You are here

Manuais escolares gratuitos: mais um passo para a escola inclusiva

O acordo do Bloco com o PS na Câmara Municipal de Lisboa previu a atribuição de manuais escolares gratuitos aos alunos da capital. Esta medida abriu caminho para o alargamento a nível nacional, estendendo-se até ao 12.º ano e a todos os tipos de ensino: vocacional, artístico e profissional. Por Filipa Gonçalves e Ricardo Moreira.
Cartaz manuais escolares gratuitos

A importância desta medida

A maior importância desta medida prendeu-se com o facto de dotar as escolas com as ferramentas que, neste momento, entendem ser necessárias para a aprendizagem dos seus alunos - os manuais -, sem sobrecarregar financeiramente as famílias com essa obrigação.

Garantiu-se assim uma escola mais inclusiva, na qual todos têm acesso às mesmas ferramentas, independentemente de serem ou não abrangidas pela Ação Social Escolar. Com o sistema criado, conseguiu-se ainda mitigar um problema que existia e que se prendia com o facto de grande parte dos alunos apoiados terem de comprar esses manuais e só depois serem reembolsados. Era injusto e, para muitos, incomportável. A escola, em Lisboa, ficou este ano menos desigual.

Este foi um primeiro passo para garantir uma escolaridade realmente gratuita. A opção que fazemos enquanto sociedade de investir na Educação como um pilar de desenvolvimento não pode passar por externalizar os custos nas famílias. A garantia de que queremos investir na formação das novas gerações só existe se a escola for universal. Para ser universal, a Escola tem de ser gratuita. Foi nesse sentido que, para além dos manuais, os quais são já uma medida indiscutível, o acordo de Lisboa também previu a gratuitidade dos cadernos de atividades, faseadamente. Primeiro até ao 6º ano, depois 9º e, este ano letivo, até ao 12º.

Reutilizar

Em média, serão aproximadamente 200 os euros poupados ao orçamento familiar. O Bloco de Esquerda está assim a devolver rendimento às famílias, assegurando o financiamento do atual sistema de manuais através do sistema progressivo de impostos, em vez de exigir provas de pobreza aos alunos.

Não menos importante é o facto de esta medida ter enormes benefícios ambientais e económicos. A reutilização dos manuais permite uma poupança real de recursos e minimiza o desperdício. No entanto, para a reutilização ser maximizada, é necessário repensar e redesenhar os manuais até ao 4.º ano ou assumir o seu caráter específico excluindo-os da reutilização. Não podemos ter manuais em que se pede a alunos para cortar e depois exigir que no final do ano eles sejam devolvidos intactos. A reutilização requer um compromisso sério e este não pode passar pela culpabilização e penalização das famílias pelo uso devido do manual.

E, se é verdade que ainda falta fazer um grande caminho para um sistema de aprendizagem que consiga viver sem manuais, esse caminho não podia ser feito sem este primeiro passo, em que deixam de ser um peso no orçamento das famílias.

Há quem defenda que os alunos do ensino privado também deviam ser abrangidos por esta medida, mesmo quando há oferta pública no mesmo território. Esta medida abrange também os alunos das escolas com contrato de associação, já que são os que não têm oferta pública disponível e não podem ser penalizados pela ausência do Estado. Cremos que quem gere as escolas privadas é, naturalmente, livre de organizar bancos de livros para os seus alunos, assim como o Estado faz com os seus, mas a escola pública e gratuita é responsabilidade do Estado, financiada através dos impostos de todos, para todos os que a frequentam.

A medida não é perfeita, sabemos disso. É antes a medida que foi possível negociar e não aplicação direta das propostas do Bloco. Mantém-se intacto o negócio das editoras, apesar de menos leonino devido às políticas de reutilização dos manuais, e mantém-se um sistema de ensino altamente dependente dos manuais. Não é o fim, mas o início daquilo que se pretende que seja a escola inclusiva, gratuita e verdadeiramente universal.

(...)

Resto dossier

Lisboa: o que mudou com o Bloco na vereação

O acordo pós-eleitoral com o PS na Câmara de Lisboa permitiu ao Bloco ter pela primeira vez responsabilidades executivas na gestão da capital nas áreas da Educação e Direitos Sociais. O que foi feito e o que mudou na primeira metade deste mandato? Dossier organizado por Luís Branco e Rodrigo Rivera.

