra Salvini. Dezembro de 2019. Itália. Fonte: 6000 Sardines.

Se a impunidade é uma das características da nova extrema-direita, Salvini é o seu exemplo acabado. Mobiliza atacando fortemente mas os contra-ataques que lhe são feitos parecem não o atingir. Pseudo-nacionalista, ainda recentemente queria romper com Itália em nome da independência da imaginária Padânia. Arauto anti-corrupção, quando os casos de corrupção lhe batem à porta do seu partido sai aparentemente incólume. Populista que tudo promete economicamente, quando o governo que co-liderava falha em providenciar consegue não ser responsabilizado. Tudo resvala, nada parece colar-se à pele do político fabricado cuidadosamente nas redes sociais e seguido por um exército de fanáticos.

Num escândalo que seria mortal para a quase totalidade dos políticos tradicionais, um dos dirigentes de topo do partido de Salvini, Gianluca Savoini, é apanhado numa gravação a negociar um contrato de petróleo em que o dinheiro russo serviria para financiamento pela porta traseira da Liga. Em 2018, Savoini viajou 14 vezes para a Rússia, facto que foi apagado do registo de transparência do partido. Salvini continua a vociferar contra a corrupção como se nada se tivesse passado.

Salvini também é paradigmático de outra coisa: o programa político ultra-liberal que é uma imagem de marca da nova extrema-direita. A isso iremos mais tarde.

Pré-história de uma Liga que vai perder o norte

A primeira vida da Liga Norte começa em 1991 enquanto fusão de várias forças regionalistas do norte da Itália. Umberto Bossi torna-se o seu líder. O projeto era ambicioso: tornar independente a “Padânia”, a zona a norte do rio Pó. O discurso era simplista: o norte do país carregava às costas, desde há séculos, um sul atrasado e ocioso; Roma constituía um poder centralista, burocrático e opressor que organizava o esbulho. Os impostos do norte não deviam pagar pois nem a malandragem do sul nem os políticos da capital.

O seu sucesso relativo leva a que, em 1994, consigam 17% nas eleições na zona da Lombardia, 8,7% no total do país. O partido chega ao governo com Berlusconi mas as duas partes nunca se vão encaixar verdadeiramente. Bossi rompe. Volta mais a tarde a juntar-se com Berlusconi. Durante anos, a Liga Norte parece ficar num impasse entre a retórica desmedida e a pequenez política da gestão governista.

O ciclo Bossi fecha-se em 2012. O impoluto político de direita é acusado de desviar dinheiro do partido para uso pessoal e cai em desgraça. O seu número dois, Roberto Maroni, assume em seguida a liderança. Nas eleições legislativas de 2013, a Liga Norte sofre uma queda eleitoral que a reduz a 4%. A eleição regional paralela que acontece na Lombardia vai em sinal oposto: Maroni é eleito presidente regional da região. Escolherá o cargo, abandonando a liderança do partido. É então que Salvini, um desconhecido conselheiro municipal de Milão e eurodeputado intermitente, entra definitivamente na cena política nacional.

Do “comunista” da Padânia ao político de laboratório das redes sociais

Matteo Salvini era militante do regionalismo/independentismo do norte desde jovem. Ironicamente, o homem forte da extrema-direita foi, em 1997, o cabeça de lista de uns obscuros “comunistas padanianos” na encenação feita pela Liga Norte quando esta tenta implementar um parlamento paralelo no sonhado caminho para a independência.

No ano seguinte é promovido na hierarquia local da Liga Norte em Milão e, no cargo autárquico que o começa a destacar, a sua intervenção é tudo menos comunista. Em nome da Liga Norte ataca ciganos e muçulmanos, promove o securitarismo. Sabia já bem o caminho que queria seguir. Em 2004 é eurodeputado por dois anos, antes de regressar ao grupo parlamentar do conselho municipal para o liderar. Em 2009 volta a ser eurodeputado.

Nas suas mãos, a Liga muda de agulhas: o vil poder de Roma passa a ser o de Bruxelas, os inúteis que sugam os impostos dos cidadãos honestos deixam de ser os seus compatriotas do sul para passarem a ser os estrangeiros ou os ciganos. Do nacionalismo da “Padânia” passa-se à soberania económica italiana sem nenhum embaraço. Cai assim o norte no nome do partido.

