You are here

Disputa pode provocar uma divisão na Internet

Ex-presidente da Google previu que a China poderá liderar uma “bifurcação” da rede mundial. Diferenças na tecnologia 5G podem acelerar essa tendência, acabando com a Internet tal como a conhecemos.
Eric Schmidt: "bifurcação numa Internet controlada pela China e outra não chinesa, controlada pelos EUA”. Foto de Guillaume Paumier, CC-BY
Eric Schmidt: "bifurcação numa Internet controlada pela China e outra não chinesa, controlada pelos EUA”. Foto de Guillaume Paumier, CC-BY

Um editorial recente do prestigioso diário financeiro britânico Financial Times advertiu para o risco de a atual disputa tecnológica entre os Estados Unidos e a China provocarem uma divisão tecnológica global, criando duas esferas: uma liderada pelos Estados Unidos e a outra pela China.

O editorial evoca a previsão feita neste sentido pelo ex-presidente da Google Eric Schmidt e cita uma entidade da indústria que advertiu para o risco que correm os padrões da Internet 5G devido à disputa EUA versus China. “Isso poderia significar que os aparelhos produzidos num mercado poderiam ser incompatíveis com os do outro.”

Para o FT, esta situação forçaria países e empresas a escolher lados na guerra de comércio tecnológico. Entre os países que ficariam numa situação difícil, do ponto de vista diplomático, estão aqueles que receberam fundos oriundos de programas como a Iniciativa Um Cinturão, Uma Rota. “O primeiro-ministro da Malásia disse que o país usaria a tecnologia da Huawei o máximo possível.

Pelo menos dois grupos de telecomunicações europeus estariam a avaliar instalar unidades separadas para os hemisférios oriental e ocidental

Poderosos aliados dos EUA, incluindo o Reino Unido e a Alemanha, estão a ser pressionados a banir a Huawei”, observa o editorial.

Como mais uma evidência do risco de ocorrer uma divisão de tecnologias e a rutura dos padrões do 5G, o FT afirma que pelo menos dois grupos de telecomunicações europeus estariam a avaliar instalar unidades separadas para os hemisférios oriental e ocidental.

A Internet diante de uma “bifurcação”?

Em setembro do ano passado, o ex-presidente da Google Eric Schmidt, durante um evento privado em San Francisco, disse acreditar “que o cenário mais provável por enquanto não é uma fragmentação, mas uma bifurcação numa Internet controlada pela China e outra não chinesa, controlada pelos EUA”.

O comentário de Schmidt foi em resposta a uma questão que lhe foi colocada sobre a possibilidade de, nos próximos 10-15 anos, a Internet poder se fragmentar em três ou quatro subredes com regulações diferentes e acesso limitado.

"Se olharmos para a China, e eu estive lá recentemente, a escala das empresas e dos serviços que estão a ser criados, a riqueza que está a ser gerada, é fenomenal. A quota-parte da Internet chinesa no PIB do país, que é um número grande, é maior que nos EUA", disse.

Segundo Schmidt, os chineses não são apenas “bons na Internet”; eles podem vir a ser uma “liderança fantástica” em produção de bens e serviços.

O ex-presidente da Google também citou a iniciativa chinesa Um Cinturão, Uma Rota que envolve 60 países, e considerou muito possível que estes países comecem a usar infraestrutura chinesa. (L.L.)

(...)

Resto dossier

EUA X China - A nova guerra tecnológica

A guerra comercial movida pela administração Trump contra a China agravou-se no último mês e ameaça ter repercussões graves na economia mundial. Neste dossier, mostramos que o que está em causa não é uma questão de espionagem, mas uma disputa pela hegemonia tecnológica em que a China, em diversas áreas, procura superar os Estados Unidos. Dossier coordenado por Luis Leiria.

EUA impede vendas a fabricantes de supercomputadores chineses

Decisão vem apenas confirmar: o que faz correr a administração da Casa Branca não é a segurança nacional ou a espionagem, mas a disputa da hegemonia tecnológica também na área dos supercomputadores. Por Luís Leiria.

Twit da Huawei: viragem de 180 graus (U-turn)

Washington Post: China saiu vitoriosa do G-20

Recuo de Trump ao retomar as negociações comerciais com Pequim leva o diário norte-americano a considerar a China a principal vencedora do embate que provocou uma guerra de tarifas. Os derrotados foram os “falcões” da Casa Branca. Por Luis Leiria.

"A China domina . Genes, chips, qubits1, foguetes, reatores, vigilância e areia – as ferramentas de uma superpotência em ascensão"

Uma superpotência em ascensão

Revista tecnológica do MIT expõe o enorme salto tecnológico feito pela China nas últimas três décadas e mostra como não é só na tecnologia 5G que os chineses estão na vanguarda.

As redes 5G (quinta geração) vão mudar drasticamente a Internet que conhecemos.

Guerra EUA X Huawei: quem vai definir o futuro da Internet móvel?

Com o pretexto da espionagem, os EUA atacam a empresa chinesa líder da tecnologia das redes 5G. Disputa é considerada a mais importante desde a corrida espacial entre EUA e URSS, ganha pela NASA ao pôr o primeiro homem na Lua. Por Luis Leiria.

A Alibaba é uma das empresas chinesas que alcançou tecnologicamente os gigantes do Vale do Silício.

Como a China desafia o Vale do Silício

A ascensão de algumas importantes empresas chinesas de internet coloca sérios desafios às companhias norte-americanas líderes da digitalização nos últimos 20 anos. Estas empresas ocupam lugares chave num capitalismo digital com marca chinesa. Por Florian Butollo e Philipp Staab.

Eric Schmidt: "bifurcação numa Internet controlada pela China e outra não chinesa, controlada pelos EUA”. Foto de Guillaume Paumier, CC-BY

Disputa pode provocar uma divisão na Internet

Ex-presidente da Google previu que a China poderá liderar uma “bifurcação” da rede mundial. Diferenças na tecnologia 5G podem acelerar essa tendência, acabando com a Internet tal como a conhecemos.

O que é o Sistema de Crédito Social na China?

Cidadãos e empresas recompensadas ou punidas pelo seu comportamento social: será isto um pesadelo saído de uma ficção distópica ou uma ferramenta para responsabilizar governantes e empresas? Artigo de Meg Jing Zen.

Quando o sistema estiver completo, as câmaras de vigilância registarão todos os passos dos cidadãos e a sua pontuação.

Uma aterradora distopia em construção

A combinação de alta tecnologia, capitalismo e regime ditatorial está a construir uma aterradora distopia: um “sistema de crédito social” onde cada um dos 1400 milhões de chineses participará de um ranking nacional, a partir de dados controlados pelo governo, e as suas atitudes farão a sua pontuação subir ou descer. Por Luis Leiria.