You are here

Por Julian Assange, pela liberdade de informar

Aproxima-se o sexto aniversário do seu exílio forçado na embaixada do Equador em Londres.

A ideia aterrorizadora e distópica de uma máquina poderosa colocando seus mecanismos em marcha para esmagar vozes dissidentes é-nos demasiado familiar para que possamos desvalorizá-la enquanto realidade histórica várias vezes repetida.

Julian Assange é um jornalista corajoso que vem sendo perseguido por ter exposto os muitos crimes do imperialismo. Aproxima-se o sexto aniversário do seu exílio forçado na embaixada do Equador em Londres e com essa data, a consciência pública parece finalmente despertar para a sua dramática situação.

Cercado por entidades que o perseguem e o pretendem destruir, juntamente com a organização que ele é o rosto mais visível, submetido a isolamento contínuo e prolongado pelo governo equatoriano, compreende-se cada vez melhor que a sua defesa se enquadra numa luta mais vasta contra a arbitrariedade e secretismo dos governos, a supressão dos mais fundamentais direitos democráticos e assim sendo torna-se uma responsabilidade de todos e cada um de nós lutar pela liberdade de expressão, causa de que Assange é um dos símbolos máximos, na actualidade.

Segundo sugestões de Elizabeth Lea Vos, editora da publicação on line Desobedient Media, há uma infinidade de ações que os apoiantes de Julian Assange podem promover - e vêm promovendo, na verdade - como escrever cartas e postais para Julian Assange, assinando petições online, fazendo doações para o Wikileaks, contribuindo para o fundo de defesa legal de Julian Assange e comprando nas lojas Wikileaks. Também é possível assinar a carta aberta endereçada ao Presidente dos EUA Donald Trump, pedindo-lhe que feche imediatamente a investigação do Grande Júri no WikiLeaks e elimine quaisquer acusações que o Departamento de Justiça já tem na forja contra Assange e outros membros da equipe WikiLeaks.

Recentemente realizou-se uma vigília online Unity4J que durou 24 horas num esforço para ampliar o espectro do ativismo em seu favor e articular novas formas de colocar fim ao seu desumano isolamento. Pouco depois dessa vigília, a atriz Pamela Anderson que se tornou amiga de Assange conversou com Tucker Carlson na Fox News considerando-o "um grande testemunho do espírito humano". Enquanto isso, o jornalista Chris Hedges, vencedor do Prémio Pulitzer expressava forte apoio a Assange via Twitter, escrevendo:

A vida de @JulianAssange está em perigo. Em violação dos direitos humanos fundamentais, o governo equatoriano transformou o asilo na sua Embaixada em Londres numa forma de brutal encarceramento.

Está agendada uma manifestação para o dia 17 de junho em Sydney, convocada pelo Partido da Igualdade Socialista (Austrália) (@SEP_Australia), que vem exigindo que o governo conceda a Julian a proteção a que ele tem direito enquanto cidadão da Austrália.

Nesse país, artistas como 'Yarraspot' desceram ruas de Melbourne para expressar apoio ao fundador da WikiLeaks através da arte de rua. O que foi particularmente tocante no evento de Yarraspot foi o incentivo à participação dos transeuntes, adicionando suas próprias mensagens em apoio ao Unity4J. A exibição final também foi twittada pelo WikiLeaks Art Force.

Mas não são apenas celebridades e jornalistas respeitados que falam em seu nome, mas também pessoas comuns em todo o mundo: mais recentemente, o World Socialist Website informou que os comícios serão realizados no Sri Lanka em 19 de junho pedindo a liberdade de Julian Assange no aniversário do dia em que ele entrou na embaixada em 2012. A simpatia popular em torno desta causa vem crescendo e ampliando o halo de esperança por um desfecho justo deste caso.

Ele continua a sua luta pela nossa liberdade no cativeiro e portanto é nosso dever, cá fora, lutar pela sua liberdade que é também a nossa. Fica o desafio para iniciativas em Portugal pela liberdade de Assange.

Seguem-se os links que podem ser úteis a quem deseje seguir a causa e juntar-se a este já vasto movimento internacional.

#ReconnectJulian #FreeAssange #SafePassage #NoExpulsion #1TweetADay4JA #DefendWL

Sobre o/a autor(a)

Professor. Cabeça de lista do Bloco de Esquerda no círculo de Viseu, nas eleições legislativas de 2015
Comentários (1)