O novo campo político fica assumido. Começa a encontrar-se com Marine Le Pen, Geert Wilders e outros políticos da extrema-direita europeia. E, nas eleições europeias de 2014, marca simbolicamente esta viragem através da substituição da palavra Padânia pela palavra de ordem “Basta Euro” no logótipo do partido. Só que a cruzada anti-euro não consegue entusiasmar o eleitorado e os resultados não são brilhantes.

Podia ter sido o fim da carreira política só que era ainda o começo. O encontro com Luca Morisi é determinante na construção da persona política de Salvini. O mestre do spin e estratega das redes sociais revoluciona a comunicação pessoal e partidária fazendo do líder da extrema-direita o político italiano mais notório. A presença estudada ao mínimo detalhe e dependente de uma estrutura profissionalizada nas redes funciona. Da agressividade e “ironia” do tom às cuidadosamente trabalhadas imagens casuais da sua vida pessoal. A troco de selfies normaliza-se o seu discurso do ódio.

A extrema-direita no governo

Nas eleições de 2018, a Liga alcança 17,3% dos votos. O feito é ofuscado por aquele que parece ser o verdadeiro vencedor da noite eleitoral: Di Maio, à frente do populista Movimento Cinco Estrelas obtém 32%. O movimento fundado pelo cómico Beppe Grillo e que queria mudar todo o sistema político tornava-se o partido mais votado do país. Só que lhe faltava capacidade para gerar uma maioria de governo.

Cinco Estrelas e Liga chegam a acordo. E é o parceiro menor da coligação governamental que passa a ser visto como a força política determinante no país. Definitivamente, as Cinco Estrelas esmorecem depois disso e Matteo Salvini e a sua Liga tornam-se desta forma estrelas maiores na constelação da extrema-direita europeia.

Com sagacidade, Salvini ilude à partida o tema da economia, ocupando a pasta de ministro do Interior e refugiando-se na sua zona de conforto: a perseguição aos refugiados, o seu bode expiatório de estimação a par com os ciganos. E consegue eficazmente lançar o odioso dos maus resultados económicos do governo para o seu parceiro de coligação, agora em processo autofágico.

Se o imposto é chato a taxa deve ser única

No plano económico as políticas dos dois partidos não casavam. Se o Cinco Estrelas tinha como receita para mudar o país o rendimento básico incondicional, a Liga apostava todas as fichas na taxa única de impostos. A extrema-direita cola-se assim ao programa ultra-liberal. Da tentativa de explorar o sentimento de rejeição para com o pagamento de impostos, passa-se ao Santo Graal dos “novos” liberais para os quais “simplificar” os impostos implica acabar com a progressividade dos impostos, a política redistributiva segundo a qual quem ganha mais, paga mais. Para além do imposto de taxa única, a Liga defendia uma amnistia fiscal. Somadas as promessas eleitorais as despesas do Estado aumentariam, contabilizadas as propostas de redução de impostos as receitas reduzir-se-iam.

Ambas as partes aceitam, contudo, uma solução de governo que não é carne nem é peixe. O realismo político volta a imperar na Liga para lá das encenações. Sinais de que tudo se vende para esta extrema-direita: a Liga aceita a rejeição do presidente da República do eurocético Paolo Savona que deveria chefiar as finanças; o partido dos contribuintes participa de boa mente num governo que aumenta a carga fiscal; e também o desafio à Comissão Europeia pelo qual ambas as partes pugnavam se revela um vazio: no essencial aquilo que Bruxelas manda, o governo obedece. O orçamento seguiu as regras do déficit, investimento público limitado.

Bruxelas não gosta da proposta de Liga de reverter o aumento da idade da reforma, suspende-se. Bruxelas não gosta da proposta de abolir o Jobs Act de Renzi, que facilitou o despedimento sem justa causa, esquece-se. Bruxelas não gosta do rendimento básico incondicional, suspende-se e altera-se tanto que deixa de ser universal, parecendo-se mais com um rendimento mínimo garantido, deixa-de ser incondicional, já que está dependente da não recusa de mais de três ofertas de emprego e será utilizado um cartão para controlar em que é gasto para não ser mal gasto, e o montante prometido fica pela metade.