Políticas de saúde: Câmara e SNS já não estão de costas voltadas

Quando o Bloco chegou à CML deparou-se de imediato com um Plano de Saúde que havia sido feito pelas duas vereações antecedentes, durante 5 anos, mas que não estava aprovado nem em implementação. Por Nuno Veludo.

pré-escolar

Pré-escolar, dois anos de mandato

A escola pública precisa de todos. Porque é com todos que garante aquilo que colégio algum conseguirá: ser um pilar de uma sociedade coesa, inclusiva, em que as oportunidades não dependem única e exclusivamente de coisas fortuitas como a família em que se nasceu ou caraterísticas fisiológicas ou neurológicas. Por Rita Gorgulho e Mariana Avelãs.

autocarro da Carris

Mais transportes públicos e mais ambiente para melhorar a cidade

Uma cidade para ter futuro não pode desprezar a emergência climática em que vivemos. O sistema de transportes é determinante na qualidade de vida e ambiente de uma cidade. Lisboa tem de ser verde nas ações. Por Nuno Veludo e Ricardo Moreira.

A luta pela habitação em Lisboa

Na Câmara de Lisboa e na rua, o Bloco continuará a lutar para que sejam aplicados os vários instrumentos que a lei já consagra para garantir o direito à habitação como um pilar do direito à cidade e da dignidade. Por Fábio Salgado e Ana Júlia Filipe.

 

prédio

Novo Regulamento para o Alojamento Local

Apesar de não ser a proposta do Bloco de Esquerda, provámos mais uma vez que é possível chegar a acordo para garantir um Regulamento de Alojamento Local estabilizado e uma ferramenta indispensável para combater a grave crise na habitação que se vive em Lisboa. Por Ana Júlia Filipe.

Cartaz manuais escolares gratuitos

Manuais escolares gratuitos: mais um passo para a escola inclusiva

O acordo do Bloco com o PS na Câmara Municipal de Lisboa previu a atribuição de manuais escolares gratuitos aos alunos da capital. Esta medida abriu caminho para o alargamento a nível nacional, estendendo-se até ao 12.º ano e a todos os tipos de ensino: vocacional, artístico e profissional. Por Filipa Gonçalves e Ricardo Moreira.

 

Vegi

9 medidas para mudar a forma como as crianças comem nas escolas de Lisboa

Queremos dar a garantia às famílias lisboetas que as refeições da escola pública são as melhores refeições que os filhos podem ter. Por Ricardo Moreira e Rodrigo Rivera.

 

de mão dada

Construir políticas LGBTI coletivamente

Empenhamo-nos para que, a nível local, sejam criadas condições para garantir os direitos LGBTI mas também para desenvolvê-los. Por Ricardo Fuertes.

escadas rolantes

Direitos das pessoas migrantes e refugiadas - do papel à prática

Este ano será construído um novo Programa Municipal de Acolhimento de Refugiados,  com a participação das pessoas que já acolhemos e das associações que connosco trabalham, que nos permita dizer com franqueza que a integração é real. Por Joana Teixeira.

811 dias de resposta a quem vive na rua

Lisboa apresenta nesta área trabalho local, um percurso nacional e internacional onde a cidade já constitui um reconhecido modelo de boas práticas. Por Teresa Bispo.

banco de jardim

Cumprir os direitos sociais para um envelhecimento com dignidade

O apoio à população idosa de Lisboa é dificultado pela divisão de responsabilidades por várias instituições com agendas e ideologias próprias. A falta de recursos humanos e as burocracias tornam tudo mais lento. Mas muita coisa começou a mudar nos últimos dois anos. Por Nuno Veludo.

unidade móvel de consumo vigiado

Drogas: desbloquear avanços esperados nos últimos 20 anos

A implementação da primeira Sala de Consumo Assistido contou com o apoio de moradores, das associações locais, das Juntas de Freguesia e das forças de segurança. Esta implementação tranquila e participada foi já valorizada como boa prática pelo Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência. Por Ricardo Fuertes.

 

Manuel Grilo

“Investimento em habitação pública é a única forma de sair da crise em que Lisboa se encontra”

Nesta entrevista, o vereador bloquista Manuel Grilo faz o balanço do trabalho feito na primeira metade do mandato e fala das tensões com o PS no executivo, do plano para as novas creches que "está há mais de um ano na gaveta de Fernando Medina" e da sua apreensão com a falta de preparação dos socialistas quanto à transição de competências do Estado para a autarquia lisboeta nas escolas do 2º, 3º ciclo e secundário.