You are here

Na ferrovia: isto só visto

O governo retirou à CP Comboios de Portugal a definição dos horários dos comboios de verão, não se sabe ao certo porquê, mas seja lá por que motivo for é um atestado de total incompetência.

Não me lembro de alguma vez ter acontecido, o governo retirou à CP Comboios de Portugal a definição dos horários dos comboios de verão, não se sabe ao certo porquê, mas seja lá por que motivo for é um atestado de total incompetência que o governo passou à empresa dos comboios, nem a gestão dos horários já são capazes de fazer.

Ao mesmo tempo o ministro desce ao nível do departamento da empresa transportadora que trata dos horários.

Este caso é o mais claro exemplo da situação de desleixo, de incúria, de incapacidade, de ausência de políticas para o transporte ferroviário em Portugal.

O setor bateu no fundo, não há material para garantir a circulação dos comboios, não há vias em condições de segurança, a indefinição quanto ao futuro da empresa responsável pela reparação e manutenção (EMEF) continua, como quem brinca com o fogo.

Os investimentos são o jogo do faz de conta, o ministro anuncia, anuncia, mas quase tudo não passa de fogo-de-vista, a situação da renovação da linha do norte é por de mais caricata.

A situação vai piorar – porque não há material e porque não vai haver nos próximos anos, tudo vai envelhecer ainda mais, a falta de segurança e a ausência de resposta aos passageiros vai acentuar-se.

A situação vai piorar – porque a EMEF não tem capacidade de resposta, faltam os trabalhadores, mas falta também o investimento, por exemplo na nova oficina de rodados, prometida há quase duas décadas e falta sobretudo uma ideia coerente com a defesa da ferrovia. A única ideia que parece existir é a privatização dos setores que dão apoio às mercadorias e ao Metro do Porto.

A situação vai piorar – porque na linha de Cascais a via e o material circulante estão completamente podres, tudo anda preso por arames e os sucessivos governos nada decidem.

A situação vai piorar – porque o ministro não sabe o que quer da ferrovia, não sabe o que quer da CP, anda ao sabor de interesses alheios a esta. Quando tudo estiver moribundo alguma coisa ou alguém vai aparecer e tudo ficará clarificado.

Toda a gente enche a boca com a descarbonização, toda a gente parece preocupada com a pegada ecológica, toda a gente fala nos interiores do País, toda a gente diz que o futuro passa pela ferrovia, toda a gente fala da importância da ferrovia...

Toda a gente fala…

Sobre o/a autor(a)

Operário Ferroviário
(...)