Euro e dar o dito por não dito

A tradição de incongruência da Liga, aliás, já vinha do tempo de Bossi que também criticava Bruxelas e votava a favor dos tratados de Maastricht ou de Lisboa. Salvini, esse, aproveita o cargo ministerial para endurecer a política migratória, perseguir as organizações que prestam ajuda humanitária aos refugiados, acusando-as de ajudar os traficantes de pessoas. Faz o mesmo com os ciganos anunciando que iria fazer um recenseamento específico a este grupo étnico de forma a deportar quem não estivesse em Itália legalmente. Declara então que “infelizmente” aqueles que sejam italianos não podem ser deportados. O primeiro-ministro rechaça a proposta mas o efeito estava criado.

Na economia, Salvini tem a capacidade singular de conseguir fazer esquecer o que antes definia como essencial e de escapar às contradições. A saída da moeda única é uma delas. Em 2013, Salvini gritava que o euro era “um crime contra a humanidade”. Chegado ao governo foi cúmplice do “crime”. Passou a afirmar não querer sair da União Europeia nem do euro.

Depois de bater com a porta do governo voltou ao espetáculo: “vou viver e morrer um homem livre, não um escravo de ninguém” afirmou, referindo-se à UE, e acrescentado “não queremos ir a Bruxelas de chapéu na mão”.

A gota de água que fez transbordar copo e as sardinhas que se mobilizam contra a extrema-direita

Se é bom de ver que o casamento de conveniência parecia à partida destinado a falhar e que cada parte do governo fazia pela vida, o executivo descarrilou definitivamente na discussão do comboio rápido. A proposta de linha TGV Lyon-Turin teve por um lado a Liga a apoiar por ser “bom para os negócios”, por outro o cinco estrelas a opor-se porque seria inútil, faria mal ao ambiente e propensa à corrupção. Salvini sonhava fazer cair o governo, levar o país imediatamente a eleições enquanto estava numa posição de força e governar finalmente sozinho.

O acordo de governo entre o Cinco Estrelas e o Partido Democrata frustrou a curto prazo o intento. Tal como as sardinhas, o movimento antifascista de base, ajudou a frustrar o segundo momento dessa ofensiva nas eleições regionais de Emilia-Romagna. Salvini pretendia ganhar o bastião histórico da esquerda para passar mensagem que o governo já não tinha legitimidade.

Perdeu. Mas continua, como sempre, à ofensiva. A mobilização popular do movimento das sardinhas é a grande incógnita. Poderão as sardinhas acabar com a persistente impunidade de Salvini?

(...)

Resto dossier

Manifestação anti-fascista em Londres. Dezembro de 2018.

Extrema-direita e liberalismo, a nova receita do sistema

A nova vaga de partidos de extrema-direita tem aspeto e política económica diferentes das anteriores. Agora, grande parte, é descomplexadamente liberal no seu programa, servindo dessa forma os interesses dos mais poderosos economicamente. Como o prova o Chega em Portugal. Dossier organizado por Carlos Carujo.

André Ventura junto com Pedro Passos Coelho na campanha eleitoral que o irá eleger como vereador do PSD em Loures. Foto de Nuno Fox/Lusa.

Só de liberalismo é que não Chega

O partido com mais sucesso da extrema-direita nacional pretende passar por partido de protesto. Mas em questões económicas é totalmente alinhado com os interesses dominantes. O seu programa levaria à destruição da escola pública, ao fim do Serviço Nacional de Saúde e do princípio de que quem ganha mais, paga mais impostos.

Cartaz anti-extrema-direita numa manifestação em Londres. Julho de 2018.

Atlas imperfeito da extrema-direita na Europa

Assume faces diferentes mas sempre reconhecíveis, escolhe inimigos diferentes mas sempre nos mais fracos, faz discursos diferentes mas sempre promovendo o ódio. A extrema-direita que juravam há pouco tempo ser coisa do passado e não ter lugar na Europa, chegou em força e governa vários países. Conheça alguns dos movimentos.

