You are here

Os Ultras

Bolsonaro, o “Trump Tropical”, protagoniza apenas o mais recente episódio desta série de terror.

Et tu, Brasil? A extrema-direita disparou na primeira volta das eleições brasileiras, tornando real a possibilidade de alcançar a presidência. Jair Bolsonaro bradou declarações de ódio a mulheres, negros, homossexuais, fez a apologia da tortura e incitou à violência. Mesmo assim (ou também por isso?) foi o candidato mais votado, com 46% dos votos. Como é possível? Como chegamos aqui?

Algumas opiniões tentam explicar o ascenso da extrema-direita com questões locais ou nacionais. O localismo diz que os EUA abraçaram a extrema-direita pela perda de perspetivas dos operários brancos, que na Inglaterra esteve em causa o soberanismo, em França o terrorismo, em Itália foi a crise dos refugiados (ou na Suécia, Áustria, Alemanha, etc.), que na Índia é pelo Paquistão, que no Paquistão é pela Índia, que no Japão é pela China, no países bálticos é pela Rússia e na Rússia é pela NATO... Enfim, a lista de países continua de forma cada vez mais assustadora e, para todos, é apresentada uma explicação própria para o ascenso da extrema-direita.

Este pensamento localista afirma que a viragem no Brasil foi motivada pelo antipetismo, a insegurança e a corrupção. Adiciona-se a tragédia durante a campanha eleitoral que se tornou golpe de sorte para o candidato vítima de esfaqueamento. E, acrescento eu, bebeu muito da polarização que o país viveu com a destituição de Dilma Rousseff e o consequente eclipse do centro político partidário. Contudo, ficarmos apenas pela análise nacional é olhar para a árvore e não ver a floresta.

É claro que existem diferenças entre países e os processos políticos nacionais que estamos a assistir. Mas, num mundo globalizado, considerar que o furacão ultra conservador reconhece fronteiras é algo do domínio da fé, não da realidade. Assistimos a uma gigantesca viragem mundial nos panoramas políticos e é para isso que temos de nos preparar. Só isso explica a ruína de sistemas político-partidários que duravam há décadas e a ascensão eleitoral meteórica de propostas populistas, xenófobas e racistas.

A crise financeira de 2007/2008 é a origem desta movimentação de placas tectónicas. Por esses dias, num ápice, a economia de casino ruiu e levou consigo largos setores da economia mundial. Uma década depois, somos confrontados com a inevitabilidade: a arrumação social imposta pela primeira crise do capitalismo global teria necessariamente efeitos no sistema político-partidário.

Progressivamente, assistimos à introdução de uma nova ideologia que justifica e legitima a divisão social e tem como roupagem uma demagogia de grande alcance popular. É a política da exclusão, do ódio, que ganha força na redefinição do conceito de comunidade pela exclusão de largas franjas da população. O velho “dividir para reinar”, numa casa global onde falta o pão, aplicado com um crescente autoritarismo do Estado. O arco do autoritarismo chega a mais de metade da população mundial: China, Rússia, Egito, Turquia, Índia, Paquistão, crescentemente nos EUA e em implementação no Brasil, só para citar alguns exemplos. Bolsonaro, o “Trump Tropical”, protagoniza apenas o mais recente episódio desta série de terror, mas não será o capítulo final.

A “trumpização” da política a que assistimos é a vitória desse projeto reacionário, que está a conseguir seduzir parte considerável da direita tradicional. Na concorrência com o sucesso eleitoral dos projetos de extrema-direita, a direita tradicional abraça cada vez mais as propostas extremistas numa tentativa de se salvar. São areias movediças, que depois de pisadas não têm retorno, nem bom resultado para os povos.

Bolsonaro ganhou, mas ainda não venceu. O Brasil assustou, mas ainda se pode salvar. Três semanas é o tempo que nos separa do abismo. Lá, como por cá, precisamos de um projeto forte para uma sociedade inclusiva, que defende os povos da globalização e criar uma economia onde cabem todas e todos. É essa a salvação da democracia das garras dos ultras.

Artigo publicado no jornal “Público” a 9 de outubro de 2018

Sobre o/a autor(a)

Deputado, líder parlamentar do Bloco de Esquerda, matemático.
Termos relacionados Brasil – Eleições 2018
(...)