You are here

China: a Nova Rota da Seda aponta ao colapso climático

Em Davos como em Pequim, a finança sustenta a crise climática, garantindo os investimentos catastróficos do sistema capitalista fóssil.

No caso da China não existe sequer a ficção de que são elites separadas aquelas que dominam os estados, os bancos e as indústrias energéticas: fica tudo mais claro de perceber.

Geralmente, quando o assunto é alterações climáticas e China, já se espera um relambório para desculpar os Estados Unidos e a Europa das suas responsabilidades históricas e presentes em termos de emissões. Não é este o caso. Os Estados Unidos são o maior produtor de combustíveis fósseis do mundo e o maior obstáculo a uma política que trave o colapso climático, enquanto a União Europeia é uma plataforma de negócios que espelha o capitalismo mais pragmático – fazer dinheiro com renováveis enquanto continua a fazer dinheiro com fósseis, como se as primeiras anulassem as segundas.

Mas a China, na sua formulação mais avançada de capitalismo de Estado, é um importantíssimo obstáculo para uma política climática global que respeite os limites da ciência do clima. Não só a China é actualmente o maior emissor mundial de gases com efeito de estufa como promove uma agenda de investimento massivo em combustíveis fósseis, chamada A Nova Rota da Seda (Belt and Road Initiative, BRI). A prossecução deste plano aponta inequivocamente ao colapso climático.

A primeira questão a levantar é a razão da existência desta BRI. Além de ser um esforço para ocupar o espaço vazio crescentemente deixado livre pelos Estados Unidos no mundo (especialmente desde Trump), esta iniciativa responde principalmente à crise do capitalismo chinês. A elite económica chinesa, concentrada no Comité Central do Partido Comunista, percebeu o risco evidente de uma crise de sobreprodução e excessiva capacidade industrial, com crescimento massivo de capital e enorme quantidade de mão-de-obra, procurando, para contrariar este risco, lançar como resposta uma nova globalização, desta vez chinesa.

O BRI procura escoar os capitais, equipamentos e mão-de-obra excedentária para a construção de projectos energéticos, infraestruturas, portos e vias de comunicação para países mais pobres. De algum modo similar ao Plano Marshall, a China faz acordos com vários países, financia a construção de portos, aeroportos, autoestradas e caminhos de ferro, centrais energéticas (fósseis e renováveis), minas, terminais de contentores e envia os seus próprios trabalhadores e matérias-primas para executarem estas obras massivas e instalarem novos corredores comerciais: rotas marítimas e terrestres para escoar as suas exportações para os seus entrepostos comerciais e portos chineses em diferentes continentes. 

Seja qual for a retórica usada, o principal motivo para a BRI é externalizar a sobrecapacidade industrial chinesa, enviando-a para outros países, nomeadamente os principais países perdedores da globalização, nos quais não houve investimento para a integração no capitalismo global: no Sul, Centro e Sudeste Asiático, África e América Latina. Naturalmente que neste processo a China não só receberá os proveitos do seu investimento e fornecerá o financiamento para pagar às suas próprias empresas, como fortalecerá relações de clientelismo e abrirá rotas comerciais, escancarando mercados frágeis aos seus produtos. Retirando lições do colonialismo que subjugou a China à Europa, da globalização que subjugou o mundo ao Ocidente, e aplicando-lhe o modelo capitalista chinês, a democracia e a transparência são factores irrelevantes no estabelecimento das novas relações bilaterais.

Desde a armadilha da dívida (os países têm de pedir enormes empréstimos aos bancos chineses para pagar às empresas chinesas para os trabalhadores chineses construírem os projectos) à inutilidade de vários dos projectos na óptica dos próprios países, os impactos ambientais e sociais negativos presentes e futuros desenham-se já. Sobre tudo isto está ainda a realidade de que se os projectos do BRI forem para a frente, será absolutamente impossível manter o aumento da temperatura abaixo dos 1,5ºC ou até 2ºC até 2100. Tal como a União Europeia exportou a sua indústria poluidora para a China e importou os seus bens, reduzindo as suas emissões mas aumentando as emissões globais, a China prepara-se para reduzir as suas emissões exportando as suas fábricas e centrais de carvão para países mais pobres.

Claro que existem importantes diferenças em relação ao expansionismo global americano, nomeadamente a ausência de coerção militar e política directa e indirecta. Até agora, o BRI está a fazer-se sem qualquer acordo de comércio livre e à margem da Organização Mundial do Comércio. A China, aliás, tenta apresentar-se como um país em desenvolvimento a fazer uma grande cooperação com os outros países em desenvolvimento. 

São os principais bancos chineses que financiam todo este processo – estimado em 40 a 45 mil milhões de dólares por ano: o China Development Bank, o Export-Import Bank of China, o Industrial and Commercial Bank of China –, assim como os fundos de investimento chineses (Silk Road Fund e China Africa Development Fund). Até hoje, 70% de todo o investimento do BRI foi em energia, com o carvão e o gás a dominarem. Em Davos como em Pequim, a finança sustenta a crise climática, garantindo os investimentos catastróficos do sistema capitalista fóssil.  No caso da China não existe sequer a ficção de que são elites separadas aquelas que dominam os Estados, os bancos e as indústrias energéticas: fica tudo mais claro de perceber.

Numa nova demonstração da total incapacidade do capitalismo para entender a crise climática, o capital chinês aposta no desenvolvimento de mais indústria fóssil e da estrutura anacrónica da indústria exportadora massiva, que hoje garante uma degradação ambiental e social sem paralelos históricos. O BRI demonstra que é possível uma viragem gigantesca nas escolhas de investimentos, mas que sempre que esta viragem se subjuga à lógica do lucro se tomam as escolhas erradas para os povos e para o futuro. A competitividade e o crescimento económico são hoje expressões máximas do capitalismo terminal.

Sobre o/a autor(a)

Investigador em Alterações Climáticas. Escreve com a grafia anterior ao acordo ortográfico de 1990
(...)