Capa da brochura A extrema-direita no governo.

A extrema-direita no governo

Há um casamento de conveniência entre nacionalismo e neoliberalismo e os novos autoritarismos fazem perigar a democracia. É o que defendem Stefanie Ehmsen e Albert Scharenberg em “A extrema-direita no governo: seis casos por toda a Europa” da Fundação Rosa Luxemburgo. Trazemos a introdução de um texto que pode ser lido aqui.

Marilena Chauí por Patrícia Araújo. Foto de Outras Palavras

O que é a “nova” ultradireita?

A nova ultradireita submete a nação aos poderes globais apesar da sua retórica. O seu totalitarismo já não se inscreve na lógica do Estado mas sim na da Mercadoria, da Empresa, da Meritocracia, do Investidor. Esta é a tese da filósofa brasileira Marilena Chauí.

Manifestação anti-fascista em Itália.

O Autoritarismo Pós-liberal

Neste artigo, Fernando Rosas explica-nos que a história não se repete, mostrando as diferenças dos novos autoritarismos de caráter liberal dos velhos fascismos e lembrando a urgência do combate contra estes fenómenos.

Cartaz na caravana contra as multinacionais, uma iniciativa dos sindicatos da Colômbia em julho de 2014.

Liberalismo e neoliberalismo

“O liberalismo é o outro nome da utopia capitalista, ou seja, da distopia capitalista para os subalternos”. Publicamos aqui em conjunto duas entradas, uma sobre liberalismo e outra sobre neoliberalismo, elaboradas pelo economista João Rodrigues para o Alice Dictionary do CES da Universidade de Coimbra.

A União Europeia, as políticas sociais, e os fundamentos: de Hayek para Salazar, até aos liberais autoritários

Neste artigo trato brevemente da relação entre a crise estrutural e as ameaças recentes contra o Estado Social e, em particular, da forma como diversas correntes do liberalismo moderno, incluindo Hayek ou os ordoliberais, abordaram a questão da relação entre a democracia e o funcionamento do Estado. Por Francisco Louçã.

Jaime Pastor.

Direitas radicais, neoliberalismo e pós-democracia

Neste artigo de 2018, Jaime Pastor sublinha a captura pela extrema-direita da agenda política. Para além de serem pseudo-outsiders, de mobilizarem o ódio contra migrantes e refugiados, de apostarem na guerra cultural ultra-conservadora, têm em comum serem coniventes ou fervorosos adeptos do neoliberalismo.

Ruy Braga.

“A bolso-economia está destinada ao fracasso”

Para além do sexismo, racismo, homofobia e autoritarismo, Bolsonaro é também nome de uma reforma da Segurança Social que corta direitos e aumenta o tempo de descontos, de uma política

de cortes nos gastos públicos, privatizações, precariedade e desemprego. É o que nos explica o sociólogo Ruy Braga nesta entrevista.

Donald Trump. Setembro de 2016. Nova Iorque.

Trumponomics: uma política de classe

Pela retórica truculenta, Trump tornou-se ídolo da extrema-direita. Os ataques a minorias, negacionismo climático e ultra-conservadorismo tornaram-se mainstream. Com o arsenal do reacionarismo, o presidente norte-americano criou o mito de ser contra o sistema. Mas representa apenas o poder retocado do velho sistema económico.

Manifestante contra Salvini. Dezembro de 2019. Itália.

Salvini: falhanço económico e impunidade política

As contradições sobre nacionalismo, Europa e corrupção parecem não afetar o líder da extrema-direita italiana. A má prestação económica do governo em que participou também não. O facto de ter prescindido de políticas centrais ainda menos. Conseguirão as “sardinhas” acabar com o estado de impunidade permanente de Salvini?

Santiago Abascal, líder do Vox.

Radiografia do Vox, o novo partido da extrema-direita espanhola

O Vox emergiu em dezembro de 2018 nas eleições andaluzas e parece ter assegurada a entrada no parlamento com as eleições legislativas do próximo fim de semana. Radiografia de um partido militarista, racista, clerical, pró-imperialista, anti-feminista e neoliberal. Por Daniel Pereyra/Viento Sur.